quinta-feira, 4 de março de 2021

O insólito perguntador

 A gente não se dava com ele, mas ele se dava com a gente.

Não fazia parte da turma, mas vez ou outra aparecia na casa do Caíca e ficava peruando nossa conversa, o pif-paf, pegava as mangas do quintal, folheava O Cruzeiro e ainda fazia mímica facial em cada virada de página; ria sozinho do Amigo da Onça, enfim...não se abatia com nossa pose de "não te conheço".

Quando estava conosco participava de tudo. Se íamos brincar bola, ele ia; se íamos pro igarapé, ele ia; empinar papagaio, jogar peteca, pião, fura-fura, brincar de pira, tudo, tudo, tudo. Era um chato. Mas, então, por que o aturávamos?

Porque éramos um tanto quanto metidinhos a sabichões. Estudiosos, filhos de professoras, boas notas, e o nosso "amigo", calado a maior parte do tempo, fazia umas perguntas que nos liquidavam. Tipo: "Que dia começou a Idade Média?" Pronto. Era o bastante pra nos tirar do prumo. Disfarçávamos. Dizíamos: "mamãe tá chamando" e saíamos correndo em busca de livros à procura da resposta. 

O que tinha na época era o almanaque Abril; quando estávamos dispostos, corríamos até a casa de seu Manolo que guardava uma edições amareladas da Barsa. Quando a gente mais precisava de certo assunto, a página faltava. Chegamos até a desconfiar que aquele moleque entrava ali, rasgava a página e depois ia desafiar a gente.

Decidimos contratar o Maricélio pra seguir o "amigo" e descobrir onde ele morava, estudava; quem eram os pais, etc... essas coisas básicas.

Foi um investimento perdido. Cada um de nós pagou uma peteca boliviana, daquela multicolorida, e nada. O Maricélio disse que era prá lá do campo de aviação, só que o moleque sumia por um caminho estreito, de mata fechada, onde se dizia que existia uma sussuarana, felino valente.

Devia ser uma entidade, aquele pirralho.

Seus questionamentos, num tempo sem Google, eram um desafio e tanto.

Acostumamo-nos com sua presença e sumiço, até que ele evaporou de vez.

Benquerença é tão cheia de mistérios.

Conto isso porque creio que esse nosso "amigo", com suas perguntas estranhas e provocantes, foi fundamental pra nos despertar o interesse pela busca, por querer saber, por ir além do aparente... É certo que não encontraremos respostas para tudo, e as páginas desaparecidas do saber persistem até hoje. O que ficou gravado na gente, é que a gente tinha um desafio pela busca. 

Lembrei dessa história porque, nesses tempos esquisitos, haja o mundo a falar de ciência: de pesquisa, de randomização, duplo-cego, multicêntrico. Essas coisas que nos deixam catatônicos. 

Pra mim a ciência é cheia de mistérios, assim como esse amigo do elo perdido. Uma hora é uma coisa, outra hora é outra coisa, depois não é nem uma nem outra e sempre tem um perigo, uma escuridão no caminho - um medo de ir em frente por causa da sussuarana e dos descaminhos. A ciência, de uns tempos para cá, começou a rebuscar em mim, e eu a pensar onde tudo começou. Começou na casa do Caíca, lá em Benquerença, quando investimos no Maricélio e não deu em nada.

Lembro bem da sua última pergunta, em meio a uma porrinha pra ver quem ia comprar o Q-Suco da merenda junto com pão-doce. Ele, sem a menor compostura, perguntou de chofre: "Que horas morreu a Renascença?"

 

Corisco e Labareda

terça-feira, 2 de março de 2021

E pela estrada que me leva a Maceió...

... Eu descobri uma trupe de médicos envolvida com afazeres da cirurgia torácica. Todos participando ativamente. É que por lá tem o grupo da Santa Casa de Maceió, que veste a roupa, põe o gorro e máscara, e tocam serviço com sistematização, a ponto de realizar evento ao vivo sem levar em consideração as amarras que a região impõe  - e sem se sentirem vitimizados por esse fato. Eles já ficaram conhecidos no Brasil por serem pioneiros em lobectomias por vídeo sem uso de OPME (conhecida como deviceless), para beneficiar pacientes do SUS. E isso não é pouco.

    No final de semana de 26 e 27 de fevereiro, por meio de EAD, realizaram o simpósio “Câncer de Pulmão Estágio I – do diagnóstico ao tratamento”. O simpósio teve 508 visitações, algo que já se torna notável. Na sexta-feira, na abertura, nada mais, nada menos que o espanhol Ramón Rami Porta fez uma magnífica apresentação acerca do que representa, na atualidade, o câncer de pulmão na fase precoce (estádio I). Em seguida, a turma de brasileiros de diversas especialidades honrou a origem e todos fizeram verdadeiras fruições com seus horizontes científicos. Eles transdiagnosticaram o câncer precoce dentro de uma verdadeira rede de cooperativismo. Trupe do bem... coisa feiticeira!

    No sábado, dia de centro cirúrgico, outra trupe lançou-se com afinco e sorver na desenvoltura do tratamento cirúrgico. De um lado, encasalados, os moderadores. Do outro, no centro do teatro (assim o centro cirúrgico era chamado pelos antigos), os comandantes Artur Gomes Neto (Alagoas) e Paula Ugalde (Canadá). Aquele exercia com sua batuta a função clínica, selecionando os casos cheios de ramificações terapêuticas, e Paula, na função artística, dava ritmo e malabarismo cadenciados pelos trampolins anatômicos, tal como uma bailarina do “cirque du soleil”.

    Houve procedimento diagnóstico ao vivo na sala de tomografia, além de outros operatórios, realizados no teatro: segmentectomia não anatômica e segmentectomia anatômica no mesmo paciente, com dois cânceres sincrônicos em lados diferentes e uma lobectomia - todos com linfadenectomia regrada, conforme prescreveu o catalão Rami Porta, na noite anterior.

    Essas longas estradas – tipo as que nos levam a Maceió – educam o olhar, a audição e nossas perspectivas. Percebe-se isso no canto do Tiê ou ao ler um excerto de Graciliano Ramos, em "Vidas Secas": Se aprendesse qualquer coisa, necessitaria aprender mais, e nunca ficaria satisfeito.“


sábado, 6 de fevereiro de 2021

O Veloso da Benquerença

O Rex Bar, em Benquerença, fazia as vezes do Veloso, em Ipanema, e servia como observatório para o andar marujeiro das garotas que se punham a ondular no calçadão que margeia o Caeté.

Tom e Vinícius nunca estiveram fisicamente no local, mas espiritualmente eram figurinhas carimbadas nas mesas que adornavam esse sindicato de artistas.

Quantas vezes – quantas!-, eles foram convocados a embalar o andar das princesas em seus trotoir domingueiros nas vitrines das ruas.

Às vezes, um cantador das antigas, empolgado com a garota que passava, puxava um "Menina Moça"  (você  botão de rosa, mais menina que mulher...) e acendia o coro dos contentes que se esmerava em elogios e cantadas, nem sempre adequadas ao decoro e aos bons costumes, provocando variadas respostas das que vinham e passavam num doce balanço a caminho do rio. Desde um disfarçado muxoxo a um resplendoroso nem-te-ligo, com aquele olhar dissimulado que só as mulheres praticam com a arte do desdém.

O Rex-Veloso-Bar era pródigo em figuras que o transformavam no point da cidade.

Curiosamente as figuras femininas não eram frequentes nesse clube do bolinha cabôco, aí pelos anos 1970. Creio que uma das que quebrou essa barreira cultural foi a Lindanor Celina, que toda noite, após as aulas do que chamaram de curso polivalente para as professoras de Benquerença, se socava no Rex-Veloso-Bar a bom se fartar de cantorias, elevando o nível cultural do Rex a níveis nunca vistos ou ouvidos. Merecidamente foi eleita, por unanimidade, madrinha da Bandalambike, entidade de caráter lítero-etílico-carnavalesco, cujos membros, em sua maioria, eram cativos do Rex-Veloso-Bar.

Waldemar Henrique tornou-se habitual no canto de uma professora que, também, era do Carlos Gomes.

Certa vez fui posto à prova nas minhas habilidades violonistas e me virei como pude.

Uma noite, após hectolitros de cerveja, entremeados de uma ou outra lapada de caju amigo, pra sentar a birita. Segundo o Decano da instituição, Cabo Rei Nonato, e várias de Tom, Vinícius, Chico, Waldik, um circunstante foi chegando pra perto de mim e pediu: "Não dá pra fazeres uma Garota de Ipanema pra nós?" Olhei assustado pro amigo da hora e respondi: "No estado que me encontro não faço nem Garota de Capanema".

