sábado, 26 de novembro de 2016

Linha mediana

                                          “Nesse tipo de vida é difícil curar uma doença. Ela se instala e não larga mais. Aí você morre”
Fiodor Dostoiévski, em: “Notas do subsolo”

Esta narrativa poderia sair de “Notas do subsolo”, de Dostoievski, ou do realismo auspicioso de Edyr Augusto ou mesmo de Tess Garritsen, médica e escritora californiana com forte temática policial, autora do extraordinário The surgeon. Na realidade é um relato extraído de vozes do anfiteatro da cirurgia, vivido por mãos enluvadas que, juntas, vivem a conter gotas de sangue que escorrem de punhais e balaços que atravessam mediastinos e flancos.
Dionísio Maldrán, homem de 50 anos, meia altura, com traços andinos fortes, adentrou pela emergência cirúrgica do hospital de Miami como um phantom dos subsolos de Dostoievski. Falava castelhano e nenhuma vírgula de inglês. Apresentava abdome distendido, bastante doloroso e ânsia de vômito, após ter sido esfaqueado na boca do estômago por meliante no Opa Loka, bairro considerado perigoso.
Após examinar e fazer algumas perguntas, o médico calmamente desfez o curativo e percebeu um talho de cerca de três polpas digitais na linha mediana, no abdome. Não pôde aprofundar a inspeção por conta da dor. Preferiu levar ao centro cirúrgico. Chamou-lhe atenção, como experiente profissional, a linearidade de corte.
Descobriu-se, no caminho para sala de cirurgia, a origem equatoriana de Maldrán. Em trânsito para Nova Iorque, ele dizia que iria morar no Brooklin e viver como handyman em Manhattan. Vivia o sonho de atravessar diariamente aquela ponte que unia duas geografias humanas bastabte distinta.
Após iniciar a anestesia, o cirurgião, já paramentado, começou a explorar o ferimento, até perceber que o golpeio era superficial, indo só até a camada gordurosa. Ficou em dúvida se seguiria na operação ou se faria apenas pequenos reparos, e por ali mesmo findasse a missão.
Mas e a dor? E o abdome empachado? A curiosidade aumentou, pois o ferimento era superficial, linear e causava toda aquela celeuma clínica. Mesmo com o ponteiro das horas espreitando o borboleteio do nascer do sol, o cirurgião, aguçado de curiosidade, resolveu aprofundar e ampliar o corte. O auxiliar, fadigado, achava que não, que deveria encerrar a peleja por ali, apoiado pela benção do anestesista. A sonda, passada pelo nariz até o estômago, retirava apenas algum muco insuspeito Uma fumaça de silêncio embaçava os primeiro raios de sol.
Acossado pela dúvida, resolveu seguir, como faria qualquer líder, entre os biombos da emergência. Lá encontrou um estômago tufado, abarcando todo o campo visual. Apalpou e percebeu o órgão duro, pedrado. Tumor? Câncer? Normalmente o estômago em situações de urgência fica distendido de ar, oco - jamais consistente daquela forma. Ao abrir o estômago com o bisturi pularam várias petecas de Cocaína. Calculara mais de trinta, mais de quilo.
No meio da manhã, já desperto e algemado na enfermaria, Maldrán confessou que era "mula" e fazia parte de uma nova rota internacional, mas passou mal no avião e seguiu direto para a casa de um conhecido em Opa Loka, que tentou, com navalha e sem anestesia, fazer o destripamento para retirar a droga, pois o filme “Mestre dos mares”, mostra uma cena e aquilo lhe dera algum aprendizado. A dor tamanha não permitira que a manobra medieval transcorresse na calada da noite, quando pensavam que os demônios da cirurgia estivessem distraídos ou sob pesada narcose.
Ficamos sempre vigiando, tentando ouvir conversas para buscar algo que represente a dura caminhada de um cirurgião pelas noites vividas ao fio da ciência dos desafios. Na coxia dos congressos, às vezes me distraio na vigilância e grudo a orelha na prosa de um e de outro. O bago dos olhos esbugalha quando um pedacinho de literatura é encontrada numa prosa frajola entre cirurgiões de vanguarda, mesmo os amigos que vivem alhures. Neste momento a folha em branco pede clamor e se torna ungüento para aliviar nossos pruridos e lubrificar todos os poros de nossas agonias. Eis a biopsia que não sangra: a literária.

Nenhum comentário: