quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Vende-se lá como cá

No post Vende-se nosso companheiro no Flanar Francisco Rocha Junior informa que está programada venda na modalidade leilão de raridades do escritor português Fernando Pessoa.

Assim como lá cá está a venda o acervo do que seria um museu que reuniria as obras de arte reunidas ao longo de 60 anos pelos escritores Jorge Amado e sua mulher Zélia Gatai.

Durante 6 anos o cantor, compositor e dublê de político Gilberto Gil, baiano, como Zélia e Jorge, esteve a frente do Ministério da Cultura (MinC).

Há quatro anos apelos dos herdeiros dos dois escritores brasileiros tentaram sensibilizar o ministério -- responsável pelo patrimônio cultural do país -- para o risco de desfazimento da coleção, em vão.

Ontem a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) soltou a seguinte nota indignada com a omissão do MinC.

No total, foram colocadas à venda 576 peças, entre elas, gravuras, objetos de arte e outros bens.

4 comentários:

Itajaí de Albuquerque disse...

Acho que os Amado lançaram a sorte. Acredito que pelo menos as peças mais valiosas encalharão, até porque parecem-me supervalorizadas. É uma pena que não tenham chegado a um acordo com os governos federal e da Bahia.

Rz disse...

Mas e a Fundação que já funcionava lá no Pelourinho?

Val-André Mutran disse...

E é exatamente este o descaminho do que poderia ser a última homenagem aos dois escritores, por si só, patrimÇonio cultural brasileiro.
Há peças com alto valor comercial como obras de pintores de renome internanacional no acêrvo.
Realmente uma pena Itajaí.

Val-André Mutran disse...

Rz não vejo ligação nenhuma com a iniciativa da fundação por você citada com o miolo da questão em tela.
Obrigado por sua participação.