O Rex-Veloso-Bar era uma parada.

Corisco

sábado, 2 de janeiro de 2021

Esse tal de ano novo (ou Recital de ano novo)

Esse tal de Ano Novo faz de mim uma fritada de ovos mexidos. 

Primeiro me alegro por responder presente à chamada; depois fico sorumbático e ensimesmado por saber que na próxima posso não estar na folha da chamada.

E aí? 

E aí peço ajuda ao anda-Já e vou direto até a geladeira encher o copo com gelo pra congelar o tempo.

Não me diga que você achou que eu entrei nessa a partir do ser e o nada, ou, o mundo como vontade e como representação? 

Mais respeito. Sou do Canil e também do Bando de Corisco. Tenho um copo a zelar. Ok, Labareda?

Então, voltando à cold cow, aqueço o gelo com uma boa dose de Cavalo Branco e ponho-me a pensar sobre o dilema do Ano Novo. Rio ou Choro? Ou faço uma composição dialética entre a tese a antítese e tomo mais uma como síntese?

Pensei ligar pros meus conselheiros espirituais: Zé, Luiz, Milton, Roger, Maca, Fernandinho... Desisti. Eles deviam estar muito ocupados com suas arrumações da virada do ano. Não era hora de incomodá-los com essas questões menores. Botei mais uma. 

E assim se deu. Entre umas e outras, entre sínteses e dialéticas, conclui que era melhor aproveitar a festa e deixar a chamada pra outra hora.

Assim sendo: tim-tim. Feliz Ano Novo.


Corisco.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2020

o Corre-liso

    A principal avenida de Benquerença é absurdamente enorme. Vai bater no Atlântico, passando por cima de um mangal. Quando os Beatles a conheceram fizeram The Long and Winding Road. Começa no trevo do Morro e termina no mar, em Ajuruteua, por cima de umas tantas pontes. 

    Quando passo por ela, por trás da igreja Matriz, meus olhos, numa molecagem de fazer inveja, desfazem os concretos existentes e refazem o admirável, o inigualável, o insuperável Corre-Liso, o melhor campo de pelada de Benquerença. 

    Ali se deram os maiores embates de futebol: às vezes arte, às vezes desastre, às vezes des-arte, como costumava escrevinhar Manoel de Barros. 

    Ali, também, se consagrou um artista da bola: Hélio Mata Roma - pros pais; pra nós era o Buriri, terror das zagas e goleiros. Rápido como um raio, a bola tinha um chamego especial com seus pés: não se afastava deles. Certa vez ele foi bater uma falta a 35 jardas do gol e a bola entrou na forquilha do Bracáli, goleirão famoso do Remo que andava em férias por Benquerença e achou de tirar barato com o Buriri no Corre-liso. Dizem que o Ronaldinho Gaúcho, ao ser convocado para a copa da Ásia, andou vendo DVD pirateado do Buriri, vendido na feira, às margens do Caeté. O David Seaman que o diga.

Seu irmão, o Galo Rhode, que os pais teimavam em chamar de Iran, pontificava pela precisão das porradas que distribuía em campo. Seu forte era o MMA, esporte iniciado em Benquerença, quando o Corre-Liso se transformava em octógono, sem juiz pra atrapalhar porque era o primeiro a entrar no couro. Tenho uma cicatriz na canela direita com o carimbo do Galo.  

Joguei muito naquela arena esportiva, bem antes de me tornar contador de prosa. Sempre fui um jogador entre o assim e o assado. Não tive a sorte do Labareda que teve o Quarentinha a lhe orientar os passes e passos lá pelas quebradas da Curuzu. 

Meu melhor passe foi numa encenação de sessão espírita pra desalojar um zagueiro perna-de-pau que insistia em quebrar os craques da grande arte. Um tapa no pé do ouvido tirou o beque de campo e o fez correr em meu encalço. Nunca pegou, mas foi desde então que pendurei meu kichute.

Os deuses da pelota nada esquecem e, de súbito, veio "baixando" aquela jogada sensacional que fiz, "matando" a bola no peito e, quando, no ar, preparava o voleio fatal, um despreparado (terá sido aquele zagueiro?) buzinou atrás de mim. A bicicleta, como sói acontecer aos devaneios, foi sumindo no ar... As cortinas do passado se fecharam e a dureza das construções voltou a ocupar o espaço que um dia alimentou a geração que sonhava ser Pelé.

O Corre-Liso não resistiu à necessidade da urbe. Mas, duvide-o-dó se algum atleta peladeiro de Benquerença não guarda, pra sempre, aquela jogada fantástica emoldurada na memória, só à espera de ser resgatada do tempo. 


Corisco / Labareda.

domingo, 27 de dezembro de 2020

Os filósofos de Benquerença

Já bem disse Labareda, cidadão benquerencista, que Benquerença é muito além de seu tempo. 

É fato. Não conheço outro interior com a profusão de filósofos como lá. 

Ao tempo do meu aprendizado local havia duas academias muito famosas: Liz e Rex Bar. Nesses templos pontificavam inúmeros filósofos que não vou citar agora por absoluta falta de espaço. 

Falo apenas do meu mestre maior: Pandiscola, Pândis, Picolé ou Lord, como era conhecido nas academias.

Era costume termos acaloradas discussões após a ingestão preparatória de algumas garrafas de caju-açu que faziam as vezes de compêndios filosóficos. 

Pra quem não conhece o famoso caju-açu de Benquerença tem, mais ou menos, a cor do guaraná Jesus, da terra do nosso vizinho. E, Jesus, o maior dos filósofos, opera a mesma glossolalia pentecostal  citada na Bíblia, porque na meiota da garrafa já se fala vários idiomas.

Pândis costumava citar, no Rex Bar, o filósofo de Kronembier, que eu lhe soprava ao pé do ouvido: é Königsberg. Kronembier era marca de cerveja. Aí então o filósofo se empolgava, entornava mais um caju e pedia tira gosto de metafísica pra D. Rosilda. Era como ele chamava o filé-com-cebola que, segundo ele, era um exercício metafísico. E como nunca o agradava, ele desandava a falar em imperativo categórico e dizia que não esculhambava o tira gosto, apenas realizava a crítica da razão prática. Para o caju-açu ele reservava a crítica da razão pura, porque não aceitava mistura.

Lord tinha resposta pra tudo.  Perguntado sobre um pássaro diferente que víramos no rumo de Ajuruteua, ele matou a pau: "É Maçarico-Pombo, espécie não catalogada". Dizer o quê!

Quando soube que Nietzsche chamou seu ídolo de "esse chinês de Königsberg", jurou: "o dia que esse Nilton vier aqui eu acabo com ele". Com o apoio de todos pedimos mais uma garrafa. Era a derradeira. 

Essas aulas sobre o iluminismo acabavam, forçosamente, quando a igreja de São Benedito se iluminava e nós íamos filosofar em outra academia, porque disputar com São Benedito nem os filósofos de Benquerença. 

Corisco.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2020

O espírito de natal

     A casa fincada na beira do rio foi construída com esmero. Do açaizeiro tudo foi aproveitado para o assoalho, vigas, paredes, estames e palhas para a cobertura. A estiva que fazia ponte da casa ao trapiche, pronunciada a dez metros no rio, criava um cenário harmonioso e nostálgico àquela palafita.

    José, pescador e carpinteiro, casou-se com Maria. Foram morar ali, na beira da ilha das onças, bem em frente a Belém, às margens do Rio Guamá. Era pôr-do-sol quando Maria chegou ao lar pela primeira vez. Uma leve luz deitava-se sobre a casa e arredores. Ficou encantada com a paisagem. Emocionada mareou o olhar.

    O tempo acompanhou a correnteza do rio. Naquela noite de natal, Maria sentada no trapiche, via José lançar a rede de pesca na esperança de garantir algum peixe para a ceia. Acariciava a barriga de nove meses com ar aflito, uma vez que a escassez de pescado andava rondando o lugar. Apesar de toda dificuldade para andar, no fim da tarde, havia colhido algumas flores de algodão e um bonito galho de goiabeira. Cobriu os galhos com os tufos da flor e pôs na sala sua arvore de natal. Em oração silenciosa pediu fartura e saúde ao filho que chegaria. Ao ver aquela cena José dobrou os olhos. Sabia que estava difícil conseguir algum pescado. Quase nada se tinha em casa para um prato de comida. Ela abraçou o marido e acalentando cochichou: - O mais importante é o espírito de Natal. Dessa vez o marido mareou o olhar.

