domingo, 27 de dezembro de 2009

Uma carta estarrecedora


A carta publicada hoje no jornal Diário do Pará, escrita pelo delegado de Polícia Civil do Pará, Wilson Ronaldo Monteiro, é aterradora.

Vocês imaginam alguém, exercendo sua profissão, fazê-la com raiva, a partir de uma inusitada situação?

Fosse eu a autoridade hierárquica acima desse policial. Abriria imediatamente um inquérito administrativo, com vistas a sua demissão a bem do serviço público.

Fique esperto Monteiro. Se no Pará há terra de direitos. Tú dançastes.

11 comentários:

Lafayette disse...

Amigo Val, enquanto esperava "um furo no blogspot" para poder comentar, fiz uma postagem no meu, com linkagens aos artigos já escritos (os que encontrei na web) do Delegado Wilson.

Linkei este post, claro. Veja lá.

O Delegado Wilson está, no mínimo, maximamente equivocado! ;-)

Forte abraço a todos.

Ps.: Se vocês ainda não leram, não percam o novo capítulo do livro do papai, chamado DOCE PUTA. Está lá no Tipo assim... folhetim. Muito bom, mesmo!

Ps. do Ps.: Os Confederados santarenos vão gostar! réréréré

Val-André Mutran disse...

Ora vejam só. O tal é useiro e vezeiro nas missivas beligerantes então.
O meu xará é uma figura impar.
Quase me acabo de rir do Doce Puta.
Os gringos devem ter ficados grilados com a revelação, heim Lafa?
Entregue um abraço ao André, subscrito pela Lúcia viu?

Lafayette disse...

Val, não te esqueces que é um 'roman à clef'... pura poesia. rsrsrsrs

Anônimo disse...

Prezado Val,
Gostaria imensamente agradecer ao Sr. Delegado pela missiva. Se a justiça dos homens é tardia, vamos acelerar a divina. Bandido bom é bandido MORTO. E que morram o mais cedo possivel, assim evita-se que cometam outros crimes.

Alan Wantuir disse...

Caro amigo não entendi o porque de sua indignação? O que o Delegado descreveu é pura realidade. Se aquela mulher fosse um parente nosso, talvez a reação fosse outra. Que pena que a nossa sociedade vai lembrar sempre dos erros da Polícia, os acertos serão eternamente esquecidos!!!!

Val-André Mutran disse...

Alan Wantuir e anônimo das 10:55.
Eu não quero viver num país onde um cidadão – seja quem for – não mereça o direito de ser jugado pelas instâncias corretas e não por uma avaliação pessoal no calor dos acontecimentos.
Não sou daqueles que fazem a crítica por atacado e o julgamento no varejo.

Kleber disse...

Morte a todos os bandidos e a alguns politicos! Essa é a verdadeira opção para acabar com a maior parte da violência e da corrupção. Mais educação e saúde, pois assim formariamos uma sociedade mais consciente e saudável.

Anônimo disse...

Mais estarrecedor que a carta do delegado, que sem o mínimo pudor expõe sua sanha assassina, sua incapacidade de ser cidadão e principalmente sua impossibilidade mental de ser agente de segurança pago por nós, é o número de comentários insanos feitos por pessoas que justamente são os maiores incentivadores da bandidagem. Só digo a eles: se bandido bom é bandido morto, suicidem-se!

Carlos Barretto disse...

"Kleber"
Com todo o respeito.
Sua fórmula é de um simplismo estarrecedor. Deus o salve de algum autonomeado justiceiro que faça mal juízo de seu comportamento.

Abs

karolzinha_ratis12 disse...

Concordo com e delegado Wilson só quem não foi assaltado, defende bandido.É isso ai sim. Bandi do bom é bandido morto.

Val-André Mutran disse...

Não há possibilidade de concordar por você como já está explicado acima Karolzinha.
A questão não é o bandido, mas, a forma como um servidor quer tratar a questão, atropelando o Estado Democrático de Direito.
Não posso concordar com isso.