quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

A casa é sua

A casa é sua! Sorriu malemolente pra ela por detrás do balcão apertado. A calçada era a casa. Quase em frente ao sambódromo. Fumegava o churrasco improvisado em cima de uma grade de cerveja. Está servida? Esticou a bandeja florida de carnes. Muito obrigada. Vou aqui com o Chico; ele esqueceu de mim. Já era a segunda. Não quer vir pra cá conosco? Claro! Ana, você vai ensinar minha filha a sambar como você? Uhum. Olhar desconfiado, pé indócil. Ô, Marisa Monte, puxa uma! Aquele salame feito extintor no bolso traseiro da calça jeans era o melhor convite. Bezerra da Silva. Martinho da Vila. Batuque no casco térmico da cerveja. A festa seguia. Ó, a capoeira! Agora balé. Personagens da noite na calçada de um boteco sem placa ou nome. A máquina parecia dessas de jogo. À base de fichas. Musicava o ambiente difuso. Assédio. Machismo. A noite bonita também era feia. Ladeira acima. Ladeira abaixo. Blocos de sujo esquentam. Mais uma noite cai. Mais um dia se levanta. A casa era outra. Albergou por poucos ansiados dias. De saída, soava a banda militar. Ah, não! Nostálgico e ridículo. Será uma saudação? Riso íntimo. O caminho por vir era longo. “Nem o prego aguenta mais o peso desse relógio”.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Alepo: misericórdia

De repente Sabá de abadia me vem com essa flecha de jambu, a mirar o marco zero da comunicação e fazer tremer a língua: “O domínio paulatino da linguagem colocou ordem no verdadeiro caos que eram as sinapses cerebrais dos primeiros hominídeos. A linguagem colocava ordem no pensamento. Pensamento domado inicia-se a jornada da auto-expressão humana. Das pinturas rupestres para a escrita de "No início era o verbo..." transcorreram milhares e milhares de anos. Uma lenta construção, como se vê. Hoje, estamos a nos esculpir por meios tantos, mas a palavra, oral ou escrita, segue nos fazendo, nos guiando, nos desvelando. Evocando a figura emblemática do profeta das gentilezas, que palavra melhor nos define? Ou ainda: nos desafia, inquieta, atordoa, ecoa, surpreende?" Mais adiante, Dora Schinitman retrata que a função primária da linguagem é a construção de mundos humanos. Labareda traduziu: “A linguagem emana construção de manos mais humanos", com palavras deliciosamente surrupiada de Joãozinho Gomes em “Ao mano humano”, parceria com Zé Miguel.
Mas, se existe uma linguagem que desafia a ferro e fogo o humanismo de Schinitman é a da guerra, sem misericórdia, que deixa Alepo em carne viva e com os nervos expostos. A libertação de Alepo veio - se é que veio – no galope de tanques de guerra, sob suspiros de uma primavera árabe, em meio a coices de metralhadoras a cuspir sangue arterial pelas esquinas e se misturar às poeiras de seus escombros até se fazer sarapatel, e escorrer pelas valas abertas da Síria.
Alepo, foi (ou ainda é) o campo de concentração que não vivi, e só li nas apostilas da segunda guerra. Não falo aqui, do leste da cidade, do norte do país, da rosa dos ventos oestes. Falo, sim, da geografia humana sul-real a deixar Dali estupefato e fazer tremer o bigode.
A dor escarrada nas lentes televisivas e no rosto das crianças mudas mudam minha verve suburbana. Parto aos espasmos para tentar me envolver num pensamento mais universal do holocausto, ao ouvir o estouro do canhão apontando para o céu na tentativa de balear deuses. Quando não se vingam, as bala perdidas voltam e acertam a fossa posterior dos cérebros inocentes ou o peito de uma criança. Assim se faz a linguagem, oral ou escrita, dessa guerra.
Alepo é o mais rugoso destroço desse miserável conflito, a preço de uma celestialidade questionável. O tema é tão frio que me causa dor na espinha e colapso em meus alvéolos pulmonares. Falta ar. Falta tripa. Falta entender. Só me sobram tetanias na alma e o coração a fibrilar. Há dor em Alepo, como há em qualquer guerra onde se vê crianças e inocentes a cristalizar o cerebelo na ideia de divagar a esmo, em marcha ebriosa que faz o Oriente caminhar entre fronteiras. As lágrimas das mães escorrem no rosto sujo dos escombros, deixando a impressão de que um rio de dor passa por ali, e são insuficientes para lavar a alma desses espartanos.
Os valores do fundamentalismo e o caráter barulhento dessa ideologia lembram folhas de zinco entregue às chuvaradas de inverno caindo no teto de de minha casa de infância de calmaria - perturbam minha verve.
Dá até para limpar as lágrimas, mas regressar à normalidade da segunda-feira é bem mais difícil, pois somos sentimentos disfarçados e imiscuídos em palavras algemadas àquele aldeão, conforme retrata Corisco: "A paz é um tropeço, um acidente, um soluço da guerra [...] Apenas um hiato entre o sonho e o fato".

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Aos meus amigos que entendem de Astrologia

Por Walfredo Júnior

As pessoas que entendem de astrologia sempre são as mais legais (Olavo de Carvalho é exceção). Eu percebo o quanto evoluí como ser humano justamente constatando quantas dessas pessoas que sabem qual é a sua lua são hoje próximas a mim. Eu mesmo nunca lembro de perguntar pra minha mãe que horas eu nasci.

Certo dia uma amiga me disse que estava viajando pra fazer sua revolução solar. Fiquei surpreso de saber que existe a prática de se passar a noite do seu aniversário no lugar da terra pra onde aponta um certo alinhamento de astros - meu irmão vai todo ano exatamente pra onde a astróloga diz, me contou. Uma pessoa mais chata que eu perguntaria: Mas e se o alinhamento apontar bem pro meio do oceano, uma vez que há mais água que terra no mundo? - pura implicância dessa gente sem o sal dos "mistérios" na sua vida. Imagina se tudo tivesse explicação?

Não que o cálculo e a lógica sejam estranhas ao estudo do zodíaco. Os meus amigos que são capazes de fazer mapas astrais têm todas as repostas para as incongruências (admito que são pouquíssimas) entre as características gerais dos piscianos e meu próprio temperamento. O problema é o seu Vênus, diriam alguns.

Mas no final as similitudes entre o escrito nas estrelas e a minha auto imagem são mais impressionantes do que as engenhosas explicações para as diferenças. Pelo o que entendi de tudo que já vi sobre o signo de peixes (superficialmente), somos, bem resumidamente, uns avoados, uns lesados. Eu purinho.

Meus amigos astrólogos amadores ou simplesmente entusiastas dos mistérios do cosmo, peço-lhes perdão pela forma tosca de abordar vossa arte-ciência, sem nem sequer realizar qualquer pesquisa prévia, o que de certo deve já ter produzido até aqui toda sorte de imprecisão conceitual e terminológica. Não quis diminuir minha ignorância, justamente para demonstrar a questão da perspectiva do não iniciado, até certo ponto cético, mas que se impressiona com certos fenômenos que parecem ter mais sentido sob a influência dos astros. Dessa forma eu me abstenho aqui de estudar o assunto e lanço a pergunta a todos vocês amigos neófitos e mestres do estudo dos signos, ansiando de fato ler suas teses em resposta:

O Inferno Astral, essa conjugação de alinhamentos totalmente desfavorável à sorte do indivíduo, pode ocorrer também para as coletividades, a saber, nações, continentes ou mesmo o planeta inteiro?
Porque, ainda que todas as crises econômicas se expliquem à luz da teoria dos ciclos e as crises políticas também tenham as suas próprias teorias de ciclos, o ano de 2016 teve especificidades tão miseráveis que ora vejamos:

Comecemos nas terras de Shakespeare. James Cameron, primeiro ministro de Sua Majestade, resolve fazer um plebiscito pró forma, só pra constar, com um dilema que até se julgava falso pelos de fora. Reino Unido deve ficar ou não na União Europeia? Nem se falava nada a respeito nos jornais de cá, porque se considerava uma barbada. Pow, primeiro ministro foi atrás de lã e voltou tosqueado, e mais uma pra conta da ultra direita.

Enquanto os americanos se deliciavam rindo dos seus amigos ingleses, dizendo "que burros!", a campanha mais vagabunda da história recente das eleições americanas se desenrolava, trazida abaixo até a lama pelo conteúdo e método da candidatura do businessman Donald Trump, o qual a mera indicação no partido republicano já tinha tom de piada surreal. Mas no desenrolar da campanha parecia tudo só um sonho ruim mesmo, Trump não dava uma dentro e as pesquisas já tinham dado ele como perdedor, aí vieram as eleições e Pow! Vez dos ingleses rirem dizendo "que burros!".

Na América do Sul a bagunça de sempre, mas 2016 teve essa marca de quando algo tinha chance de dar certo, ou pelo menos não dar tão errado, as más notícias continuarem jorrando. Como o plebiscito na Colômbia pelo acordo de paz entre o governo e as Farc. Esse era um "sim" fácil, certo? Nada disso, o povo votou contra o acordo.

Pode ser injusto culpar os pobres astros nos exemplos acima, todos casos de escolha popular contradizendo o senso comum. Talvez a verdade é que o senso que não é tão comum agora e coisas como a Declaração Universal dos Direitos Humanos já estejam demodê.

Mas, se a coincidência de o mesmo ano abarcar tudo isso seja mesmo a vigência de um inferno astral, o Brasil deve estar no último círculo infernal. No início do ano, o golpe parecia mais uma dessas improbabilidades, se bem que no Brasil nada nos choca mais. Bom, não estavam de brincadeira. Mas se um impeachment tosco, era algo difícil de acreditar, o que veio a seguir foi totalmente dentro do esperado do governo que se formou. Um geiser de más notícias. Os desmandos, ilegalidades, medidas anti sociais e de lesa pátria mesmo foram tantas que foi difícil de acompanhar. Os golpistas tiveram pressa como se estivessem sob açoite.

Mas deixando de lado a mão que estala o chicote, o que acaba dando força à tese do inferno astral é a sobreposição de circunstâncias nas desgraças. Porque aviões caem, é raro mas acontece, infelizmente. E já ocorreu de aviões caírem com times de futebol inteiros. Mas um acidente aéreo com um time pequeno que viveu sua epopeia para pegar o voo mais importante da história do clube, a viajem para a disputa da final de seu primeiro título internacional, o orgulho de uma nação ansiosa pelo refrigério que essa possível vitória traria ao seu cotidiano tão combalido foi algo inaudito. O desastre da Chapecoense causou-nos esta vontade coletiva de ir dormir e só acordar em 2017.

Se formos continuar nessa linha, o texto ficará insuportável de tanta tristeza que há para contar sobre este ano estranho.

