terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Mosqueiro e lembranças

Neste fim-de-semana em Moscow, num golpe do mais absoluto acaso, tive a supresa de conhecer pessoalmente "RZ". Uma antiga, embora infrequente, comentarista deste blog. Vinha acompanhada de "S", um velho amigo dos tempos do NPI/UFPa.
RZ, a quem equivocadamente tratava como homem, é na verdade uma alegre mulher. E ela, ao ver o fotopost que fiz logo abaixo, encaminhou ao blog um belo comentário que trazemos para a ribalta. Algo que definitivamente tem a ver com a magia daquele lugar, enterrado para sempre em minha memória. A ela e a "S", meus agradecimentos pelo insight perfeito.

Temos tentado, eu e S., reavivar o que suas fotos sugerem. Parece que temos andado pelos mesmos desvãos. Tudo tem estado tão belo e tão bom nessa ilha de lembranças! E aí, foi quase inevitável chegar a esse belo poema de René Char.
Abs, Rz

L'ordre légitime est quelquefois inhumain

Ceux qui partagent leurs souvenirs,
La solitude les reprend, aussitôt fait silence.
L´herbe qui les frôle éclôt de leur fidélité.

Que disais-tu? Tu me parlais d'un amour si lointain
Qu'il rejoignait ton enfance.
Tant de stratagèmes s'emploient dans la mémoire!

René Char, Les Loyaux Adversaires.

Achei essa tradução, com a qual implico um pouco, mas vamos lá:

Aqueles que partilham lembranças
Regressam à solidão, mal o silêncio se instala.
A erva que os toca desponta da sua fidelidade.
Que dizias tu? Falavas-me de um amor tão longínquo
Que remontava à tua infância.
Tantos estratagemas a memória tece!


René Char, Leais Adversários.

http://nocturnocomgatos.weblog.com.pt/arquivo/cat_dialogos.html
(novembro 29, 2007)

3 comentários:

Rz disse...

Obrigada pela gentileza de postar o comentário. É bom dividir os mesmos sentimentos pela nossa ilha de lembranças!
E, putz, você não é o único que se confunde com esse Rz! Mas é tão curto que não tenho vontade nenhuma de mudar.
Quanto a minha infrequência, um dos motivos é esse aqui:
http://www.navegatube.pa.gov.br/videos/290/caminhos-da-cultura-no-tenon%C3%A9
(Primeiro lugar no Concurso Navegatube. Além dos reais do prêmio (que vão para escola e para Dona Joana), a escola ganhou uma mini-ilha de edição para motivar novas desculpas para a infrequência...)

Carlos Barretto disse...

Que legal, RZ.
Mas fale-nos um pouco mais sobre o NavegaTube. Quem o produz, qual a proposta e qual exatamente a sua participação no projeto? Gostaria de dedicar um post específico a esta atividade.
Aguardo sua resposta.

Rz disse...

Oba, é pra já!
O NavegaTube faz parte do NavegaPará (maldosamente (kakakaka!) apelidado de "Navegaparado". Mas é sabido do nosso bom humor...).
À semelhança do "YouTube", ele agrega vídeos e aúdios (originais e nem tanto assim) de curto formato para divulgação na Internet. O foco é na produção local.
Não faço parte das equipes nem do NavegaPará nem do NavegaTube. Trabalho com apropriação tecnológica na SEDUC (bom, detesto esse palavreado de "inclusão"). Com as mais recentes mudanças nessa secretaria, fui premiada com um chefe dinâmico e que tem me possibilitado trabalhar mais em contato com o "chão das escolas", de onde minha participação nesse 1º concurso do NavegaTube. Na verdade, eu só fiz estimular o potencial criativo da comunidade escolar Tenoné. Tentando encontrar soluções para os desafios que enfrenta a escola - o bairro onde ela se situa está se recompondo em meio a conflitos que se assemelham ao que Sigmund Bauman relata sobre o tratamento dado aos imigrantes na Europa -, resolvemos nos inscrever em um projeto nacional patrocinado pela Telefônica. Dentre as tarefas que escolhemos cumprir havia a realização de um vídeo. Três professores da escola escolheram duas turmas da Educação de Jovens e Adultos (EJA) do período noturno (justamente aquelas que mais desafios apresentavam) e juntos começaram a mapear o bairro em suas riquezas culturais. O vídeo sobre o "Pássaro Arara" da Dona Joana foi o primeiro de uma série que esperamos continuar a realizar, já que a escola ganhou uma mini-ilha de edição de vídeos. Tudo foi feito de maneira artesanal, mas com uma seriedade ímpar! Você precisava ver como a frequência, o empenho, o prazer dos professores e dos alunos foi patente e o material produzido (que também inclue um jornal artesanal) tem revelado talentos até então escondidos! É claro, que as coisas não são só assim "banana com mel". Três dias após o anúncio do prêmio, ladrões encapuzados invadiram a escola e mandaram ver! Só que o prêmio ainda não tinha chegado na escola... Material para mais uma produção, assim que a poeira baixar e que as autoridades tanto policiais como as da SEDUC atenderem às reivindicações da Comunidade escolar Tenoné.
Bom, se você quiser algo mais completo, podemos conversar. Há algumas postagens atrás eu escrevi algo relatando como esse movimento de apropriação tecnológica levado adiante pelo sistema escolar merece ser mais divulgado, até porque tem gerado bons frutos, muito além do que a imprensa se limita a divulgar.
Abraço cordial, Rz