    Após armar a rede de pesca, José remou de volta ao trapiche e para sua surpresa, o barco a motor “B/M Reis Magos” vindo do município de Abaetetuba para o Natal em Belém encalhou, enganchando a hélice na rede de pesca de José. Maria tomou um susto. José decepcionado retornou ao rio. Um pouco nervoso, resmungou aos tripulantes a falta de atenção. Com a mulher a ponto de parir, queria apenas algum peixe para a ceia. Os três tripulantes velhinhos entreolharam-se, ouviram em silencio, e desculparam-se citando o espírito de natal. José ouviu calado. Desenganchou a rede. Assustou-se quando Maria gritou seu nome no trapiche. Com o coração na mão remou sem se despedir ou cobrar o prejuízo. Correu com Maria para dentro da casa. Uma estrela cadente riscou o céu, espelhando linda luz sobre as águas do rio Guamá, bem na hora que Maria e José recebiam seu filho dentro daquela palafita.

    A porta rangeu lentamente revelando os três velhinhos entrando no ambiente, cada um trazia nas mãos presentes, comida farta, uma rede de pesca novinha, um berço rústico, brinquedos e um presépio todo feito em miriti que foi posto ao pé da arvore feita por Maria. Em silêncio vieram e assim partiram.

    Maria abraçou José junto ao filho, beijou e cochichou em seu ouvido: - Esse é o espírito do Natal. Maria e José emocionados marearam os olhos agradecendo e acalentando o recém-nascido Jesus.

    Texto de autoria do compositor paraense Dudu Neves.

sábado, 19 de dezembro de 2020

A rede

     Um amigo já havia dito que Benquerença tinha algo de Macondo, do livro "Cem anos de solidão". Ele tem razão. De alguma forma as cidades do interior são um tipo de Macondo. É só olhar pelo retrovisor do passado, tal como escreveu Gabriel Garcia Marquez. 

   Foi aí que lembrei da presença da internet, do zap, do Instagram e das diversas alternativas de comunicação existentes em Benquerença, já na década de 1950. Tinha pleno funcionamento e desenvolvimento. Tudo isso naquela época funcionava muito bem, mesmo quando ocorria queda do sinal, que até agora ninguém saber explicar se era 4G ou 5G.

    Se não, como explicar aquela surra que o Priscolete dos Santos pegou do pai ao gazetar a aula pra ir pro igarapé da D. Henriqueta? Prisco, quando pisou o pé no portão, era o vap-vap do cinto pra tudo que era lado. Priscolete ficou uns 15 dias sem poder tirar a camisa na hora da pelada.

    Como as senhoras sabiam, instantaneamente, da chegada de nova puta na zona do Café Puro ou no Pitinga? A primeira a saber era a Fatinha, uma baixinha de metro e meio de altura que falava pelos cotovelos... e tornozelos. A partir dela a notícia atravessava a ponte e batia lá no sítio do seu Elesbão, já perto da cidade vizinha.

    E as retransmissoras instaladas nas manicures? E as costureiras que alastravam fake news os bairros? Com um máximo detalhe e sem direito a mojis e memes: era expressão facial instantânea com direito a suspiro. 

    E as professoras? Sabiam tudo! Naquela nossa Macondo era necessário extremo cuidado e zelo pra que segredos fossem preservados. 

    Se dependesse de mim ninguém saberia, por exemplo, que o Rui foi preso no polícia-ladrão ao perguntarem: "Diga onde está o tesouro". Ele respondeu: "Não digarei". Foi preso pelo futuro-do-presente e solto em 15 minutos, pois seu Noio, um advogado de porta de cadeia, porém poeta de bar, afirmara que o verbo era tão irregular quanto o "pendão da esperança" do hino à Bandeira. Rui não tinha conhecimento que aquele era um verbo torto, e só dobrava para a esquina do puteiro. 

    Mas o zap foi mais rápido e souberam na hora que o Rui fora solto pelo Noio. Tanto no Morro, quanto na Boca da Estrada, bairros diametralmente opostos de Benquerença. Daí em diante o Rui só queria ser polícia. Ele faria as perguntas ao lado de um livro de gramática para não cometer injustiça social ou abuso de poder.

    E o comportamento do meu pai com o velho Portuga, da padaria. Só contava piada sacaneando os "patrícios". Até o dia que o Portuga disse: "Ô Bocage, se contares mais uma de português ponho-te pra fora". O pai disse: "Nunca mais. Era uma vez dois chineses: o Manéu e o Joaquim..." Como era a única padaria de Benquerença, o Portuga suspendeu a venda de pão para nós. Só nos restava comer cuscuz. Essa história se espalhou na hora pelo mercado, o maior Data Center de Benquerença. 

    Só pra ilustrar a rapidez do espalhamento das notícias na terrinha: uma vez, o Lobo, inventor do samba tapuio, ao sair duma festa no Time Negra e ao passar na esquina da igreja matriz, foi abordado pelo padre Vitaliano, que o intimou: "Venha confessar, meu filho, soube que você roubou a galinha com farofa que era do leilão do Lamberto".

- Quem contou? Veio do céu, através de um raio. Respondeu o padre.

    Estava na rede, na nuvem. São os mistérios de Benquerença, uma cidade além de seu tempo. 

Corisco e Labareda

sexta-feira, 11 de dezembro de 2020

A casa dos anjos

     Por longo tempo Benquerença foi um burgo apequenado onde o progresso teimava em chegar devagar e às vezes perdia o horário do trem e aí é que não chegava mesmo. As ruas eram abertas na terra pra passagem das vacas e cavalos e os homens aproveitavam os caminhos. As luzes dormiam cedo. As comidas ficavam na banha do porco. A água era do poço amazônico. As retretes no fundo do quintal. As camadas de gente se misturavam como os virados de sarapatel e não se distinguia com nitidez quem era rico e quem era pobre. O máximo de sociologia aplicada aos casos era que os pobres pediam farinha em lata de leite ninho e tinham apelidos peculiares como: "vinagreira", "vinte quatro" e cada família tinha seu pobre pra alimentar.

    O mercado sempre foi o centro de fofocas e notícias. Sabia-se de tudo lá. Foi nesse ambiente que ouvi falar da Casa dos Anjos.

    Eu andava com vontade de ser padre e achei natural pedir pra mamãe pra ver os anjos lá da casa, quem sabe eles não ajudavam na minha vocação. 

    Quase apanhei uma surra, sem explicação, e fui proibido de falar nesse assunto. Entreouvi a mãe dizendo pro pai: "é isso que dá ficar falando nessas coisas na frente das crianças".

    Minha curiosidade era um ioiô que ia e voltava e logo me perdia em outras questões de maior importância, como procurar, no céu estrelado, o posto de gasolina onde o Sputnik abastecia. Perguntei pra Tia Quidoca que história era aquela e ela me disse que era tudo invenção de americano: "Já viste a estrada, fio?"

    Tempo passando e numa noite sonhei acrobacias e contorcionismos com a menina do circo e explodi de alegria. Gostei tanto  daquele calafrio e arrepio que, com amigos, passamos a fazer concurso pra ver quem explodia mais longe. Até que o Maricélio disse que com mulher era melhor. Só em sonhos eu sabia, mas o Maricélio garantiu que com mulher era melhor porque tinha uma casa onde as mulheres ensinavam a gente a explodir e elas cobravam pelas aulas. Pra menino novo elas podiam até ensinar de graça, se se engraçassem dele. Mas pra velho elas cobravam, ele dizia.

    Andei desconfiado da conversa porque senti que aquela casa não era estranha e já fora assunto na minha. 

    Me fiz de leso e perguntei pro Tarum, mais velho e mais adiantado nas artes da vida, o que era aquela casa e como entrar nela. 

    Ele riu, passou a mão na minha cabeça e disse: "pelo jeito tu não vais ser padre nunca. Aquela é a casa da Tia Maria, é a Casa dos Anjos. É um puteiro. A gente vai lá trepar com as meninas e levar aquelas que não querem ter os filhos que carregam na barriga. Tia Maria tira. É aborto o nome disso".

    Saí correndo, apavorado, desatinado. Fiquei dias e dias sem falar com ninguém, querendo a maior distância da Casa dos Anjos, com pavor de ver criança morta perto da casa.

    Quando consegui falar sobre o assunto, depois de pensar muito com quem me abrir e revelar esses segredos, escolhi, sabiamente, falar com a empregada de casa, uma maranhense bonitinha que só. Ela me explicou, com muito carinho e zelo, pra onde vão os anjinhos e como se dá o processo de explosão dos corpos de homem com mulher e eu me acostumei a explodir, quase todo dia, com ela. Menos uns dias que ela não  me olhava e nem falava comigo. Só mais tarde fui saber o porquê. 


