terça-feira, 28 de novembro de 2006

Poucas e boas...

O Diário do Pará publicou na semana passada, com direito a charge, o que disse o Deputado Vic Pires Franco Neto, na última reunião da bancada paraense em Brasília.
Para o Deputado pefelista as eleições deste ano trouxeram uma boa e uma má notícia para os eleitores do Pará. A boa seria a não eleição do Sr. Anivaldo Vale, e a má a eleição do Sr. Gérson Peres.
O Deputado Anivaldo Vale, presente na reunião, reagiu mal ao comentário e redarguiu que de fato não mais integraria a bancada federal paraense, mas teria substituto no filho, eleito, que viria do Pará como um pitbull para morder o rabo de Pires Franco.
Certamente, o Deputado Vic frente a total perda de compostura do Sr. Anivaldo Vale não treplicou. Mas, quem o conhece sabe que não teme a cães. Por muito tempo, quando jovem, praticou em Belém, com sucesso, a cinofilia com pastores alemães .

11 comentários:

Anônimo disse...

Caro Barreto,
Todas as reuniões nas comissões são gravadas. Ainda bem!
O que realmente aconteceu, e sempre é assim num clima de muita cordialidade e respeito, é que ao final da nossa reunião de bancada, eu e o Nilson Pinto procuravamos uma maneira de encarnar no Anivaldo, que estava presidindo a reunião.
Foi quando fiz o seguinte comentário: Eu queria encerrar as minhas palavras meu caro Anivaldo, dizendo que essa eleição teve um lado bom e um lado ruim para nós deputados da bancada do Pará. Foi quando ele perguntou qual. Aí eu respondi, que para nós, colegas de bancada, o lado bom era de que nós ficaríamos livres do ranzinza do Anivaldo na próxima legislatura. E alguém perguntou lá atrás, e o lado ruim? Eu na hora respondi, que em compensação ganharíamos de volta o Gerson. Foi uma gargalhada geral. O Anivaldo rindo muito, me respondeu que ele não estaria, mas o Lúcio ficaria no lugar dele e de olho em mim. E todos caimos na gargalhada. Foi só isso.
Agora, mudando de assunto, eu não sabia da sua lembrança dos bons tempos quando eu participava com meu pastor alemão Basco, de todas as exposições de Belém. Tempos bons que deixam saudades.
Um abraço,
Vic

Anônimo disse...

Vic Neto?
Quer dizer que existiu um Vic anterior?
Daonde vem esse nome Vic? é diminutvo de Victor ou de Victória?

Flanar disse...

Obrigado pelo esclarecimento, deputado. Realmente o sr. parece ter razão em louvar o fato das reuniões serem gravadas. Afinal, o que o sr conta é exatamente o oposto do que foi publicado.
Quanto à época da cinofilia, esta é uma lembrança de nosso outro poster Oliver, autor original do post Poucas e Boas.
Abs e Obrigado pela visita.

Flanar disse...

Anônimo da madrugada. O nome é Vic de Victor Pires Franco Neto mesmo. Basta vc fazer uma pesquisa no Google e o primeiro link que vc encontra é o da Câmara com as informações básicas a respeito do deputado em
http://www.camara.gov.br/internet/deputado/Dep_Detalhe.asp?id=521644
Não há razão para admoestá-lo com outra explicação para seu codinome, aliás tradicionalmente conhecido em nossa cidade.
Podemos discordar dele, de suas posições e de seu partido.
Mas pessoalmente, não acho elegante discordar de outra maneira. Mesmo que em tom de "brincadeira" como deve ter sido o seu caso.
Abs e obrigado pela visita.

Flanar disse...

Aliás, deputado, recebi agora o CD que o sr. enviou com informações por satélite sobre a perda de nosso manto florestal, fornecidas pelo INPE.
Agradeço pois são informações de valor para análise e crítica.
Abs

Anônimo disse...

Caro flanar, não quis admoestá-lo e tampouco fazer "brincadeira". O nome Vic poderia muito bem ter vindo de uma imaginária avó, que concebí, chamada "Victória Pires Franco". Como a neta nasceu neto, ao invés de colocar Victória P F Neta, colocou-se, com grande criatividade, Vic PF Neto.
Anônimo da Madrugada Voleibolística.

Flanar disse...

Desculpe anônimo voleibolístico. Entendi agora sua mensagem.

oliver disse...

É Neto, porque o pai foi filho de Victor Pires Franco, Senior. Família com tradição no comércio em Belém.

Anônimo disse...

oliver,
Em quais dos três níveis de comércio?
O regional do Porto do Sal?
O amazônico do Ver-o-Pêso?
O internacional do Port of Belém?
..................................
ou ainda, por baixo do pano, o com as Guianas, de Abaetetuba?

Anônimo disse...

Lojista na João Alfredo.

oliver disse...

Exatamente. Na minha época, a loja ficava localizada logo depois da Lobrás. Vendia eletrodomésticos e móveis. Ainda no tempo em que João Alfredo era uma espécie de passeio público, e não a bagunça que é.