quinta-feira, 31 de agosto de 2006

HUJBB - 47 anos dedicados a Saúde Pública no Pará

Hoje, o Hospital Universitário João de Barros Barreto comemora seus 47 anos de existência. Em solenidade simples no auditório do hospital que terminou agora há pouco, estiveram presentes o Reitor da UFPa, Prof. Dr. Alex Fiúza de Melo, a Vice-Reitora Regina Barroso além do Diretor Luís Moraes e vice, Maurício Bezerra.
Na platéia, D. Cleuza, a enfermeira mais antiga do hospital, além de Samuel Sá, marido da saudosa diretora Elisa Sá, que ao final proferiu aula.
Anotados alguns tópicos importantes dos discursos lá realizados:
A Vice-reitora Regina Barroso falou sobre a importância e valorização do Conselho Gestor da unidade e anunciou a criação do Fórum Integrado de Saúde que a partir de agora deverá e acompanhar as ações de saúde da UFPa.
O Reitor Alex Fiúza de Melo, sempre muito feliz em suas declarações falou sobre a temporalidade das ações administrativas reforçando o conceito de instituição, reafirmando sua convicção em dias melhores para o HUJBB, apontando-o como um "adolescente" em apenas 47 anos de existência. Neste sentido, afirmou "as utopias podem se realizar no tempo histórico certo" longe daquilo que designou como "interesses de curto prazo como os interesses pessoais, eleitorais, corporativos ou até mesmo privados". Ao final, salientou que "O Brasil precisa amadurecer uma vez que a oposição só existe para destruir o que já existe e a situação para destruir o que veio antes". Ressaltou ainda que "avançamos inegavelmente na democracia mas não na república".
Sobre integração docente-assistencial afirmou que "no HUJBB muitos assistentes ainda não se reconhecem na UFPA e na UFPA lamentavelmente muitos professores não se reconhecem no hospital".
Não poderia ter sido mais feliz o reitor.

2 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns ao HU Barros Barretto e a toda equipe de saúde que o tem mantido como uma referência para a assistência e o ensino em uma região tão carente quanto a nossa.
Tenho pelo hospital um carinho muito grande, não só pelos amigos, que lá atuam, mas por ser minha terceira casa de formação, antecedido pelos hospitais das misericórdias do Rio de Janeiro e Pará.
A propósito, Carlinhos, alguém já escreveu a história desse hospital, que se mistura com a de outro, erguido no mesmo local, o Sanatório Domingos Freire?

Flanar disse...

Apenas o Aristóteles Guilioud vem tentando fazer algo neste sentido. Vou pedir a ele que publique neste blog algum escrito sobre o assunto. Excelente idéia.
Abs