A nossa contagem de tempo é baseada na revolução dos astros e talvez esse movimento encerre e inicie ciclos na sorte dos povos como na dos indivíduos. Deixo aos meus amigos astrólogos a tarefa das previsões, mas, ainda que haja o inevitável e o fatídico, que estejamos sujeitos ao magnetismo celeste para guiar nosso ânimo e nossa sorte, espero que a ilusão do livre arbítrio nos leve a aprender com 2016 e, no nosso anseio por um ano melhor, façamos cada um de nós coisas bonitas e valorosas o mais que possamos e que o conjunto das nossas realizações entrelaçadas possa tecer um verdadeiramente feliz ano novo.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Notas da subglote

                                      Não me trato, nunca me tratei, embora respeite os médicos e a medicina
Fiodor Dostoieviski, em: “Notas do Subsolo”

E quem não gostaria de começar um texto médico com um Dostoieviski metralhando o anfiteatro de Galeno e ainda blasfemando o deus Asclépio, filho de Apolo? “Memórias do subsolo”, de onde buia a epígrafe, é um jardim de flores mortas adubada com esterco de camundongos, cujo jardineiro poderia ser Freud... Mas não é! O jardineiro é o próprio Fiódor, arando solos mordazes, a ponto de soterrar nosso fôlego ao nos asfixiar num arquétipo de desafiar o maior dos super-humanos. Ao parear Dostoievski com as doenças e seus cataclismos, repleto de porões e insubordinações, deparo-me com Maria Clara.
A menina de três anos não tem voz e não sente o ar ventar pelo nariz, pois tem a glote fechada por conta de uma sequela adquirida aos sete meses de idade. Ela respira por uma cânula no pescoço que se assenta na traqueia. Quer chorar, mas ninguém ouve, quer aprender a linguagem, mas ninguém ensina. Ela tem uma beleza cabocla de tingir nossos corações com as tintas da beleza encontrada num canto qualquer dessa Amazônia desvairada e silenciada. Ao ver Maria Clara eu me vi Dostoiéviski: “sou um homem doente”.
Ao pousar no setor de pediatria do hospital regional de Marabá, sudeste do Pará para conversar com os pais, só me apareceu a mãe. Elas vivem às margens da rodovia transamazônica. Maria Clara nasceu de uma transa amazônica sem destino, às ribeiras do Tocantins. Aos sete meses adquiriu pneumonia e foi bater no CTI, onde necessitou de aparelhos para respirar e acabou obtendo sequelas cicatriciais graves, por isso a traqueostomia, preço de sua misericórdia. Sem pai, a mãe assumiu papel da miséria das dores. Desde então, quando chora, o silencio da menina escorre pelo canto do olho e a voz vira a lágrima.
Peguei-a no colo e fomos ao centro cirúrgico. O anestesiologista arpoou uma agulha milagrosa na jugular, e a pôs a dormir. Passamos o aparelho na sua garganta e descobrimos a causa da sua afonia: fenda subglótica fechada, por isso as cordas vocais não vibravam. Tudo cortinado logo abaixo das cordas vocais, daí o ar que saia dos pulmões não estimulava a fonação. O objetivo, ali, foi recanalizar a via aérea.
Assim como Maria Clara, ainda existem inúmeras crianças e adultos na mesma agonia. A cirurgia endoscópica, ou aberta – nada simples, diria – pode recobrar não só a respiração, mas também a toada da voz. 
No voo de volta, mesmo com missão cumprida, acabei ficando com transtorno bipolar, ao manter a luz de leitura acesa. Senti os solavancos da aeronave, como se tivesse na zona de convergência inter-tropical, enquanto todos bebiam suco de pêssego languidamente e liam a revista de bordo. Ler Dostoiévski é viajar dentro de uma área de borrasca, portanto não aconselho ninguém a bisbilhotar “Notas do subsolo” acima do solo, sob risco de virar trambolho dentro da própria pele e gerar pane seca na própria glote.
No mais, perdoem-me por ter filosofado tanto, são os anos de subsolo à luz de lamparina! Permitam-me, permitam-me, pois a razão é coisa sagrada, mas é apenas para satisfazer o homem, nada mais. Já a narrativa é manifestação de vida como um todo, ou melhor, de toda a humana vida, aí incluindo a razão e todas as formas de se coçar e extrair a raiz quadrada de Maria Clara, para refazer o duo medicina-literatura em meio ao redemoinho que enovela nossas dores.

