quarta-feira, 14 de março de 2007

Pode economizar...

O Presidente da ALEPA tem em mãos oportunidade única de economizar muito dinheiro público. Uma notinha do Repórter Diário de hoje, algo ufana com a atitude do deputado, afirma:

Legalidade
O presidente da Assembléia Legislativa, deputado Domingos Juvenil, já determinou: só quer softwares licenciados e legalizados na instituição. O presidente do Legislativo estadual entende que o órgão tem que dar o exemplo. A equipe de informática já iniciou os preparativos para as mudanças.


Se o Deputado Juvenil for mais a fundo na iniciativa de "dar o exemplo" poderia solicitar a instalação de software livre na casa.

21 comentários:

Yúdice Andrade disse...

Mas, meu caro Barretto, software livre não precisaria de licitação! E se não fizermos licitações para adquirir mundos e fundos, de onde virão os contratos vantajosos (para os envolvidos, não para o interesse público)? Quantos computadores tem a ALEPA? Quantas licenças precisariam ser compradas? E quanto custa cada uma?
Convenhamos, seria uma farra. Com o meu, o seu, o nosso dinheirim.

ASF disse...

Caro Yúdice,

Muito oportuno o seu comentário, por isso eu gostaria de tecer algumas considerações.

Um modelo de adoção de software livre trás enormes vantagens para qualquer empresa, em especial para as empresas públicas.

Além da redução dos custos com a aquisição e manutençaão de licenças de software, existem outros benefícios diretos e inderetos como a possibilidade de reutilização do parque de máquinas existentes, maior segurança e disponibilidade dos sistemas, flexibilidade e transparência no processo de contratação de serviços.

Saiba que existem ferramentas em software livre (mesmo algumas versões do sistema operacional GNU/Linux, por exemplo) para as quais é necessário pagar pelo uso, através de licenças ou subscrições.

Trata-se de um equívoco ainda bastante comum (infelizmente) pensar que software livre é sinônimo de software grátis (isso é induzido pela palavra "livre")! :-)

Sim existem versões gratúitas também, mas não exclusivamente. A principal diferença entre software livre e proprietário está no modelo de desenvolvimento, colaborativo no caso do software livre. Isso se traduz em uma melhor qualidade do código das soluções livres (por motivos que já expus aqui em outras oportunidades, mas ficaria muito feliz e fazê-lo novamente caso necessário), em um custo menor para a aquisição e manutenção do software e na possibilidade do desenvolvimento regional. Esse último aspecto é especialmente interessante: software livre estimula a criação de empresas locais para prestação de serviços, desenvolvimento e customização do software e das soluções tecnológicas (mais emprego e maior arrecadação local). Essa possibilidade pode estimular diretamente a lisura e transparência no processo de compras da administração pública.

Para finalizar, é imensamente mais interessante para uma sociedade um modelo onde podem existir várias empresas concorrentes fornecendo soluções tecnológicas diversas (empresas nacionais) do que um modelo onde existem apenas poucas (em alguns casos apenas uma) empresa estrageira com uma única solução tecnológica sendo negociada por seus agentes comercias.

Abraço,

ASF
http://antoniofonseca.wordpress.com

Anônimo disse...

Ainda que concorde com a colocação do Prof.Yúdice.A farra como nosso suado dinheirim está institucionalizada.Mas é necessário pensar seriamente na adoção do software livre nos órgãos públicos, a Espanha acabou de adotar, a ministra Ellen Gracie é favorável Seria uma boa discussão transversal na pauta do e-processo. Vamos começar a falar mais nisso, muito, muito e muito para quem sabe, torná-lo tema de consistentes debates públicos.
graça campagnolo

Carlos Barretto  disse...

Sem dúvida, Graça. Aliás, é um prazer recebê-la aqui no Flanar.

Anônimo disse...

Oi, Flanar, parece que o Antonio(que cara bom, heim?), está colocando o Jenner na parede, não?(rsrsrs). Beijos.
Cris Moreno

Unknown disse...

