sexta-feira, 27 de março de 2009

Aprendizes de feiticeiro

Dez e meia da manhã. Volto do Tribunal de Justiça em direção a meu escritório, no bairro do Reduto. Quando chego na esquina da Benjamin Constant com a Ó de Almeida, na intenção de seguir até a Manoel Barata para dobrá-la, sou surpreendido por estudantes, de uniforme da Escola Estadual Benjamin Constant, parados na frente da rua, com cartazes admoestando o governo do Estado em razão, não sei porque exatamente, dos kits escolares distribuídos neste mês sob muita polêmica.

Evidentemente, o trânsito ali ficou lento, bem como em todas as ruas do bairro, estreitas e com suas margens ocupadas por carros estacionados. Não era uma manifestação espontânea, muito menos de estudantes. Já à frente, ouço a voz de um manifestante, vindo de um carro som, gritando estridentemente palavras de ordem. Nas esquinas das ruas interditadas, os cartazes são de lona ou outro material plástico, feitos em locais especializados.

Os estudantes, mera massa de manobra, observam bovinamente os acontecimentos, felizes pela gazeta escolar que o panelaço lhes proporcionou. E assim aprendem que, para o bem ou para o mal, é na escola que tudo começa - inclusive a má política, a intolerância e o desrespeito à liberdade de ir e vir.

5 comentários:

Anônimo disse...

Não está com nada! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk..
tomou no fiofó! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk..

Francisco Rocha Junior disse...

Será você um dos estudantes bovinos, das 23:35?

Carlos Barretto disse...

Com tamanho escárnio e má educação, esta anônima nem merece o benefício de sua dúvida, FRJ.
Aliás a babaquice costuma advir de espécies bem menos nobres que nossos dignos bovinos.

Rsss

socorro disse...

Aquela manifestação que você presenciou e que não entendeu nada. Eram simplesmente pais, alunos e professores indignados com a situação da escola Benjamin Constant (que a mais de 100 anos presta serviços a comunidade do bairro do reduto e adjacentes), se encontra em total abandono, em risco de desmoronar.
Foram feitos muitos pedidos a Seduc e não houve nenhuma resposta, nossos filhos estão sem aula até a data de hoje. Não nos restou outra alternativa a não ser nos manifestar daquela forma que você presenciou.
Infelizmente talvez você desconheça a situação do ensino publico no nosso Estado, o que você chama de massa bovina que só observa os acontecimentos e fica feliz pela gazeta. Nós chamamos de direito de cidadania, manifestar-se e indignar-se diante de um colapso em que vivemos.
Sobre sua opinião de que tudo começa na escola concordo, por isso que estamos lutando para que nossos filhos tenham a mesma sorte sua, que com certeza estudou nas melhores escolas de Belém.
Desculpe por fazê-lo perder seu precioso tempo dentro de seu carro, sei que uma pessoa tão importante deve ter milhões de coisas sérias a resolver, pelo menos você aproveitou um pouco desse precioso tempo perdido para escrever no seu blog as perolas que você escreveu.
Procure na sua vida, fazer a boa política, pratique a tolerância e o respeito pela liberdade de expressão.
Como bom advogado, que com certeza é procure se informar melhor antes de fazer qualquer juízo, pois nem tudo que parece é.
Ah! Que belo titulo você deu.

Francisco Rocha Junior disse...

Prezada Socorro,
Obrigado pela manifestação. Apesar de duros, os termos de seu comentário permaneceram no campo do debate e da boa educação - o que, infelizmente, virou artigo raro no exercício da crítica à opinião.
No entanto, discordo de você, e bem se vê que você não conhece nada da minha história (e nem poderia, não é mesmo?).
Como você puxou um ótimo debate, seu comentário vai amanhã para a ribalta com minha manifestação a respeito.
Boa noite. Venha sempre.