Roger Normando, médico e professor de cirurgia da Universidade Federal do Pará

domingo, 11 de dezembro de 2016

Um desencontro singular

           Por Abel Sidney, escritor

          Eu ainda morava no Rio quando aconteceu o curioso episódio que vou relatar. Era estudante e além de me entranhar na vida cultural carioca, trabalhava e ainda encontrava tempo para folhear os livros acadêmicos...
            À época, era dado a conhecer escritores. Um deles, o grande Orígenes Lessa, fui visitar em Copacabana. Muito bem recebido, pudemos conversar por algumas horas. Tempos após escrevi ao Carlos Drummond de Andrade e - para minha grande alegria - recebi-lhe como resposta um breve cartão, quase um bilhete. Depois do que vou narrar, ainda conheci Jorge Amado. Ganhei autógrafo e afaguei-lhe o ombro (o que foi motivo de brincadeira em casa, pois diziam que todos a quem eu tocava daquele modo morriam...)
            Lia muito. Quase tudo que me caia às mãos. Coisas saborosas como as crônicas do começo do século do João do Rio, os enigmáticos contos da Clarice Lispector, Victor Hugo e muita literatura infantil. Além disso, arriscava algumas linhas. Escrevia as primeiras crônicas, muitas cartas e umas poucas poesias.
             Foi nesse clima de efervescência cultural que viajei para São Paulo, para visitar uns amigos. Tomei o ônibus da meia noite para poder dormir e aproveitar melhor o dia seguinte. Ao sentar-me, achei estranho o personagem que viajaria comigo, ao meu lado. Cabelos negros até os ombros, magro, rosto anguloso, enfim um tipo nada convencional. Pensei comigo se não o conhecia de algum lugar. Deu-me um comichão e decidi buscar um lugar vago mais para trás, para poder esticar as pernas, dormir melhor ou quem sabe fugir mesmo da presença inquietante daquele senhor...
             Fui lá pra trás e acabei sentado ao lado de um paraíba, um nordestino que morava no Rio, bom de conversa. Disse paraíba pois é assim que os cariocas denominam todo e qualquer nordestino, às vezes de forma pejorativa, o que já pude experimentar na própria pele, por conta de simples vacilo ao tomar um ônibus... 
             Bem, conversa vai conversa vem e eu intrigado com o personagem que deixara lá no banco da frente. Porém, o amigo ao lado era um bom contador de histórias e fui ouvindo suas experiências de vida na cidade grande. Experiências com sabor acentuado de aventura. Uma delas, a qual valeu toda a viagem, aconteceu no Catumbi, próximo ao Sambódromo. Ele subiu o morro para visitar um amigo e se agarraram numa conversa que se estendeu muito além do previsto. Quando ele se deu conta era quase madrugada. O amigo insistiu para que ele ficasse, que pousasse ali mesmo, pois apesar do aperto sempre se dava um jeito. Nada o convenceu. 
              Decidido, tomou o caminho de casa. Na descida do morro viu um sujeito suspeito, pronto para lhe assaltar, presumiu. Quando se deu conta plenamente do perigo iminente, não dava mais para recuar. Tinha sido visto e estava sendo aguardado. Lembrou das advertências do amigo e engoliu em seco. Que besteira! Foi caminhando, então, devagar, para ganhar tempo. Súbito, a inspiração. Diminuiu ainda mais o passo. Cambaleou para os lados e apertou com as mãos o estômago. Começou a gemer baixinho. À medida que caminhava, gemia mais alto. Até que ao chegar no ponto fatal, o sujeito o cercou e perguntou o que estava acontecendo. Disse estar muito mal, vomitando sangue e se não fosse direto para o hospital, poderia morrer ali mesmo.
            O negão (como o chamou) não pensou duas vezes. Tomou-o praticamente nos braços e desceu com ele os últimos lances do escadão. Parou o primeiro táxi. Ordenou ao motorista que levasse o seu camarada ali para o pronto-socorro. Rápido e de graça, ainda frisou. 
             Bem, o resto da história é de se imaginar. E rir. E de se ver ainda que diante da dor alheia, em certas circunstâncias, se comovem os mais duros corações...
             Ao final da viagem, lembrei quem era o tal personagem: Ferreira Gullar, o grande poeta maranhense. Até hoje não sei se o que conversaríamos teria o mesmo sabor que as histórias daquele outro nordestino. Quem sabe? A conferir, num próximo e incerto encontro...

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Além da prorrogação (Dois países lendários)

A mais desejável comunhão é a quebra das barreiras entre
dois países míticos: Vida e Morte.

Suspeita-se que além da Vida, transposta a fronteira, 
novas paisagens se anunciam.

Contam que os habitantes da Morte se sentem tão plenos de existência
que chegam a zombar dos vizinhos, a quem chamam de "vivos-mortos"...

Talvez seja uma forma de revanche, pois os Vivificados classificam
os "do Além" de fantasmas de assombração!

Histórias e tradições se erguem e separam, isolam mesmo quando 
gente dos dois lados desejam  contato, notícia, comunhão...

Um largo muro nos divide, 
um muro de lamentação no qual se fala de perdas na ausência da fé 
e de pitadas de imaginação!

Pois eu imagino que haja verdes campos logo ali, 
fronteiras além...

Chego a pensar na bola que rola que se improvisa 
e ouço ecos de uma outra torcida!

Sem receio algum eu imagino um comentarista retratando a perplexidade dele próprio ao dizer: "quem diria que o jogo, com breve intervalo, continuaria?!"

Sabá de Abadia, do bando de Corisco

sábado, 26 de novembro de 2016

Linha mediana

                                          “Nesse tipo de vida é difícil curar uma doença. Ela se instala e não larga mais. Aí você morre”
Fiodor Dostoiévski, em: “Notas do subsolo”

Esta narrativa poderia sair de “Notas do subsolo”, de Dostoievski, ou do realismo auspicioso de Edyr Augusto ou mesmo de Tess Garritsen, médica e escritora californiana com forte temática policial, autora do extraordinário The surgeon. Na realidade é um relato extraído de vozes do anfiteatro da cirurgia, vivido por mãos enluvadas que, juntas, vivem a conter gotas de sangue que escorrem de punhais e balaços que atravessam mediastinos e flancos.
Dionísio Maldrán, homem de 50 anos, meia altura, com traços andinos fortes, adentrou pela emergência cirúrgica do hospital de Miami como um phantom dos subsolos de Dostoievski. Falava castelhano e nenhuma vírgula de inglês. Apresentava abdome distendido, bastante doloroso e ânsia de vômito, após ter sido esfaqueado na boca do estômago por meliante no Opa Loka, bairro considerado perigoso.
Após examinar e fazer algumas perguntas, o médico calmamente desfez o curativo e percebeu um talho de cerca de três polpas digitais na linha mediana, no abdome. Não pôde aprofundar a inspeção por conta da dor. Preferiu levar ao centro cirúrgico. Chamou-lhe atenção, como experiente profissional, a linearidade de corte.
Descobriu-se, no caminho para sala de cirurgia, a origem equatoriana de Maldrán. Em trânsito para Nova Iorque, ele dizia que iria morar no Brooklin e viver como handyman em Manhattan. Vivia o sonho de atravessar diariamente aquela ponte que unia duas geografias humanas bastabte distinta.
Após iniciar a anestesia, o cirurgião, já paramentado, começou a explorar o ferimento, até perceber que o golpeio era superficial, indo só até a camada gordurosa. Ficou em dúvida se seguiria na operação ou se faria apenas pequenos reparos, e por ali mesmo findasse a missão.
Mas e a dor? E o abdome empachado? A curiosidade aumentou, pois o ferimento era superficial, linear e causava toda aquela celeuma clínica. Mesmo com o ponteiro das horas espreitando o borboleteio do nascer do sol, o cirurgião, aguçado de curiosidade, resolveu aprofundar e ampliar o corte. O auxiliar, fadigado, achava que não, que deveria encerrar a peleja por ali, apoiado pela benção do anestesista. A sonda, passada pelo nariz até o estômago, retirava apenas algum muco insuspeito Uma fumaça de silêncio embaçava os primeiro raios de sol.
Acossado pela dúvida, resolveu seguir, como faria qualquer líder, entre os biombos da emergência. Lá encontrou um estômago tufado, abarcando todo o campo visual. Apalpou e percebeu o órgão duro, pedrado. Tumor? Câncer? Normalmente o estômago em situações de urgência fica distendido de ar, oco - jamais consistente daquela forma. Ao abrir o estômago com o bisturi pularam várias petecas de Cocaína. Calculara mais de trinta, mais de quilo.
No meio da manhã, já desperto e algemado na enfermaria, Maldrán confessou que era "mula" e fazia parte de uma nova rota internacional, mas passou mal no avião e seguiu direto para a casa de um conhecido em Opa Loka, que tentou, com navalha e sem anestesia, fazer o destripamento para retirar a droga, pois o filme “Mestre dos mares”, mostra uma cena e aquilo lhe dera algum aprendizado. A dor tamanha não permitira que a manobra medieval transcorresse na calada da noite, quando pensavam que os demônios da cirurgia estivessem distraídos ou sob pesada narcose.
Ficamos sempre vigiando, tentando ouvir conversas para buscar algo que represente a dura caminhada de um cirurgião pelas noites vividas ao fio da ciência dos desafios. Na coxia dos congressos, às vezes me distraio na vigilância e grudo a orelha na prosa de um e de outro. O bago dos olhos esbugalha quando um pedacinho de literatura é encontrada numa prosa frajola entre cirurgiões de vanguarda, mesmo os amigos que vivem alhures. Neste momento a folha em branco pede clamor e se torna ungüento para aliviar nossos pruridos e lubrificar todos os poros de nossas agonias. Eis a biopsia que não sangra: a literária.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Entre o Bar do Parque e o Central Park



O parque central de Nova Iorque só me levava ao festival de Woodstock e ao edifício Dakota. O Bar do Parque, não. Este, apesar do bar não ter parque, mas uma praça-quase-parque, leva-me ao bafafá e ao Ruy Barata, poeta de “Antilogia” que escreveu uma das mais belas peças sobre o tempo, em Pauapixuna: “O tempo tem tempo de tempo ser; o tempo tem tempo de tempo dar, ao tempo da noite que vai correr, ao tempo do dia que vai chegar.”
Vi-o algumas vezes por lá com suas pernas enoveladas, conspirando seus segredos com a fumaça de de seus cigarros. Essa é uma das lembranças do nosso Paranatinga, que dava impressão de estar apenas se deliciando de seus poemas e composições musicais ao lado de um copo de uísque com gelo entre baforadas.
As leiras e esteiras do Central Park, não. Este eu não tinha ideia de sua grandeza iconográfica, até caminhar por seus trilhos acarpetados por folhas mortas que despencavam a todo momento, denunciando a virada da estação e a nossa presença. Feito um flaneur agarrando-se ao frio pisamos sobre aquele silêncio apreciando a biografia do lugar e seus museus ao redor. Entre uma página e outra desta biografia, um esquilo cruzava nossa trilha.
Nossa? Sim, nosso caminho: meu e de minha namorada, afinal era comemoração de 25 anos de casamento e a viagem valeria uma ação de graças de tal peso. Já era tempo de tempo ser, diria Ruy, por isso dei a mão ao meu amor e sai a pé no rumo do destino, pisando em folhas caídas e cruzando com esquilos naquele jardim urbano de tantas produções cinematográficas e literárias.
Lá fora, New York fervia. A quinta avenida pegava fogo com a trump-revolution, que sacodia o mundo (e ainda sacode) a ponto de trepidar a ponte do Brooklin e recolher os bagos do touro de Wall Street. Eu preferi ficar entre selfies, juras de amor eterno e os últimos raios de sol daquele outono novaiorquino, cujas cores se empaletavam num amarelo vangoghiano, pintando algo impressionantemente belo para o eterno sabor da vida a dois.
Levamos tempo para completar esse caminho e esse destino - sina de gente marcada para a eternidade. A medida que parávamos para novos cliques, em torno do lago central, reconstruíamos aquele sino que "blem-blem-blou" na hora do “sim”, quando éramos apenas dois jovens em busca do futuro perdido em cada sonho dormido com travesseiro feito da própria mochila, descascada de desafios e das estepes por onde tudo começou, sob a assinatura do Cristo Redentor.
Na caminhada pelo parque, reservamos uns passos para conversar sobre a prole que engole parte de nosso temperado sentimento, mas que aduba nossa jornada para uma finitude plangente, que ali parecia não findar - não fossem as rugas.
Passava por nós gente correndo, gente andando. Todos ditavam, ao seu jeito, o final daquela tarde. O nosso ritmo parecia diferente, pois acompanhava o de Agnes Martin (1912- 2014), em exposição no Guggenheim, logo ao lado. Ela transmitia uma espécie de pacto com silêncio das artes. Sim, sim, tudo a ver com quem gostaria de ficar em silêncio ouvindo o passado construído e reconstruído entre vários senões, para refletir sobre a riqueza imaterial adquirida ao longo da jornada, prateada de chamego.
Uma observação: não visitamos o edifício Dakota, em acordo tácito. Entendemos que aquela bala que abalou o mundo embotaria nossas bodas. Preferimos sair cantarolando All you need is love, love... love is all you need.. 

sábado, 12 de novembro de 2016

Linfonodo sentinela

Berto, garçom de pouco mais de 30 anos que costumava fazer bicos em festas de famílias adentrou ao ambulatório. Carregava um tumor de baixo do braço, como se fosse uma bola. Tinha fascies de dor e, antes de sentar para confessar sua doença, percebia-se que escorriam lágrimas de suplício. Fez o pedido: "-dotô, me tire esta coisa; me tire esta dor."
Conseguiu-se a internação de urgência, indo pra sala de cirurgia na manhã seguinte, impelido pelo apelo. Na operação tirou-se quase um quilo de tumor e outra pequena amostra do tamanho de uma bola de gude (linfonodo sentinela1). Com sangramento controlado, a operação terminou em pouco mais de uma hora e o paciente seguiu para enfermaria, que dividia com mais quatro, num calor infernal. A felicidade no rosto da esposa, após a boa notícia, foi convertida em lágrimas de esperança, apesar de ainda ser necessário o exame do tumor extirpado.
Lesões como esta devem inicialmente ter biopsias e só então se decidir pelo tratamento – clinico, cirúrgico ou misto. Neste caso, a regra foi atropelada por conta da dor lancinante. 
A alta ocorreu sem complicação. Berto saiu servindo sorriso.
Após dois meses, a esposa volta chorando ao ambulatório:
- "Berto está à beira da morte no Pronto-Socorro."
- "Como assim? Cadê o resultado da biopsia?" Perguntou o cirurgião.
A esposa soluçava muito até chegar ao fim da história, deixando ar de apreensão na narrativa. Com dinheiro curto para pagar o exame das duas peças, escolheu a mais barata - a menor - e mandou ver. Esperou o resultado e, para alegria deu que não fora encontrada doença feia, contrariando a evolução clínica.
- "Mas esse é apenas o linfonodo sentinela. Onde está o resultado da peça grande, o tumor?"
- "Dotô, eu deixei a peça dentro do saco com formol e guardei na geladeira da mãe dele, até que tivéssemos o apurado para pagar o exame, já que o estado não dispõe. Quando arrecadamos fui pegar a peça, mas chegando lá nada mais havia. Indaguei a todos os cinco irmãos e ninguém se acusou, nem os pais. Então achei que a peça tivesse sido extraviada e ido pro lixo. Sem saber o que fazer,  deixei de lado, confortada pelo resultado da peça menor, o tal linfonodo sentinela. Depois de mês o tumor de Berto voltou no mesmo lugar, junto com a dor. Fiquei desesperada. Era dor demais pra pouco tamanho." 
- "Numa dessas madrugadas, ele já internado no corredor do Pronto-Socorro, vi a mãe sentada num canto da casa, choramingando, sem aparente explicação. Cheguei perto e forcei. Ela me confessou que abriu um pequeno buraco no fundo quintal e enterrou “aquela coisa”. Na cabeça dela tudo que é tirado do corpo da gente deve ser logo enterrado."
Berto ficou a base de morfina, até morrer uma semana depois.
No caminho de volta pra casa aquele cirurgião viu as ruas vazias, sentinelas vigiando a cidade que dormia no ritmo monótono da noite ameaçada de chuva. Lá fora um marinheiro tropeçava, discutia com o poste, errava o coice e caia de nariz sobre o esgoto aberto. Lambeu água da vala e ali mesmo incinerou a ciência pela absurda forma de olhar a vida amazônica. 
É na volta pra casa que os náufragos da cidade se encontram. Durante a madrugada, antes de o sono chegar, o céu ribombou e, pela vidraça, escorria o soluto e a ventania fazia a janela tremular. Existia uma lâmpada amarela, de luz doentia, no outro lado da rua, que o espreitava. Foi o último facho de luz daquela dia.

1. O linfonodo sentinela é aquele que primeiro recebe a drenagem linfática de um tumor maligno.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Sem pudores. Ler.



É incrível notar como meu estado de ânimo interfere e é influenciado imediatamente pelas experiências cotidianas. Digo: se estou saindo de um relacionamento traumático, não quero ouvir nem ler nada que me faça lembrar disto! Passados mais remotos também marcam presença firme e forte. Certo, eu sei que é meio óbvio, mas costuma me surpreender. Ponto. E devo reconhecer que alguns sentimentos são muito intensos no momento, o que não vem exatamente ao caso ao observar a beleza dos livros “Catarina” e “Jesse”, da historiadora Bruna Guerreiro, que acabo de ler. Ambos. Num tapa. A vivência vibrante de dois jovens de gerações diferentes é contada de um jeitinho inebriante. Ela com 18, ele com quase 40. Me reconheci em muitas situações. Sim, muitas. E talvez por isso ache que, para escrever algo assim, como os livros descrevem, só alguém que também já sentiu algo parecido minimamente e, principalmente, se permite ter claro tantos detalhes que costumamos esconder despudoradamente: os conflitos mortais, os morais, os desejos, as situações... Tudo soa muito real e não me sinto tão segura se quero sentir, ainda que de relance que seja, o que sentem alguns personagens, em especial os protagonistas. Emoções eu revivi e foi diferente do que senti quando também revivi algumas delas em “Ao som do mar e à luz do céu profundo”, de Nelson Motta. Mas este eu li em 2007.

Curioso é que sempre me vangloriei de poder dizer que nunca senti nostalgia do meu passado, nem sentia ansiedade pelo meu futuro. Em tese, eu estaria mergulhada lindamente no meu presente. E sempre comparei, mentalmente ou não, com as fases de crescimento da minha filha. Amei todas. E digo até este exatíssimo momento: amo todas, cada uma de sua maneira muito particular, com suas dores e especialmente suas delícias. Estava eu, neste molde, contemplada, em minhas diferentes faixas etárias. Poderia gritar aos quatro ventos, sem pestanejar, que estou muito bem, obrigada. O que passou, okey. O que vivo, beleza. O que virá, que venha. Mas a deixa está logo ali no começo do texto, meu estado de ânimo. Comecei então a pensar tanto na vivacidade e dramas de Catarina. Égua! Acho que bateu saudade da audácia. Deu medo também de não poder viver mais isso.

Pauso para desviar estas linhas para minha relação com a Bruna. Fomos colegas de turma, em um curso de espanhol. Como ela deve saber, sempre admirei muito a Bruna, seu charme, sua segurança, sua ousadia. E, quando avalio o perfil da personagem Catarina, pluft! Não é que parece que eu vejo a Bruna? Não importa muito o que isso signifique. Sempre vai significar algo para cada pessoa por diversos motivos. O que vale mesmo é o prazer da leitura e até onde ela pode te levar. A mim, cutucuou. Vou guardá-los, autografados, para minha filha ler (daqui a mais alguns anos).


segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Saudações, Nise! Sobre como lidar com seres humanos

No dia em que muitos brasileiros tinham a obrigação de depositar seu voto nas urnas do segundo turno das eleições municipais no país, a alagoana Nise da Silveira completou 17 anos de falecida. Minha memória provavelmente não me permitiria lembrar dessa data se eu não tivesse acabado de ler o livro sobre a “psiquiatra rebelde”, assinada por Luiz Carlos Mello, sugerido e emprestado a mim pelo meu irmão Murilo, um leitor voraz.

Há muitos anos eu já havia lido algumas poucas coisas sobre o trabalho de Nise, que inspirou recentemente um filme sobre sua vida. Bom e fiel a muito do que li sobre ela, por sinal. Mas nada comparado ao que o livro me proporcionou. Uma delícia de leitura! Contém muito de escritos dela mesma, tanto que dá pra esquecer que o livro é de Luiz Mello. Que escrita emocionante e límpida! Tão clara que nem parece conter a densidade de conhecimentos que apresenta.

Não bastasse a belezura, o conteúdo da obra “Nise da Silveira. Caminhos de uma psiquiatra rebelde” (2014, Automatica Edições Ltda) é extremamente instigante. Permite a discussão de diversos temas, além do que notoriamente está posto em questão, que é a metodologia de tratamento de esquizofrênicos numa época não tão remota e o esforço monumental da alagoana por desenvolver uma forma diferente de relação com internos em centros especializados da qual fez parte no Rio de Janeiro.

Parêntese Um: foi por se permitir ler obras então criminalizadas pela ditadura militar que imperava no Brasil que Nise chegou a ser presa e compartilhar cela com a escritora e jornalista paraense Eneida de Moraes. Ficou detida por um ano.

Nise era aprendiz e mestre ao mesmo tempo, e desbravou um nicho que ainda lhe exigia enfrentar o machismo. Não duvidou em estudar Medicina, mesmo sendo a única mulher da turma. Não duvidou em abrir mão de estatus privilegiado entre homens - que se vangloriavam em adotar as mais novas tecnologias oferecidas pelo mercado para esquizofrênicos, como a lobotomia – e cuidar do então chamado centro de terapia ocupacional criado para quem ela insistia em chamar de clientes. Ela não titubeou em enfrentar colegas de profissão por diversas vezes. Uma ousadia... uma coragem invejável!

Parêntese Dois: barrada de um primeiro congresso internacional pelos próprios colegas de casa, preparou-se para o próximo que seria realizado sete anos depois. Sete anos! É muita determinação. E ela foi e arrasou.

Quando viu nos estudos de Carl Jung uma possibilidade para aprofundar seu saber, foi continente adiante e foi muito bem recebida por cartas e pessoalmente. Quando via na articulação com artistas a chance de expandir suas propostas e melhorar a qualidade de vida de quem aceitou se inserir em seus ateliês, também superava cada barreira que colocavam em sua rota. Impossível não admirar essa mulher.

Nise talvez seja mais conhecida entre os ativistas da luta antimanicomial. Mas me parece muito pouco conhecida para tamanha contribuição que deu não só na terapia junto a quem era diagnosticado com esquizofrenia, mas para tamanha contribuição que deu, isso sim, para iluminar a forma de relação entre seres humanos, nossa maneira de lidar uns com os outros. Esse é um desafio e tanto.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Argentina é chamada a parar em defesa das mulheres






Mulheres de toda a Argentina têm hoje um chamado contra a crescente onda de femicídios no país. A proposta é parar suas atividades laborais por uma hora, entre 13h e 14h, sob o lema #NiUnaMenos. Às 17h, vai haver uma marcha do tradicional Obelisco até a Praça de Maio, em Buenos Aires, e a ideia é que se vistam de negro, para demonstrar o luto especialmente pelo recente assassinato da jovem Lucía, em Mar del Plata.


A consigna já vem sendo utilizada há dois anos em protesto contra a violência desferida sobre as mulheres, em claros atos de uma cultura machista. As mobilizações vêm ganhando força de tempos em tempos, a cada garota desaparecida, assediada ou morta; a cada mulher aviltada em casa, no emprego, na escola, na rua ou nos transportes públicos.

Nos últimos dias, houve o 31o Encontro Nacional de Mulheres, na cidade de Rosario. Foi um momento de grande expressão, só tão massivo quanto há 10 anos, comentam muitos dos que estão engajados na luta por uma sociedade menos virulenta contra as mulheres, como o presidente da federação de jovens (Fede), do Partido Comunista argentino, Emiliano Vazquez. Atividade, aliás, que contou com a repressão da polícia, algo recorrente nos últimos meses. Ele conta que a temática de gênero tem ocupado lugar prioritário nas agendas políticas de organizações e partidos políticos, o que pressiona a sociedade a promover mudanças culturais.

Deixo, em espanhol, a chamada para o ato, que justifica bem o porquê de a mobilização implicar empregadores.

No Brasil, sabemos que a cruz das mulheres não é menos pesada. Por isso também é justo mais que sabermos do que ocorre no país vizinho, é justo nos darmos as mãos.