Corisco.

terça-feira, 1 de dezembro de 2020

“Bojack Horseman” é a melhor animação que você nunca viu

 "Nunca ria de dragões vivos." 

Personagem Gandalf, de J.R. Tolkien.

        O que te faz ser preso por uma série? Independente da sua resposta, Bojack garantirá que ele não passe despercebido.

O árduo e perfeito trabalho em ser um anti-herói, faz com que Bojack seja uma série extremamente difícil de ser comparada. Não por ser a melhor série que existe ou por algum brilhantismo na produção, mas por ser única e dificilmente colocada em uma única denominação de gênero. Cómedia? Drama? Comédia dramática? Drama cômico? Bem... Essa animação começou a me prender no exato momento em que eu não sabia mais o que esperar dela: nem risadas, nem angústias. Apenas deixei com que ela me surpreendesse.

Em um mundo utópico pela originalidade ao misturar seres antropomórficos com seres humanos em uma única sociedade, Bojack é uma ex-celebridade que vive em um limbo niilista entre a glória e marasmo, numa mansão, viciado em esbórnia, além de conviver com personagens com características bem individuais e totalmente diferentes das dele. A série debocha de um cavalo falante, que é a personificação do pessimismo; dá patada em todo mundo e que nada está à altura de satisfazer seu ego ou fazer com que enxergue o mundo de maneira diferente. A série explana os atores do conflito que resulta nessa apatia do personagem, como a própria sociedade e o seu histórico familiar conturbado. Bojack mostra bem que a estrada para satisfação pessoal é longa e cheia de pedras. E é exatamente por isso que é fácil aceitá-lo. 

Além da sua personalidade arrogante e ríspida, Bojack não economiza em desprezar o otimismo bobo que eventualmente o rodeia ou algum tipo de seriedade no seu trabalho. Mas o que é mais agudo nos problemas de Bojack é a relação com o seu pior inimigo... Sim! Bojack tem alguém que atrapalha ele mais do que a própria sociedade hollywoodiana. Esse inimigo vai se mostrando aos poucos, na série, sem nem mesmo se perceber.

Em um episódio você está rindo e achando que está assistindo uma comédia boba, no outro já está preocupado se Bojack conseguirá contornar as adversidades. Apesar de toda a fama, dinheiro e poder que ele tem, esse inimigo, ainda assim, consegue colocá-lo pra baixo e manter com que Bojack necessite sempre de um novo episódio com o intuito de vencer essa batalha, que se torna cada vez mais difícil quando nós e o protagonista percebemos que o inimigo é o próprio Bojack - é ser o Bojack e que não há cura pra isso. 

Na verdade não só ele, mas todos os personagens que a série apresenta têm suas particularidades problemáticas, mas especificamente Bojack pode te causar inveja com tudo que tem, mas também pode te acalmar quando o mesmo mostra tudo o que lhe falta. Com o tempo, Bojack deixa de ser um mero alívio cômico no seu dia a dia e começa a se tornar um amigo...

E se eu pudesse dar um conselho a esse amigo diria pra assistir “Bojack Horseman”.

Danilo Normando

sexta-feira, 27 de novembro de 2020

A luz bruxuleante de uma poronga - parte II

 Feito menino que se lambuza com melado assaltado da despensa do avô seringueiro, nalgum canto das florestas da Amazônia Ocidental, eis-me aqui contrito, lacrimejando alegrias imponderáveis, celebrando junto a todos nossos ancestrais, grato pela oportunidade de comungar com esta gente bandoleira que se alimenta de luz coruscante e calor humano.

Quando os espelhinhos e miçangas são postos ali nas bordas da terceira margem, na confluência de um ponto qualquer do espaço-tempo, estou sempre atento. Ora pescando, ora mergulhando, ora descansando nalguma praia, ao amanhecer, colho palavras orvalhadas de profundo senso estético. Lambuzo-me novamente. Abro o coração e a vida toda ao meu redor vem me habitar. 

Corisco, Labareda e outros tantos que riscam no céu e na terra prosas e versos, depositam suas armas, arrancam as roupas e caem n'água. Meninos e meninas, um a um, mergulham de cabeça, uns voando de castanheiras altas, outros vindo em voos rasantes, rio acima, outros se teleportando... 

Poucos se conhecem, mas nos confraternizamos feito criança nos parquinhos da infância primeira quando somos todos livres para amar e dar inocentes beijos babados...

Sigamos entrelaçados, letra a letra, raio a raio, calorosamente irmanados!

(Sabá de Abadia, das Terras de Rondon, contente e grato)

quinta-feira, 19 de novembro de 2020

A luz bruxuleante de uma poronga

O meu amor se magicou no dia que o arco íris lambeu as pontas do Rio e os dedos do Cristo. Feito esfinge, de braços abertos, mergulhou nas águas salgadas, desaguou preto, retinto - pra devoção dos homens afeitos ao sol da cor e veio varar em boca de rio.

Este dito mundo nasceu do abraço entre o rio e floresta, lá pelas ilhargas do rio Acre, donde me vi pedaço de gente carnificado sobre osso. Depois esses dois mundos, floresta e rio, se amaram, se encantaram, frutificaram em seres, mangues, mitos e nas ocas e malocas dois curumins brotaram feito gente grande de minha mistura afro-disíaca. Hoje eles ganharam mundo na barcarola daquele Acre-manifesto, a bem do amor e do conhecimento.

É desse mundo que venho, de mistureba de cores - é o mundo que tenho guardado, imaginado, imaculado, que serve de porto quando a noite de sábado chega imprevista e tudo que resta é beber um vinho e assentar sobre o colo da terra que, feito mãe, estende o abraço pro filho que berra e se esconde dentro dos poetas e dos sofrimentos alheios...

Venho aqui, afeito à poesia de Corisco, para falar deste mundo alheio e do abismo que alberga o sofrimento, que se esvoaça no pensamento: “O abismo olha de volta, com uma flor nas mãos.”  

Há um lustro, subsidiado por essa poesia de Corisco, que desferi de meu parabelo feito devaneio pelos renováveis palimpsestos atemporais, assim como pelo pergaminho de Sabá de Abadia e pela alegria de Zabelê, criei uma lista de transmissão para fins de desejar bom dia: bom dia!

Inicialmente era uma forma de dar bom dia aos, aos sábados. Depois passou a incluir a sexta, assim que os primeiros grânulos do sol abraçavam a minha floresta, até findar em domingo. Na medida do possível, sempre muito cedo. Cognominei de Bando de Corisco em homenagem ao poeta, que vive escondido nas redondezas, e que me batizou de Labareda.

A coisa foi crescendo e me absorvendo. Fui pondo mais amigos que respiram literatura e a lista foi ganhando megabites, giga e tera - tomando fôlego e virando rotina. A cada um deles foi sendo batizado com a alegria que merecem: Os nomes seriam uma forma de imitar “Grande Sertão: Veredas”. Fui sendo consumido pela poesia, pelos incrementos pontuais de Sabá e por aqueles que arvoravam a escrever para nossa bandoleiragem. Cada vez mais ficou puro-malte conversar com cada um que responde às postagens.

Não sou da poesia, mas em algumas oportunidades, como esta, Labareda se verga pelas letras e posta aqui e ali um modesto texto. É quando desopilo de minha rotina escaldante, agora recheada pela pandemia.

Já tem tanta gente, que perdi o controle. Vez por outra mudo o telefone e acabo perdendo alguns números e a lista fica desfalcada e emudecida de pessoas que tanto estimo. Nesses cinco anos, perdemos Zabelê para um entupimento nas coronas e o Paulo Bandeira para o abecedário do AVC, mas a lista também ganhou ilustres e virtuosos ligados às letras. Alguns músicos, como o Nemequi e Nilson Chaves. Sim, o Nilson, que sempre estava participando, enviando sinal de positivo, aprovando cada texto e cada resposta. Nunca escreveu, mas sinalizava.

Certa vez, no meio da pandemia, ele me ligou para pedir ajuda sobre alguém que precisava de meu estetoscópio - alguém contaminado pelo Corona. No final da ligação, ele me perguntou se aquela lista de transmissão havia acabado, pois nunca mais recebera os textos. Ele fora um desses que acabou escapando de minha atenção.

