quarta-feira, 15 de novembro de 2006

Doentes terminais e a imprensa

O Observatório de Imprensa mais uma vez chama a atenção para o tratamento pouco adequado que alguns órgãos de imprensa dão a importante questão da ortotanásia. É preciso um pouco mais de responsabilidade ao abordar este importante tema, recheado de tabus o suficiente, para cedermos às tentações das simplificações. Para dizer o mínimo.

(...)"Médico pode limitar ajuda a doente terminal".
Seja ela ou um editor o responsável pela manchete, o que se pensa ao ler esse título? Que a partir de agora os médicos podem deixar de fazer o que devem por alguém que está morrendo!

Basta ler o próprio texto e as entrevistas para ficar claro que não é nada disso, como exposto acima – mas, novamente, essa chamada "vende". É mais um exemplo de bom jornalismo totalmente maculado pela catastrófica chamada para o texto.

Quando a mídia irá aprender?

Leia a íntegra aqui.

2 comentários:

João Moutinho disse...

Apreciei este pequen texto.
Trabalho na área da saúde e dá para perceber o poder dos média.
Está bem que denunciem certas situações mas há outras notícias, que distorcidas, só servem para envevenar.

Flanar disse...

É João. Tem veneno pra todos no mundo dos midiáticos. E o Observatório de Imprensa mantém sua tradição em apontar os problemas. Quem dera todos os segmentos da sociedade tivessem a mesma atitude. Talvez experimentássemos um crescimento mais sólido como cidadãos.
Abs e Obrigado pela visita.