“El 19 de Octubre #NosotrasParamos contra la violencia femicida y contra la precarización de nuestras vidas

Paro de mujeres dijimos desde #NiUnaMenos con la rabia por el femicidio de Lucía en Mar del Plata. Y en el mismo día, el odio de una madre mata a su hija lesbiana, y al día siguiente, dos adolescentes son acuchilladas en La Boca. Con los cuerpos todavía movilizados por el Encuentro Nacional de Mujeres en Rosario y con la bronca de la represión que sufrimos latente, la idea empezó a salir de las redes para convertirse en una asamblea que alojó la sede de la Confederación de Trabajadores de la Economía Popular (CTEP) Fuimos cientos de mujeres organizadas -casi 50 organizaciones y sindicatos representados- y muchísimas más no encuadradas en ninguna agrupación pero con la misma voluntad de organizarse para decir otra vez: ¡Basta! Y juntas decidimos parar: las que tienen un empleo formal y las que no, las cooperativistas, las precarizadas, las que trabajan en tareas de cuidado y no reciben salario, las desocupadas, las estudiantes, las artesanas, las artistas, todas.
Esta vez, el cese de actividades será por una hora, entre las 13 y las 14. Y ahí donde estemos saldremos a la calle, a la puerta de nuestros lugares de trabajo rentados o no
para hacernos visibles.

Porque detrás del aumento y la saña de la violencia femicida también hay una trama económica, la falta de autonomía de las mujeres nos deja más desprotegidas a la hora de decir no y nos convierte en blancos móviles de las redes de trata o cuerpos “baratos” para el tráfico de drogas y la venta al menudeo.

Porque si el desempleo promedio en Argentina es del 9,3 por ciento, para las mujeres es del 10,5
Porque el 76% del trabajo doméstico no remunerado lo hacen las mujeres.
Porque las tareas de cuidado que asumimos nos exponen a mayor precarización laboral.
Porque en los trabajos precarizados la brecha salarial aumenta del 30 al 40 por ciento con respecto a los varones.
Porque el 20% de las mujeres que reciben salario a cambio de su trabajo se desempeñan en tareas domésticas -después seremos mayoritariamente maestras y enfermeras, todos trabajos fundamentales pero desjerarquizados.
Porque cuando tenemos hijos o hijas tenemos que cuidarlos nosotras y la tasa de actividad baja del 54 al 39%.
Porque las licencias por maternidad son cortas y prácticamente no hay guarderías en ningún lugar de trabajo, ni estatal, ni privado.

Por todo esto, el 19/10  #NosotrasParamos, para decir otra vez #NIUnaMenos y que #VivasNosQueremos”

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Entre souvenirs e fés

          Ormindo, um profissional liberal de 50 anos de idade, treinava com afinco e paciência, durante os raiares do sol, para entender sua fisiologia do esforço, pois se desafiava a fazer em 50 minutos o trajeto de 10km da corrida do Círio de Nazaré. Preso a números, seria Ormindo Pimenta 50/50, candidato a: homem inteiro para a vida.
O esforço exigido para treinamento de corrida sobrecarrega a musculatura e as articulações dos membros inferiores. O impacto repetitivo de cada passada transmite ao torso forças estimadas em duas a três vezes o peso corpóreo. A tendência é que, a partir de determinada passada o indivíduo comece a sentir dor e certo grau de irritação. Ormindo precisava entender tais fundamentos para seguir treinando para a corrida do círio, que ocorre uma semana após a procissão de Nazaré, segundo domingo de outubro, em Belém-PA. As últimas versões do evento têm exigido dos corredores de rua cada vez mais empenho e perfomance, por isso Ormindo se dedicava com afinco.
Num dos treinamentos resolveu acompanhar, no seu ritmo, o cortejo do círio fluvial, que se dirigia, por terra, ao distrito de Icoaracy. A quilométrica fila de carros atrás da berlinda estava mais para engarrafamento à paulista que procissão de fé. Eram roncos dos motores e buzinas os cânticos de louvores. Uns querendo passar pelo outro, enovelando o trânsito; outro por cima de calçadas e acostamentos por onde Ormindo treinava; gritos e xingamentos não faltavam apesar da sacralidade do evento. E, apesar do caos, Ormindo seguiu determinado.
Certa altura, o cortejo da virgem e Ormindo parearam. Ele se deslumbrou com aquela imagem e se sentiu vestido por aquele manto e protegido de todos os males. Aproveitou e, com braço direito hasteado após o sinal da cruz, agradeceu a morada que conseguira levantar no último ano.
Ormindo calçava tênis, camisa dry fit e calção brancos. Foi ficando para trás junto com os carros e toda aquela procissão, até perceber que estava incomodando. Buzinas e reverências ao xingamento faziam parte dos bordões de quem estava atrapalhando trânsito e, consequentemente, a procissão. Carros tiravam fino, e teve um que fusca quase o atropela. Eram mais de cento e meio, sofreúdos. 
Cirandou uma idéia ao ver a frente um vendedor de fitas e colares referentes ao círio de Nazaré. Foi lá, gastou dez dinheiros e se fartou de adornos. Depois seguiu correndo os quilômetros que faltavam. Já enfeitado de romeiro, começou a perceber que os retardatários começaram a lhe oferecer água, prece, e diversos apoios, inclusive vozeavam: “vamos lá, você vai conseguir pagar sua promessa”. Carros desviavam para dar passagem àquele promesseiro.  As fitinhas se converteram em passaporte, abre alas, salvo-conduto, marcas indeléveis de fé, respeito e compaixão. Ele se perguntava: precisava? No fundo, mesmo envolto em tantos sentimentos, estava a matéria - souvenirs.
Percebia-se ali a força metafísica homo, um sinal de alerta a quem ousa desafiar a corda que atraca a fé ao pé do homem. Ao finalizar o trajeto, percebera que estava na corda bamba entre a crença e a descrença, sem conseguir apalpar a fé concreta desse povo que se desfaz em chamego diante da imagética mariana. Comoveu-se a ponto de rasgar o coração - frágeis cordoalhas-, como um bibelô no cume da prateleira. Por fim, pediu à Senhora que lhe desse sabedoria pra entender a variedade de crenças que conduz a humanidade.