Fiquei apequenado, porque jamais imaginei que ele fosse sentir falta de nossas postagens, afinal, o Nilson representa claramente a voz da Amazônia, pois suas canções voam por esses recantos, entre floresta e rios.

Sei que nestas próximas semanas o Nilson não estará nos encontros do bando, mas queira ele saber, ao ler esta, que estaremos orando para que logo se recupere e abandone aquele vírus, pois o Bando tem a certeza absoluta que porá tapioca e farinha d’água no caldo da bandoleiragem e seguirá firme pelas ribeiras da poesia destemida de Corisco.


domingo, 8 de novembro de 2020

Passeio dominical de um apanhador de mangas.

Não me venha com loxias! 
Conselho que não entendo, 
não me praz: é agouro!
Guimarães Rosa, em: "Urubuquaquá, no pinhém

    Recebi de um amigo, neste domingo, ainda cedo, um texto do excelente Alexandre Garcia sobre a pandemia. Craque com as palavras, Garcia é capaz de driblar nossos neurônios com frases estonteantes e fazer gols de letra: “higiene neurótica impede que o corpo crie anticorpos”.

Mas não é pelo fato ser craque que eu não possa roubar-lhe a bola, mesmo que tenha que dar uma canelada - ou uma caneta. Faz parte do futebol; é do jornalismo.

Recebi o texto quando já estava de volta para casa nesta manhã de domingo, após passar visita em meus pacientes operados e em alguns amigos que foram infectados pelo SARSCoV2, mas que andam pagando uma etapa no CTI e Unidades Intermediárias.

Deixei aquele texto pregado na tela do computador e saí para dar a caminhada. Nesta época gosto de voltar pela Generalíssimo para apanhar mangas que vão ao chão e se debruçam sobre as calçadas. Juntei umas cinco entre bolso e a própria mão. Pra semana já tenho boa sobremesa.

Enquanto juntava as mangas cegava-me a imagem do texto. A dúvida era hamletiana: respondo ou não. Será que meu amigo ficaria aborrecido... O Alexandre sei que não, pois ele já deve estar acostumado a ler estes escritos das cavernas e levar botinadas de zagueiros sem recursos nas letras, tal como eu. Mas queria mesmo era falar ao amigo, que segue enclausurado com RT-PCR positivo para o dito-cujo. Diga-se: está enclausurado para não contaminar mais ninguém.

Então juntei umas palavras toscas e uns pensamentos de jogador-sem-recurso e pus no meu alforje, que carrego à sombra da ciência. Decidi responder ao amigo.

Segue...

O Garcia escreveu um texto jornalístico, não um texto científico. Isso é a primeira coisa que vi, apesar de ter feito poucas referências a artigos. Mas escreveu com uma primazia que certamente deve ter deixado meu amigo desassossegado. Tem mais: ainda escreveu acima do cabeçalho com esferográfica: “eu já sabia desde o dia 19/03/2020”. Pergunto por onde anda a verdade e essa tal sabedoria embasada no texto jornalístico.

Como o meu lado dominante é a ciência, sob a base socrática “Só sei que nada sei”, nem por isso deixo de ler outras coisas que representem o pensamento da humanidade. Pus-me, sem infectar ninguém, a buscar saber o que é SABER ou VERDADE, nesse terreno baldio da epidemia.

Repensar todos os caminhos percorridos pela ciência ao longo de tantos séculos, assim como leituras filosóficas, era minha missão quando chegasse em casa. Lá terei cancha para rever o tema. A começar por Karl Popper, fundador do cientificismo, a Mario Bunge, que conceituou cientificismo como “a concepção segundo a qual a investigação científica é o melhor modo de se assegurar um conhecimento factual preciso”. O cientificismo vem do positivismo lógico como braço do Iluminismo, na incessante busca da razão. Sou fã não só desses dois estudiosos, mas também de toda corrente positivista fundada por Augusto Comte, cuja razão, sob o pêndulo do Garcia, mais parece loxia, se consultarmos o léxico de Guimarães Rosa.

Portanto, voltando a apanhar mangas, posso dizer que a dita-verdade apregoada no texto em epígrafe, não é absoluta, independente de não discordar, mas ver os amigos de futebol olhando pelo canto do olho para o tubo, ou seja, à beira da entubação - ou da cova, como ele mesmo cita – me faz rever as verdades daquele texto. O que precisamos, de fato, é de um registro científico acerca do tema, ou seja: vamos sendo imunizados pelas ruas ou preferirmos nos trancafiar em casa a esperar a vacina. Mas não é só ciência por ciência, é pôr o registro do Campelo em parelha com uma revisão sistemática, ou outro pesquisador, para se tirar conclusões do que é melhor.

E sobre as máscaras. Perguntei ao prof. David Normando, da UFPA, dada nossa convivência bem próxima e que recentemente publicou um artigo internacional de revisão sistemática sobre o uso de máscaras. Ele me respondeu o seguinte: “Prefiro a filosofia do só sei que nada sei”. Completou: “Estou cansado e até impaciente com o descarte da ciência.” Embora seja um pensamento de Sócrates, a frase é um trocadilho proposital com Reneè Descartes.

Mas tudo bem... É jornalismo e o dom de conseguir driblar os pensamentos com as palavras só pertence a craques. Entretanto para ele me fazer acreditar precisamos pesquisar e a pandemia criou um campo com arquibancada bastante adequado para isso, mas o que fazemos é apenas negar a ciência, ou seja, deixar a arquibancada vazia de verdades. Precisa-se das revisões sistemáticas, se tiver, e citar outros estudos. Neste casos, para mim, estamos abjurando a filosofia positivista.

Se chamarmos as universidades para produzir essa resposta, quem surgirá será Drummond: “Minas não há mais, José, para onde...”. Porque  não há pesquisa e aí não posso desdizer o que o Garcia escreveu, mas me dêem o direito também de desconfiar, pois do outro lado tem o humanismo, irmandade e um bando de gente jovem no meio da rua, pagando uma etapa nos hospitais para serem imunizados em doses cavalares, sem direito a pinote - Aí ninguém merece chupar essa manga!

sábado, 7 de novembro de 2020

Encontros e desencontros, parte III

 Se o "amor é um fogo que arde sem se ver" não desacredito de mais nada! Fogo que cauteriza, que faz ferida cicatrizar. Amor e perdão conjugados, como boa receita de viver. 

O amor à vida - nossa e alheia - torna-se aventura nos ensaios poéticos do Corisco e do Labareda. 

Um risca o chão com o giz mágico já provado por Zé Ramalho e provoca o outro para trocar figuras poéticas. 

O outro saca o punhal da palavra e revolve mundos e fundos, delicadamente, pois evocar passados idos, porém fincados na memória, é desentranhar relíquias que merecem carinho antes de serem expostas... 

Do baú destes dois tem de tudo. Muito mais coisas que o regateiro do Alayde tinha a oferecer. Coisas etéreas, do reino da imaginação, que se tornam reais como rapadura ou melado. Adoçam a vida e dão sustância! 

(Sabá de Abadia clamando por dias mais amenos em que a poesia nos embriague e faça morada em nosso coração). 

sexta-feira, 6 de novembro de 2020

Encontros e desencontros, parte II

            Ontem, ao desfolhar Corisco, revi meu passado às margens do Envira, das terras de Galvêz Imperador. Foi como lambesse a pele dessa infância cheia de perebas, mordida de pium e rasgos da rua - e ainda sentir gosto adocicado.

Remeti-me ao passado no interior do Acre, acreditem, pois é bem difícil frear esse oração da infância, que descarrega todas as sinapses da candura ao refazimento dos dizeres de Corisco. Nos refazimentos, há sempre uma das minhas pernas procurando a do Saci; a Matinta Pereira, que sempre me fez medo em noites de alagamento, ou mesmo o temido Mapinguari, que se escondia entre uma touceira e outra quando íamos apanhar goiaba no sítio do seu Guimarães, do outro lado da pista do aeroporto. 

Naquele interior tinha mundo: o terçol era tratado apenas aquecendo a aliança da d. Marina na barra da saia: “difícil explicar essas coisas pros não iniciados”, diria o poeta. Talvez seja essa minha ojeriza ao “ralo-ruim”.

Então... Por desadestramento literário, surrupiei este do Corisco, cuja infância beirava a minha, a de Tom Sawyer, Pedrinho do Sitio, Huckleberry Flinn ou mesmo Oliver Twist e David Copperfield. Todos eles dormem no interior de semelhanças... ou no sonambulismo de Manoel de Barros: “Sou hoje um caçador de achadouros da infância. Vou meio dementado e enxada às costas cavar no meu quintal vestígios dos meninos que fomos.”

No meu quintal de vestígios, o Mississipi de Sawyer também se junta ao Envira do Orleilson. O Tâmisa de Oliver se converte no Juruá e se estica até o Purus do meu portão, que ficava confronte a uma praça, cujo coreto servia de palco para encenarmos nossos sonhos. Naquela Macondo, tudo virava a mesma água, o mesmo banho de açude, rio ou igarapé de quando a gente pulava da ponte arriscando golpe na testa ou mordida de Surucucu-Bico-de-Jaca.

Como então compreender que pelos raios dessa infância nos encontrávamos com todos esse filhos do imaginário de Dickens, Monteiro Lobato e Mark Twain. E os castigos de minha mãe, combinado com o nosso pai, mas que seu Martins, vizinho que não tinha menino, sempre ficava aguardando A volta à rua com picolés de graviola. 

Eu, particularmente, me dava muito bem com quase todos daquela infância, principalmente os da boleiragem: o Chico Boca Preta (que já soube que anda por Belém), os gêmeos Cosme e Damião, assim como o Zé Antonio - que hoje faz parte do bando. Alguns tinham nomes esquisitos, como o Orleilson e o Kieffer, hoje o prefeito da cidade, mas quem me intrigava mesmo era o Mim. Sei lá donde veio esse apelido, assim como o Mauro Macaxeira, filho de um extrativista de borracha, que não se misturava com a nossa raça vira-lata.

Dali fiz o tesouro da minha infância, junto dos correligionário Toninho formiga, Paulo Ieiê e Marcelo Louro Cor de Bosta. Era dali que partíamos em expedições com o Escurinho, Julio Verne, Elesbão, Victor Hugo, Luís Camiranga e Miguel de Cervantes no rumo dos igarapés, furos, praias, praças e o rio Envira da memória.

Bom também era esperar o Alayde, na beira do rio. O Alayde era um desses navios que vinham de Manaus, varando o Solimões, até bater no porto, afugentando as pescarias de Mandim e Piranha. Vinha em março, quando as águas subiam. Ali tinha açúcar, sal e melaço por um bom tempo; funcionava como um supermercado itinerante, e se chamava regatão. Segundo o padre Renato, ainda antes de casar: herança do ciclo da borracha.  

Por fim, Corisco estrela-se em poesia: “Quando a lua, que iluminava os esconderijos, dava aviso que estava chegando, era hora de engavetar os sonhos até que o dia seguinte nos permitisse novo passeio pela imaginação."

Obrigado, Corisco. Guardamos de ti a poesia que o mundo insiste em esconder. Se pudesse te pedir alguma coisa, pediria para que tempo fosse lento toda vez que escrevesses; para que o tempo se juntasse em torno de tua poesia e rezasses pela planura da vida e daquele passado.

Labareda.

Encontros e desencontros

Difícil explicar essas coisas pros não iniciados. 

Eles jamais acreditariam que o Mississipi se junta ao Caeté pra formar Ajuruteua, Picanço, Mboiasukanga, ... Jamais.

Como então compreender que nós, moleques de Benquerença, nos encontrávamos com Tom Sawyer no rio do Cereja, no Curro, rio da Serra, D. Henriqueta, Aprijo, Pedro Pretinho, ... todos fugidos de alguém: ele da Tia Polly e nós dos castigos da Profa. Maricota, que tinha todo apoio dos nossos pais.

Eu, particularmente, me dava muito bem com um amigo do Tom, que ele chamava de Huck e eu de Fino, porque só quando o tempo me fez adulto eu entendi que o nome dele era Huckleberry Finn; complicado demais pra quem só tinha amigo Bené, Zé, Caíca, Sabá, Parú, Caga-Osso, e o máximo de esquisitice era o Ludisvalco, sei lá donde veio esse apelido.

Por sua vez Tom gostava muito do nosso Totonho. Coisa que só se explica pela atração que os marginais sentem um pelo outro. E, por favor, não confundam marginais, que vivem às margens, com criminosos. As margens têm lugar pra muitos e quando escasseiam, ou lotam, logo surge a terceira.

Pois é, vocês podem perguntar de onde nos conhecíamos; simples meus caros watsons, do Tesouro da Juventude. Era dali que partíamos em expedições com Mark Twain, Verne, Dickens, Hugo, Cervantes, Lobato, etc...pelos igarapés, furos, praias, praças, velas e vielas de Benquerença. 

Quando a lua, que iluminava os esconderijos, dava aviso que estava chegando, era hora de engavetar os sonhos até que o dia seguinte nos permitisse novo passeio pela imaginação. 

Não quero parecer saudosista e muito menos um cabôco lamentoso, mas tenho uma forte impressão que o Mississipi e o Caeté andam um tanto desencontrados dos moleques de hoje.


Corisco.

quinta-feira, 29 de outubro de 2020

Por que Aldir?

Essa é uma pergunta que me faço desde que balas e balas cruzaram meu espaço sem aviso prévio, mas com endereço certo.

Penso que minha identidade se deu quando ele esclareceu que seu coração se fez humano por ser suburbano.

Acho que foi aí; bem aí; nesse momento mágico onde as identidades se abraçam na distância e o atirador de facas quer acertar sua jugular.

Tão eu que, um suburbano nascido numa aldeia amazônica na ilharga do mundo, esperando uma virgem pra me dar descanso, encontro esse Macunaíma que sabe de todas as trapaças enquanto encaçapa uma de fina, gravando um band aid na lua branca do convés.

Um chope, Dinamite, pelos deuses que levaram meus amigos inseparáveis e me trouxeram a ressaca mortal dos tempos sem adeuses dentro da escuridão sem claridade mas com sabor de lua nova.

Vou à Penha pra não ser teu acaso e pedir que minha sina seja o abraço da ostra na pérola; o beijo da morte a te dizer pra sempre adeus.

Sim, quero a paixão de pendurar o anel de ouro e correr atrás do perdão que só virá com a pancada na orelha no pandeiro e samba no pé. 

E quando restar só o mês de fevereiro e o meu país estiver perdido no salseiro eu serei resistência, como um bêbado equilibrando-se na esperança, e vestido de Aldir lutarei até a última nota do samba. 


Corisco.

quinta-feira, 3 de setembro de 2020

Infância enferrujada

Por José Antônio (amigo de infância, perdido na solidão do passado)

Gravado na profundeza das minhas retinas, lá onde as reminiscências se escondem, bem remotas, mais ainda vividas, estão os Normandos.

Família paraense ancorada de mala e cuia, cachorro, periquito e papagaio nas ribanceiras do Envira, na minha terrinha Feijó, interior do Acre.

Senhor Geraldo Normando, o pai, funcionário de carreira do Banco da Amazônia, não sei por que carga d’águas resolveu se aventurar naquelas longínquas terras dos Ashaninka, Shanenawa, Kulinas e Kaxinawá, meus amados conterrâneos e legítimos herdeiros das terras do bem-virá.

Dele, o histrionismo, a risada um tanto Fafá (quem sabe não foram amigos de infância lá pelas bandas do Pará) e tirar uma onda com os amigos são suas marcas indeléveis e bem vívidas na minha memória.

Dona Marina, a matriarca, como esquecer? Sua dedicação e sempre atencioso carinho dedicados aos amigos de seus filhos, e é claro os inesquecíveis e deliciosos ponches servidos nos lanches da tarde, nos intervalos dos intermináveis jogos de botão, estão aqui gravadas para sempre.

De Roger, o primogênito e herdeiro do pomposo nome do pai “Geraldo Roger Normando” acrescido é claro do Junior, lembro bem, a voz um tanto fina e que assim como o corpo traziam traços do pai na cor da pele, e de Dona Marina, na silhueta, além é claro o histrionismo e gozação que sempre fazia com os amigos, mas, sobretudo as aulas mútuas de chutes. Ele com o pé direito e eu com o esquerdo, no objetivo único de nos tornarmos ambidestros. Não sei pra ele, pra mim deu muito certo. Meu pé esquerdo tornou-se bem mais preciso nos chutes que o direito. Que não me deixam mentir os guarda traves do Independência, Juventus, Andirá e Vasco da Gama - do Acre, é claro.

De David Normando, o Toninho, como assim o chamávamos, recordo a vasta cabeleira e é claro o gosto um tanto quanto exótico por comer formigas. Dizia ele que era para ativar a memória. Parece que deu certo. Em conversa recente lembrou até de França Vaz, o maior mentiroso de Feijó, mas que, segundo Zé Arnaldo, deixou de mentir quando se viu confrontado com Jorge Viana, ex governador do nosso querido, amado, idolatrado e salve salve, único e para sempre onipotente Estado Independente do Acre.

