sábado, 29 de janeiro de 2011

Tragédia em Belém - Desaba prédio de 32 andares

Imagem de antes e depois do desabamento.
O prédio Real Class de cerca de 32 andares desabou hoje em Belém. No momento as informações ainda são muito desencontradas e os bombeiros trabalham sob a chuva na tentativa de resgatar supostas vítimas. O edifício estava em fase de acabamento, era localizado em região valorizada da cidade e seus apartamentos eram vendidos por cerca de meio milhão de reais.


Um vídeo, supostamente de um cinegrafista amador, foi divulgado pela TV RBA e você pode ver acima.
Abaixo, a propaganda oficial do prédio que deveria ser entregue aos proprietários no final deste ano.


É o segundo desabamento de grandes proporções ocorrido na cidade. Em 1987, o edifício Raimundo Farias desabava no bairro do Umarizal, deixando dezenas de operários soterrados. A tragédia ficou impune.
Belém, antes uma cidade arejada e aberta aos ventos da Baía de Guajará, onde está localizada, vem sendo atingida pelo boom imobiliário que atribui a apartamentos de meros 90 metros quadrados valores que podem chegar a 400 mil reais, dependendo da localização. Sua população, assiste impotente o surgimento de prédios cada vez mais altos, que ocupam todos os espaços urbanos, aumentando o calor que já é bastante incômodo, dependendo da estação do ano.
Por enquanto, ainda não há informações consistentes sobre o número exato de vítimas.
A construtora responsável pelo empreendimento, divulgou nota oficial via Twitter, que reproduzimos abaixo.

“A Real Class Construção e Incorporação SPE Ltda vem a público lamentar profundamente o infortúnio ocorrido com a sua obra, ao mesmo tempo que afirma que não invidará esforços para investigar as causas do ocorrido, que se mantém acompanhando o caso, aguardando os laudos periciais e solidária aos possíveis prejudicados."


Para mais informações sugerimos os seguintes blogs:

4 comentários:

Homem do Norte disse...

É o "inferno de Dante", com suas páginas abertas, tremulando ao sabor dos alisios misteriosos.

Paulo Santos  disse...

Carlinhos, vou postar a cobertura que mandei para Reuters mais cedo, não tão ágil como a tua. Abs.

Val-André Mutran  disse...

Cursei um ano de engenharia civil e abandonei o curso, pois não tinha talento para a coisa.
Há de se cobrar, com contundência a qualidade do ensino de cálculo estrutural nas instituições de ensino superior de Belém.
Há de cobrar, com o rigor necessário, a qualidade do ensino do laboratório de materiais do referido curso.
Há de se ter igualmente, pulso para a liberação desse tipo de construção em Belém, uma vez que seu solo é extremamento problemático.
Lamento, profundamente pela família das vítimas, se houverem. Rezo para que não haja.
Eu e minha esposa criticamos a altura desses edifícios em construção, principalmente na Doca de Souza Franco e arredores.
Não tem dinheiro no mundo que me faria morar num arranha céu desses.
Fui criado em Belém e sei como era o terreno da Doca há anos atrás.
É um perigo tremendo.

Val-André Mutran  disse...

A imagem do vídeo captada por um amador, enseja, claramente, uma inclinação fatal para a direita.