terça-feira, 31 de julho de 2007

Tomando o bonde errado

A conduta de retirarem o presidente de solenidades sempre que identificam ação de claque para vaiá-lo, com todo o respeito, depõe contra a inteligência bem intencionada do assessor. Quem foi sindicalista não tem medo de vaias, manifestação corriqueira na arena sindical. Ao obrarem por essa forma inconveniente de reação, nada mais fazem que reduzir a maior autoridade do país ao tamanho da vaia organizada .

4 comentários:

Juvencio de Arruda disse...

...e acabam por incensar o "movimento", se me permite acrescentar ao seu lúcido post, meu caro.
Abs

Oliver disse...

Aí, cumpadi, férias merecidas! Abs.

Anônimo disse...

E essa "redução" já estaria de bom tamanho. Ou não?...

Oliver disse...

Meu caro astigmata anônimo,
Nessa questão de medida vale o olho de quem olha, que por si tem o foco da cidadania a que pertence.
No caso de teu astigmatismo ideológico, uma regra de ouro: evita aquele consultório de candidato a prefeito, pois a vítima, se não sabes, além de ti (será?), é toda a coletividade.