Paulo, do que restou de lembranças das minhas gastas retinas, era uma cópia quase perfeita do pai, tanto na cor da pele quanto nos quilinhos a mais no físico. Diria que assim: meio parrudinho.

Já Marcelo, o mais novo, o que me resta nas minhas enferrujadas reminiscências é que seria meio parecido com Toninho, e que tinha também muitos traços de Dona Marina.

Quanto às Normandas, não sei se porque na época, éramos muitos meninos e não tínhamos, ainda, aquele interesse comum aos adolescentes. Roger, David, Paulo e Marcelo perderam a oportunidade de ter-me como cunhado. Realmente a lembrança delas é muito fátua. Só lembro que uma tinha a cor da mãe, e a outra a cor do pai.

No mais são boas, velhas e eternas reminiscências, reminiscências essas eternizadas na poesia e musica do grande poeta e cantor popular Antonio Carlos Belchior Nascimento “Quando eu não tinha o olhar lacrimoso que hoje eu trago e tenho, Quando adoçava meu pranto e meu sono no bagaço de cana do engenho. Quando eu ganhava esse mundo de meu Deus. Fazendo eu mesmo o meu caminho. Por entre a as fileiras do milho verde que ondeia com saudade do verde marinho. Eu era alegre como um rio, um bicho, um bando de pardais, Como um galo quando havia. Quando havia galos, noites e quintais. Mas veio o tempo negro e, à força, fez comigo mal que a força sempre faz. Não sou feliz, mas não sou mudo. Hoje eu canto muito mais”

domingo, 30 de agosto de 2020

Coisas do Éden (Corisco)

Espero que todos se divirtam. 

Não há muito mais o que fazer nesse mundo.

Leminski 


Benquerença é minha sina, meu destino, meu benquerer. Tenho quase certeza que lá se situava o Jardim do Éden original e só mudou quando os franceses invadiram o paraíso e comeram o abricó proibido que a cobra grande, que mora no rio Caeté, ofereceu pra eles.

Não fosse isso, o que explicaria a profusão de figuras absolutamente especiais que pontificaram naquelas plagas? Como: Fogo na Roupa, Tarabian, Bocage, Hesse Garcia, Zé  do Óculos, O Nosso, Dr.Heráclito, a Para Grande, a Barba Cresce, e mais uma infinidade de artistas que não cabem em tão curto espaço. 

Isso tudo voltou ao recordar a passagem do Ponce de Leon por Benquerença.

Ele chegou com a pompa de quem descobriu a Fonte da Juventude e anunciou que ficaria fechado em um caixão durante cinco dias sem comer nem beber nada, nadica de nada.

Vocês, leitores, podem imaginar o rebuliço em Benquerença. 

A cidade se dividiu em 3: os que acreditaram, os incrédulos e os que foram pra zona discutir o assunto, entre esses o tal de Ponce de Leon.

Meu informante era Otxoa Dila que jurava pros moleques que Ponce era uma agente franquista incumbido de solapar o crescente movimento em apoio à república espanhola que florescia naquela cidadela banhada de espanhóis, contrários ao franquismo.

E Otxoa Dila bradava: "No passará".

Nós não entendíamos nada. O que era franquismo, solapar, república espanhola... em compensação acreditávamos em Otxoa e "No passará" significava que Ponce não passaria um dia de fome no caixão.

Os dias passavam e era chegada a hora de Ponce demonstrar sua mágica. 

E assim se fez. Em meio a um foguetório ensurdecedor Ponce foi trancado num caixão, sob o olhar de quase toda a cidade, postado e vigiados na frente do Edf. Heráclito.

Os feirantes da Aldeia, penalizados com a situação, ao fim da feira, deixavam a xepa ao redor do caixão para o caso de extrema necessidade.

Deu-se, então, o milagre que marcaria Benquerença para sempre. Da xepa deixada ao lado do caixão nem rastro aparecia no dia seguinte. O que acontecia? Quem usava? O caixão continuava fechado. Os vigias confessaram que davam uma cochilada, muito breve.

Bem, cinco dias depois o caixão foi aberto e Ponce de Leon surgiu mais gordo e tranquilo do que havia entrado e ao levantar deu um arroto de satisfação. 

Ponce havia redescoberto a Fonte da Juventude: a crendice popular.

Corisco

sexta-feira, 21 de agosto de 2020

Uma jornada ao vidro fosco

    Fred Hoyle era um astrônomo brincalhão e adorava burilar ideias. Reza a lenda que na Inglaterra pós-guerra, em entrevista à BBC, alcunhou o termo Big Bang à teoria de criação do universo. Sobraram gracejos. Ele quis falar, de forma frajola, sobre a explosão que gerou as galáxias há 13,8 bilhões de anos e do tiroteio de átomos a partir do Buraco Negro. Ainda não se sabe quem apertou o gatilho: se Deus ou mudança de temperatura do universo, mas o bang-bang do Big Bang pegou e ricocheteou, apesar dos sussurros durante a entrevista. A palavra vestiu-se de delírio. 
    A partir dessa expansão do universo nascem: ampulheta, espaço e as horas dos relógios. Einstein, Hawkins, Carl Sagan, Edwin Hubble e uns tantos mais andaram debruçando seus cotovelos sobre a teoria. Tal conteúdo ganhou densidade com a recente descoberta do Bóson de Higgs, em laboratório, e ficou conhecida como Partícula de Deus. 
    Desde então, os astrônomos quando olham para o céu noturno e veem aqueles vaga lumes piscando, certamente vem à tona a entrevista do bem-humorado Hoyle. 
    Decerto também a oncologia pulmonar teve seu Big Bang, assim como seu Fred Hoyle. Com os tomógrafos helicoidais de alta resolução – nossos telescópios –, partículas em forma de poeira, menores que meio centímetro, passaram a ser visualizadas no cosmo pulmonar. A esse achado chamou-se de vidro fosco. O vidro fosco é o nosso Big-Bang, pois o pulmão, repleto de ar, deixa passar, frivolamente, os raios colimados, mantendo o desenho dos brônquios e vasos. Porém, quando há qualquer perda da transparência, a imagem torna-se fosca, empoeirada e o pulmão fica despolido. 
    Deixa ver que, no início do século passado, John George Adami, professor de Patologia na McGill University-Canadá, cria o termo “lepídico”, que viria a ser o vidro fosco na tradução imagética. A palavra vem do grego: “escama de peixe”. Ele quis dizer em seu livro Princípios de Patologia, que lepídico refere-se à lesão circunscrita que descama e escorre para o interior do alvéolo e por lá se acumula feito poeira, a ponto de formar um amontoado justaposto como “escamas de peixe”. Assim sublinhou: "são células tumorais de adenocarcinoma, proliferando ao longo da superfície de paredes alveolares intactas, sem invasão estromal ou vascular." 
    Desde então, quando se mira a tomografia e veem aquele desenho opaco, solitário, ofuscando o parênquima pulmonar, desconfia-se do adenocarcinoma, tal como os astrônomos vislumbram as galáxias em seus telescópios. 
    Com melhor entendimento do padrão em vidro fosco, agora em evidência pela nova peste, houve necessidade de se refazer a classificação anatomopatológica do câncer de pulmão e, desde então, Adami não foi o mesmo: a pneumologia mudou sua rotina e a oncologia torácica viveu a catarse. 
    Com esse diapasão, IASLC-ATS-ERS, maestrinas interessadas no assunto puseram o vidro fosco e o padrão lepídico numa mesma sinfonia e desenharam nova classificação da categoria T. Trouxeram à baila desenhos geométricos para se recalcular o estadiamento. A inclusão desses elementos morfológicos, restritos ao adenocarcinoma, deu novo rumo ao tratamento cirúrgico, assim como ao prognóstico. 
    O incessante rastreamento (do inglês screening) em busca dos vidros foscos tornou-se a maior fissura da atualidade, em que se vislumbram melhores resultados para a cura do câncer pulmonar. 
    Porém, uma próxima conquista tem pressa e busca por tumores avançados. É bem provável que não passe mais pelas lentes de George Adami, tampouco pelo Big Bang tomográfico; é provável que venha pelos filamentos helicoidais da linguagem genética do EGFR, ALK, PDL1... Mas deixemos a poeira dessa peste passar.

