domingo, 29 de julho de 2007

Festa brasileira, tristeza das Parcas

Os Jogos Pan-americanos se encerrarão com brilhantismo. Descontando as Parcas, teimosas em arrastar o país para o baixo astral, nunca o Brasil teve desempenho esportivo tão extraordinário. O resultado olímpico reflete necessariamente que a política de esportes, conduzida no governo Lula, deu resultados positivos. Vaiá-la é, por consequência, pisotear nas até então 157 medalhas conquistadas pelos atletas brasileiros, que garantem ao país, no somatório de distinções, o segundo lugar no Pan-americano e o terceiro em medalhas de ouro. Sorry periferia.

5 comentários:

Anônimo disse...

ACHAR QUE O GOVERNO LULA TENHA ALGUMA CONTRIBUIÇÃO PARA O DESEMPENHO DOS ATLETAS BRASILEIROS NESTE PAN É SER CEGO.
O GOVERNO EFERAL CONTRIBUIU SIM, NA LOGÍSTICA E NEM PODERIA SER DIFERENTE.

Anônimo disse...

Você poderia citar exatamente quais elementos da política de esportes do governo contribuíram decisivamente para o ótimo desempenho dos nossos atletas?

Claro, além da disputa em terra brasileira e da maior delegação em Pans da história do psís?

Também não me consta que as obras de infra-estrutura (que estouraram e muito o orçamento previsto) já tenham contribuído para o aperfeiçoamento dos nossos atletas ou para a formação de novos talentos.

Ah, não podemos esquecer que a nova infra-estrutura em questão estará disponível somente na cidade do Rio de Janeiro e não para toda a periferia.

Pena que não deu também para o presidente Lula ficar distribuindo medalhas não é mesmo! ;-)

Passados alguns dias do encerramento da festa, quando estivermos todos sóbrios, que perceberemos que ainda há um longo caminho a percorrer.

"Caramba, só perdemos em medalhas para os americanos! Ops, não, não,... perdemos também para a ilhota miserável do Fidel! Mesmo com o abandono da competição antes do final? Puxa vida!"

Oliver disse...

1. Tudo bem, não de forma única. Mas, de onde tiras que resultados olímpicos não surgem a partir de investimentos em infra-estrutura? Sem elas, e todos da área reconhecem, não é possível fazer o treinamento dos atletas, ficando na dependência quase que da caridade pública, ou na contribuição da iniciativa privada, de fato dona dos mais importantes centros de treinamento no país? Portanto, este, mais que o momento da alegria ds medalhas, em termos de futuro, é o mais importante legado do PAN para o esporte brasileiro. De licença, mas vamos colocar o debate em nível mais elegante e mais, digamos, promissor para a inteligência!
2. Alegas estouros orçamentários, mas, APONTA (não é assim que costumas te dirigir a quem argumenta contra tuas convicções?) algum país que tenha sediado esse tipo de jogos em que estes não tenham ocorrido!
3. É certo que a infra está localizada na cidade do RJ - que se dá ao luxo, na miséria moral em que vive, de vaiar ao Presidente. Mas, se atiraste no que não viste, acertaste na mosca que não estava em tua mira: essa foi uma decisão acertada frente a dimensão continental do país, a situação de insegurança e de baixa estima da cidade do RJ, um dos nossos principais cartões postais. E, ainda mais, aos custos inerentes de uma descentralização. Está claro que com base nessa herança privilegiada, cabe ao ilustre prefeito do RJ otimizar essa estrutura do ponto de vista social. Inclusive a partir de cooperações com outras unidades da federação (se não é exigir demais no caso e do cérebro).
4. Quanto as vaias e a possível distribuição de medalhas, penso que Lula errou e muito. Deveria ter ficado, discursado e ter ido ao encerramento. Vaias, ora vaias... tantos a receberam e não tiveram o legado diminuído nos séculos e nos tempos!
Mas não posso responder pela mágoa de ninguém, exceto pela obrigação de responder à estupidez que aqui comparece, iludida na chance de que pode diminuir uma festa belíssima que pertence ao país.
São as Parcas a que me referi, ou melhor, OS COVEIROS DE SONHOS a que o Prefeito Edmilson se referia em seus discursos, quando lhe detratavam o governo. Pois, amarguem o pesadelo que ora vivem, cavado por si próprias de cara limpa, dissimulada ou omissa, infelizmente no cenário de nossa amada Belém.
5.Quanto a Fidel, chegamos bem perto, como nunca antes, considerando o afundamento que o esporte amador sofreu nesse país nos anos em que o empreendedorismo amoral e outras cositas mais deram as horas e a ordem no Brasil.
Enfim, sorry periferia, vocês são de última.

Flanar disse...

E tem mais. Quem escreve em caixa alta é por que duvida do conteúdo do que está escrevendo.
Trata-se de um artifício não recomendado desde os primórdios da internet.

Orçamentos estourados podemos observar em várias obras tucanas aqui nesta cidade. Nem vou citar pois já pode ser mesmo um mero repetir no vazio de quem talvez de fato não esteja com o nobre propósito de debater.
No mais, oliver já deu o contraponto.
Ponto final!

Anônimo disse...

As vaias cariocas doeram no coração brasileiro.
O fechamento do PAN, sem o Lula, não foi um encerramento mas um apagar de luz...depois, as trevas!