Não só a Espanha, também o parlamento Francês e até mesmo alguns estados norte-americanos.

ASF
http://antoniofonseca.wordpress.com

Carlos Barretto  disse...

Ahahahahah!
Oi Cris. E nós usuários, querendo ver a onda.

Anônimo disse...

Pois é, Flanar. Acho que não existe o melhor na área. Nós temos mesmo, vários caminhos. A tecnologia é isso, superação em velocidade. Depende da sua necessidade, da minha necessidade,...A quebra de hegemonia traz crescimento, para todos os lados. É sempre um desafio. Traz sempre outras opções, mas com reconhecimento do que já existe. Sou leiga no assunto, mas entendo um pouco de mudanças, principalmente nesta era de pós-modernismo em que vivemos. Acho que juntos - todos, a velocidade será mais rápida do que já é.
Será que entrei nessa "onda"?
Salve-me, Flanar!!!!!!

Carlos Barretto  disse...

Entendo assim também, Cris. Contudo, devo dizer que em relação ao Windows e a política da Microsoft, como usuários, temos a obrigação de questionar uma montanha de coisas. Neste sentido, o uso de software livre é um excelente exemplo prático de como resistir a dominação da gigante.
Isso dito de maneira muitíssimo resumida, pode até suscitar um entendimento meio xiita ou sectário. Mas não é nada disto.
ASF poderá te dar informações adicionais sobre a boa polêmica envolvendo os SOs.
Em resumo, precisamos estar antenados as estratégias de quem produz um sistema operacional. Em especial os monopolistas. Afinal de contas, nele vc vai depositar boa parte de sua vida, sua intimidade, sua segurança bancária, etc, etc.
Abs

Jenner Maciejewsky disse...

Cris,

Não se pode pensar assim, que o Antonio está me colocando na parede. O Antônio conhece muito bem os 2 mundos e sabe muito bem defender o que gosta.

Mas quanto ao uso de SL em qq ambiente, público ou privado, precisa de avaliação técnica e não ideologica.

Dá mesma forma que existem empresas que saem do modelo Proprietário, diga-se Windows, também tem aquelas que estão fazendo o processo de volta, por alguma razão resolveram retornar ao Windows.

Apesar de não ser 100% confiável, ainda acredito no modelo da Licitação, ou talvez no leilão de oferta de serviços e produtos (Vence o que oferecer mais barato claro). Será que o SL mostraria realmente ter custos menores ?

Antônio meio veio, você tá caindo no mesmo erro da maioria dos defessores sobre SL, não esqueça que SL não é igual a Gratuíto.

Jenner Maciejewsky Rocha

Jenner Maciejewsky disse...

Flanar, considero o movimento de SL muito legtimo e oportuno, não é um movimento novo mas que vem sem dúvida alguma ganhando cada vez mais credibilidade, execeto quando se tem alguns caras que não querem discutir mas impor como o caso do Richard Stallman http://pt.wikipedia.org/wiki/Richard_Stallman que ao defender o SL. Mas não quero discutir o Stallman aqui.

Mas o movimento de SL vem fazendo com que as gigantes, principalmente a MS repense sobre as politicas de licenciamentos. Sei que os criticos vão reclamar dos modelos que a MS adota de SL, mas é o começo, não se pode esperar que depois de decadas simplesmente se mude da água para o vinho apenas pq alguns consideram esse modelo o Melhor.

Visite o site Porta25 e perceberá que algumas mudanças ocorrem entre os funcionários. http://porta25.technetbrasil.com.br/Principal.aspx
Hoje a Microsoft já discute SL com a comunidade, talvez ainda não da forma que a comunidade de SL deseja, mas como diz o Prado da Porta25 "Estamos ainda aprendendo com esse novo mundo", e como já foi dito aqui "Prudencia sempre é bom" .

O Porta25 é o modelo nacional do Port25 (Microsoft EUA) que faz parte do Laboratório de Software Livre da Microsoft.