Texto originalmente publicado no Jornal da Sociedade Brasileia de Cirurgia Torácica

domingo, 2 de agosto de 2020

As bombas

Nasci nos anos 1950 e cresci ouvindo falar em bombas atômicas e duma briga do fim do mundo entre uma águia e um urso. 
Enquanto isso nos divertíamos com foguetinhos, estalinhos, pequenas bombas, pés de moleques, fio cheiroso, fogueiras e todo tipo de artefato junino que juntasse crianças e famílias nas ruas de Benquerença. Se o mundo fosse acabar, ou se fosse continuar a guerra, já tínhamos nosso arsenal nuclear. Sim, nuclear, porque em torno desse núcleo junino, entre bombas, fogueiras, foguetes, quadrilhas (juninas)e comida farta, foram gerados amores, namoros, filhos e famílias e o máximo de preocupação que a corrida armamentista causava era saber se a Laika sobreviveria ao passeio espacial, ou que nome iria se formar na bacia onde pingavam as ceras das velas descortinando promessas de união de corpos.
Os países ricos e brigões desenvolveram novas bombas e novas promessas de fim do mundo. Em Benquerença, o maior conflito bélico que eu conhecia era uma promessa contida na frase: "te espero lá fora". 
Fui traído e perdi um dente no Monsenhor Mâncio porque meu desafeto não me esperou lá fora e me emporradou dentro do Grupo.
E assim se deu minha infância em Benquerença. 
A guerra esfriou, outras se travaram, o asfalto e a energia elétrica acabaram com a fogueira e a magia das sombras nas ruas; minha namorada não apareceu na bacia das almas e aprendi a conviver com as bombas que insistem em explodir no jardim.

Corisco.

sexta-feira, 17 de julho de 2020

Pôs-se o sol

Nisto Febo nas águas encerrou,
Co'o carro de cristal, o claro dia,
Dando cargo à irmã, que alumiasse
O largo mundo, enquanto repousasse.
Camões, em: “Os Lusíadas”

Numa confluência das ilhargas dos Umaris com as beiradas do Reduto, o bairro das estreitadas ruas de Belém, havia uma edificação que desde tempos idos exalava aroma de Pau Rosa. Criatura dos irmãos Santiago, lusos que há 90 anos ousaram pôr a floresta em barra escura e transparente, como as águas do Rio Negro, só para as pessoas se banharem. Deram ao filho o nome do Deus Sol: Phebo, desarquivado no português arcaico; despregado da poesia camoniana.
Encravada na Bocaiúva, esquina com a Ó de Almeida, a Phebo exalava seu aroma de frescor de banho recém tomado, misturando-se às plumas da sumaúma que completavam a atmosfera européia nos domínios do Deus Phebo. A nascente foi após o ciclo da borracha amazônica, 1930. Todo o buquê do bairro, ou fumegava pelos esgotos, deixando uma espuma em cada boca de lobo, ou pelas chaminés, aromatizando boa parte do bairro.
Agora a história é outra. Perdemos parte de nossa identidade olorosa; não teremos mais a memória olfativa do banheiro de nossos pais e avós. Ela não mais nos acompanhará. A Phebo fechou suas portas e nossos esgotos retomarão aos odores da tragédia sanitária inesgotável. Nossa senhora cheirosa nos deixou e os ratos do Reduto voltarão a viver entre garças e urubus ao largo do Ver-O-Peso. 
A marca pegou o Ita no Norte e foi pro Rio morar. Sucumbiu à vontade da Granado, nova detentora de seu destino. O rótulo ficou esmagado pela cidade que lhe espremia entre a nova febre imobiliária de um dos mais valorizados bairros da Flor do Grão-Pará.
Adeus ao Sol e seus odores. Ficamos sob a luz e suas fragrâncias em nossas narinas profundas da memória. Memória que não se esquiva de um passado milagroso, temperado pela aeração do bairro e pelos corredores do passado incólume, farpando o tempo com seus ingredientes de retrospecção em ideias avulsas.
Quem por lá passa e vê os escombros, sente que um oco ecoa dentro das lembranças. Se desaba um pedaço de nossa história a cada tijolo demolido, a anosmia das ervas e lavandas, que no últimos anos esteve ausente da olfação de nossas ruas, agora vira sintoma irremediável.
Se bem que os deuses poderiam, sob o movimento pendular de turíbulos, esfumaçarem incenso pelos ares daquelas encruzilhadas, mesmo que contenha apenas uma gota/quarteirão daqueles vapores, mesmo que nasçam dos esgotos, pois agora são reminiscências que adormecem em nossas pituítas por onde escorriam misturas de perfumes de flores, jasmins e ervas, a céu aberto.

João Celecindo e Labareda, ambos do bando de Corisco

sexta-feira, 10 de julho de 2020

A tempestade perfeita


Final de ano de 2019. Decidimos fazer um destino diferente: Dubai. Três famílias, totalizando 12 brazucas em busca do sonho das “Mil e uma Noites”.  
Lugar único, onde o dinheiro advindo do petróleo prepara o mundo árabe para o futuro sem combustível fóssil. Tudo é suntuoso; voltado para o turismo. Fechamos nossa festa com vista distante, ainda linda, da Burj Khalifa. Festa inesquecível. Família e amigos confraternizando a chegada de um ano que tinha tudo para ser maravilhoso.
Passado revellión já ensaiávamos a segunda perna da viagem: Singapura, que encanta pela modernidade e tradição. Uma China colonizada por Ingleses. centro financeiro e industrial do sudeste asiático, porém, na quinta-feira, 2, o mundo foi surpreendido pela morte de Qassem Soleimani, chefe militar do Irã, dos mais poderosos da antiga Pérsia. Morreu em ataque com drone dos Estados Unidos em Bagdá, Iraque.
Para apimentar a viagem, a notícia posterior: derrubada de avião comercial ucraniano, por engano. Deu-se a verdadeira dimensão do risco que corríamos. A tensão surgia com o alvorecer do novo ano. Não conseguíamos relaxar, pois estávamos separados do Irã apenas pelo estreito de Ormuz. No entanto a viagem para Singapura foi maravilhosa. Sem maiores problemas, conseguimos sair daquele ambiente hostil.
Desembarcamos dia 04 no mais moderno e bonito aeroporto do mundo. Um belo cartão de boas-vindas a Singapura. Ao final do finger, já no longo corredor, seguíamos o fluxo dos demais passageiros no nosso grupo, normalmente zombeteiro, coisa de nosso sangue latino, quando à frente havia um leve estreitamento no corredor com uma fila indiana. Era um equipamento cercado por pessoas com roupas brancas. Ao passar pelo dito equipamento tive a curiosidade de virar e olhar para a tela. Vi que se tratava de equipamento de leitura térmica corporal. Logo veio à cabeça as vagas notícias sobre uma tal gripe detectada na China. Chegamos a comentar entre nós, mas nada que nos assustasse e desviasse nossa atenção daquele aeroporto fenomenal.
As férias transcorreram na maior tranqüilidade, embora tivéssemos que retornar para Abu Dhabi, cidade ainda sob tensão. Ao final das férias, refletindo sobre os fatos, estivemos na proximidade de uma tempestade perfeita. Às portas de um conflito armado, de um lado, e nas barbas do maior algoz, o SARS-CoV-2. Penso nisso e dá vontade de abraçar a família. A angústia de guerra, embora muito pouco premente, foi mais detectável do que o risco maior, o nascedouro de uma terrível pandemia.
Isso tudo me fez lembrar os refugiados sírios que, bem mais do que nós, viveram o terror da guerra e a impotência em proteger seus filhos do flagelo da fome e da morte. Medo do possível não é nada perto do terror do inevitável, pois outro dia li uma notícia que me fez reatar que tudo aquilo que passamos. O jornal retrata a história de Khadouj Makhzoum, de 55 anos. Essa síria sobreviveu aos bombardeios em Aleppo, na guerra que assola sua terra natal por mais de nove anos, com mais de 380 mil mortes, e forçou mais 11 milhões de compatriotas a virarem as costas para seu berço.
Khadouj teve sorte. Veio parar no Brasil, graças ao seu filho Abdulbaset Jarour, que mora em São Paulo. Mas a sorte não durou muito tempo. A jovem senhora escapara da guerra da Síria, mas se deparara com outro monstro terrível, não no corredor de um aeroporto, mas num corredor de hospital. Foi mais uma vítima da pandemia no Brasil, país que lhe surgiu como esperança de vida nova. Infelizmente, diferente de nós, não escapou da sua tempestade perfeita. Diante disso, a aventura no oriente, não passou de uma leve chuva, a encharcar a memória e a ensinar a valorizar as oportunidades que a vida insiste em nos oferece.

João Celecindo Grilo, do bando de Corisco