segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Melhor de três

Em descontraída conversa familiar no weekend, veio à tona a temática “qual o melhor
restaurante das suas vidas?
”.


Eu não fui capaz de responder apontando um só estabelecimento e descobri que valorizo mais
e recordo com mais clareza das refeições do que dos locais.


E acabei dividindo a resposta em três fragmentos, que compartilho com vocês aqui no Flanar.


No início da década de 1990, jantei no restaurante do Hotel Colombi, em Freiburg (Alemanha) em animado e heterogêneo grupo de sete pessoas e descobri que wildschwein (javali) combina com uvas brancas plantadas em terreno arenoso (Pouilly-Fumé, do Loire, por exemplo). Outra descoberta feita na mesma noite foi que um cristão deve, ao sair com amigos germânicos refinados rumo a um restaurante estrelado, levar pelo menos 300 euros na carteira. Wunderbar!



(Hotel Colombi - Freiburg)


Na final da mesma década viajei pela PCH1 (Pacific Coast Highway), hanging around entre LA e San Francisco por uma semana. Quando em Carmel-by-the-Sea, acionei um recorte da revista Playboy, guardado por mais de 15 anos, em que o articulista descrevia passo a passo o “jantar da sua vida”, ocorrido em um restaurante (cujo nome o vinho levou) em... Carmel! Colei a reportagem ao reproduzir fielmente o jantar e a minha falta de criatividade me proporcionou deslumbrantes pastéis de pato e marinados inesquecíveis, regados, é lógico, a um bom Chardonnay do vale do Napa. Apesar dos 300 dólares per capita, terrific!



Carmel-by-the-sea (CA)


No ano de 2002 fiz uma expedição fotográficapelo Rio Nhamundá por 2 semanas, e após dias e dias comendo no barco procurei um restaurante digno para almoçar em terra firme, já no município paraense de Terra Santa. Fui ao Restaurante da Magra, na praça central, e ataquei o mais rosado lombo de pirarucu jamais visto, acompanhado de feijãozinho da colônia, farinha tri-baguda e de um refrigerante estranhíssimo. A conta? 3 reais, com bebida incluída. Deixei 5 reais na mesa e vi pelo canto do olho o belíssimo sorriso de agradecimento da Magra ao recolher a nota. Pai d’égua!


(Terra Santa - imagem: Conceição Bentes)

Qual foi o melhor dos três restaurantes? Só repetindo, para tirar a dúvida.

4 comentários:

Carlos Barretto  disse...

Ótimo post!

Prof. Alan disse...

Vou pegar uma carona nesse post, com permissão do Scylla, e enumerar três restaurantes também:

1) O Wanchako, em Maceió, especializado em culinária peruana (www.wanchako.com.br). Simplesmente um banquete para todos os sentidos! Peixes e camarões assumem sabores e texturas que você jamais poderia imaginar que existiam!

2) O Deca, às margens da Lagoa da Conceição, em Florianópolis (www.restaurantedeca.com.br). A melhor sequência de camarão da minha vida, num lugar de paisagem deslumbrante. E ainda é BBB - Bom, Bonito e Barato;

3) O La Brigada, em San Telmo, Buenos Aires. Um paraíso para os carnívoros, o único lugar onde vi a carne ser cortada com o garfo, de tão macia. Feinho, escondido, mas de uma culinária memorável.

Scylla Lage Neto disse...

Valeu, Charlie!

Scylla Lage Neto disse...

Alan, as 3 dicas estão registradas e espero checá-las todas, mesmo que demore décadas.
Obrigado e um abraço.