Anônimo disse...

Caramba. Viva o Jenner. Não é à toa que ele é o líder da comunidade. Flanar, você tem razão. Os comentários....fazem os blogs(credibilidade).
Beijos, Cris Moreno.

Carlos Barretto  disse...

Viu? Não fossem estes 2 especialistas, estaríamos perdidos.
Ambos são e sempre serão muito bem vindos.

ASF disse...

O Jenner é uma das nossas boas lideranças regionais no universo dos grupos de usuários de tecnologia. Ele está a frente do grupo MS-Bel (grupo de usuários dos sistemas da Microsoft em Belém) e recentemente se tornou um colega nosso de SUCESU-PA, onde trabalhamos com uma agenda comum: o amadurecimente e profissionalização do nosso mercado regional de TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação).

Antes de prosseguir eu gostaria de deixar claro que considero o Jenner um amigo e acho que isso é recíproco. Temos muito mais em comum do que diferenças.

Também já tenho tempo suficiente de estrada para não me deixar comover facilmente por elogios ou permitir que minhas convicções sejam abaladas por uma crítica qualquer. Não quero ser um estraga prazeres, mas se depender de mim a lona não vai ser armada. ;-)

Ok, agora vamos tentar esclarecer rapidamente alguns pontos que foram discutidos aqui:

1- Sim, conheço realmente muito bem o universo do software proprietário e do SL/CA (software livre/código aberto);
2- Minha predileção pelo SL/CA se baseia muito mais em uma visão crítica e pragmática da tecnologia do que no meu gosto pessoal;
3- Sobre o processo licitatório eu deixo os detalhes jurídicos para os especialistas, mas acredito que ele deve ser o mais transparente e lícito possível;
4- Sim, acredito que o menor preço não deve ser o único critério de avaliação para a aquisição ou adoção de uma tecnologia, não importa se estamos falando do setor público ou privado;

Há várias coisas que precisamos levar em consideração para a adoção de uma plataforma de software, como por exemplo: TCO (custo total de propriedade - quanto custa manter os sistemas funcionando, ou mais importante ainda, quanto custa para a empresa o tempo em que eles não estão funcionando por qualquer motivo?), o hardware existente (a necessidade de aquisição de novos equipamentos pode inviabilizar o uso ou a manutenção de uma determinanda plataforma), simplicidade de gerenciamento, capacidade de crescimento, flexibilidade, a segurança, interoperabilidade entre plataformas diferentes, adoção de padrões, etc.

Bem eu já vou parar por aqui pois não quero correr o risco de tornar esse papo maçante.

Abraço,

ASF
http://antoniofonseca.wordpress.com

Jenner Maciejewsky disse...

Antonio meu irmão, é recíproco sim.

Carlos Barretto  disse...

Amigos Jenner e Antonio.
Agradecemos e muito sua participação neste blog. De fato, vcs contribuem muito para possamos entender as posições dos SOs no mercado de TI.
Nosso compromisso neste blog, longe de optar por um ou outro, é manter os leitores informados sobre o assunto.
Longe de nós contudo, opinar sobre o mercado corporativo que possui características e demandas bem diferentes dos usuários domésticos.
Neste último cenário, acreditem, as pessoas desejam segurança sim e facilidades na administração de seus suados PCs. Neste sentido, tanto um quanto outro tem problemas conhecidos. Em termos de segurança, penso que o Linux até o momento parece ser imbatível. Em termos de facilidade de gerenciamento, a Microsoft ainda leva vantagem. Afinal de contas, recompilar o Kernel para instalar um novo driver, editar arquivos de texto, etc, não é exatamente aquilo que o usuário doméstico deseja para fazer funcionar seu vídeo, entre outras coisinhas. Reconheço e admito que o Linux vem melhorando muito quanto a isso, mas ainda precisa sim ser mais amigável. Juro que vou tentar mais uma instalação do Linux em meu PC e fazer a mesma matéria que fiz quanto ao Vista.
E olha que sou um usuário com conhecimentos um pouquinho acima da média. Nem queiram saber o que sofrem aqueles que tentam intalar o windows ou Linux pessoalmente, sem ter conhecimento básico de nada. E isto farei, da mesma maneira que fiz com o Windows, sem pedir ajuda de ninguém, apenas baseado em meu conhecimento pessoal.
Quanto ao aspecto ideológico, para mim, pessoalmente é importante sim, embora não pese tanto assim no contexto geral. Compreendo que do ponto de vista corporativo, talvez isso não seja argumento plausível. Mas para mim pelo menos, é muito importante sim. Pois se não fosse, quantas coisas são feitas mundo afora, no total desprezo do aspecto ideológico, que dão certo tecnicamente, mas que trazem inúmeros desdobramentos, que freqüentemente quem ganha o capital, acha melhor não ver?
Cabe sim a cada usuário doméstico questionar da maneira que achar conveniente aquilo que instalará em seu PC. Neste sentido, traduzo apenas a minha opinião pessoal, longe de atribuir-me a condição de "representante dos usuários domésticos", até porque, pelo volume de informações que leio mensalmente sobre o assunto talvez seja bem maior do que a maioria dos usuários domésticos. Mesmo assim, considero-me como tal, tendo em vista que não uso PCs em empresas, não sou dono de uma e não posso ter o ponto de vista de uma delas.
Espero que continuem ativos participantes deste blog que muito tem a ganhar com suas opiniões. E Parabéns pela cordialidade demonstrada mutuamente, com nossos leitores e com o poster deste blog.
Abs

Anônimo disse...

Isso é diplomacia. Dos três lados. Parabéns!
Flanar, esse material dá uma execelente sugestão de pauta, sabia?
Beijos, Cris Moreno.

Anônimo disse...

Flanar, fiquei pensando sobre a sugestão de pauta. Foi interessante o debate.
Você até que poderia fazer indicativos de pesquisas para os jornalistas, quer dizer, sites, blogs, ... de buscas e modernas tecnologias que possam facilitar a vida desses profissionais. O que você acha?
Beijos, Cris Moreno.

Carlos Barretto  disse...

Puxa Cris. Vc realmente acabou de assistir realmente um interessantíssimo debate, apimentado por 2 excelentes comentaristas do Flanar. Sem a menor dúvida, conseguimos aqui manter as coisas em nível compreensível para os cidadãos comuns. Acredite, esta discussão, que já vem ocorrendo há muito tempo na área de TI, quando fechada em ambientes meramente de TI, é às vezes incompreensível aos usuários comuns como nós. E os 2 conseguiram manter o debate dentro do possível, de maneira acessível. Este é o principal mérito de ambos.
Fico honrado com sua sugestão mas como médico e "micreiro" não seria a pessoa mais indicada para dar sugestões com esta responsabilidade. Entre os meus colegas médicos, costumo ser frequentemente consultado sobre a área de TI. Sempre resisto o quanto posso pois acho que existe gente muito mais preparada para fazê-lo. Afinal, meu método de aprendizado é por simples tentativa e erro além de consultar uma vasta literatura semanal a respeito do assunto. Eu respondo pelos meus cometimentos na área. Não poderia repassar prejuízoa a terceiros em função de minha curiosidade.
Mas prometo que com a ajuda dos 2 amigos Jenner e Antonio (este último na verdade meu estimado cunhado), estaremos sugerindo sempre alguma coisa. Vc pode também visitar o blog deles:
Antonio
http://antoniofonseca.wordpress.com/
Jenner
http://maciejewsky.blogspot.com/
Mas acredite: eles estão milhas acima de nossa vã aventura na área de TI.
Minha disposição será de traduzi-los para nós, quando possível, é claro.
hehe
Abs e muitíssimo obrigado pela sua sempre bem vinda participação.

Anônimo disse...

Flanar, que pena. Acho que vou chorar. Beijos.

Carlos Barretto  disse...

Ahahahahah!