segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Entre souvenirs e fés

          Ormindo, um profissional liberal de 50 anos de idade, treinava com afinco e paciência, durante os raiares do sol, para entender sua fisiologia do esforço, pois se desafiava a fazer em 50 minutos o trajeto de 10km da corrida do Círio de Nazaré. Preso a números, seria Ormindo Pimenta 50/50, candidato a: homem inteiro para a vida.
O esforço exigido para treinamento de corrida sobrecarrega a musculatura e as articulações dos membros inferiores. O impacto repetitivo de cada passada transmite ao torso forças estimadas em duas a três vezes o peso corpóreo. A tendência é que, a partir de determinada passada o indivíduo comece a sentir dor e certo grau de irritação. Ormindo precisava entender tais fundamentos para seguir treinando para a corrida do círio, que ocorre uma semana após a procissão de Nazaré, segundo domingo de outubro, em Belém-PA. As últimas versões do evento têm exigido dos corredores de rua cada vez mais empenho e perfomance, por isso Ormindo se dedicava com afinco.
Num dos treinamentos resolveu acompanhar, no seu ritmo, o cortejo do círio fluvial, que se dirigia, por terra, ao distrito de Icoaracy. A quilométrica fila de carros atrás da berlinda estava mais para engarrafamento à paulista que procissão de fé. Eram roncos dos motores e buzinas os cânticos de louvores. Uns querendo passar pelo outro, enovelando o trânsito; outro por cima de calçadas e acostamentos por onde Ormindo treinava; gritos e xingamentos não faltavam apesar da sacralidade do evento. E, apesar do caos, Ormindo seguiu determinado.
Certa altura, o cortejo da virgem e Ormindo parearam. Ele se deslumbrou com aquela imagem e se sentiu vestido por aquele manto e protegido de todos os males. Aproveitou e, com braço direito hasteado após o sinal da cruz, agradeceu a morada que conseguira levantar no último ano.
Ormindo calçava tênis, camisa dry fit e calção brancos. Foi ficando para trás junto com os carros e toda aquela procissão, até perceber que estava incomodando. Buzinas e reverências ao xingamento faziam parte dos bordões de quem estava atrapalhando trânsito e, consequentemente, a procissão. Carros tiravam fino, e teve um que fusca quase o atropela. Eram mais de cento e meio, sofreúdos. 
Cirandou uma idéia ao ver a frente um vendedor de fitas e colares referentes ao círio de Nazaré. Foi lá, gastou dez dinheiros e se fartou de adornos. Depois seguiu correndo os quilômetros que faltavam. Já enfeitado de romeiro, começou a perceber que os retardatários começaram a lhe oferecer água, prece, e diversos apoios, inclusive vozeavam: “vamos lá, você vai conseguir pagar sua promessa”. Carros desviavam para dar passagem àquele promesseiro.  As fitinhas se converteram em passaporte, abre alas, salvo-conduto, marcas indeléveis de fé, respeito e compaixão. Ele se perguntava: precisava? No fundo, mesmo envolto em tantos sentimentos, estava a matéria - souvenirs.
Percebia-se ali a força metafísica homo, um sinal de alerta a quem ousa desafiar a corda que atraca a fé ao pé do homem. Ao finalizar o trajeto, percebera que estava na corda bamba entre a crença e a descrença, sem conseguir apalpar a fé concreta desse povo que se desfaz em chamego diante da imagética mariana. Comoveu-se a ponto de rasgar o coração - frágeis cordoalhas-, como um bibelô no cume da prateleira. Por fim, pediu à Senhora que lhe desse sabedoria pra entender a variedade de crenças que conduz a humanidade.

Nenhum comentário: