terça-feira, 22 de abril de 2008

A Noiva Cadáver

O Oriente sempre seduziu a civilização ocidental pelo exotismo de suas belezas naturais e os costumes de seus povos. Na China, alguns deles se apresentam no mínimo como bizarros e até perigosos no momento em que a sociedade chinesa vive o hibridismo comunipitalista, onde o lucro e o crime fazem com frequência associações inusitadas.
Conta a revista Superinteressante que, ano passado, as autoridades chinesas meteram cinco chineses na cadeia por assassinarem mulheres jovens e venderem por até 2 mil dólares, em cidades do interior do país, os corpos das vítimas para fins nupciais .
A encomenda dessas noivas cadáveres obedece a um costume milenar, de que falecidos na condição de solteiros enfrentarão no além problemas que lhes comprometerão a descendência na próxima encarnação. Daí que as famílias logo providenciam uma falecida que lhes faça companhia side by side nos sete palmos.
O problema é quanto a longevidade que vão adquirindo os chineses com a melhora das condições de saúde no país. Daí a solução criminosa que certamente custará a vida dos traficantes de noivas defuntas. Mas, se um deles for donzelão, estará reiniciada a quadrilha mórbida?

2 comentários:

Anônimo disse...

De repente, o cara era um solteiro convicto, que não queria dormir dividindo a cama com ninguém e vai ter que se apertar num caixão pelo resto da eternidade. Já conhecia o "äté que a morte os separe" e agora os chineses lançaram o "até que a morte os una". Será que aquela frase "não sei se caso ou se compro uma bicicleta" é de origem chinesa, já que tem tanta bike por lá e outros tantos solteiros?!
Beto Carepa

Oliver disse...

Grande Beto, prazer a tua visita e comentário. Mas, quem sabe os chineses queiram provar que não há descanso eterno. Risos.