segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Mas afinal, o que é o "Xoom"?

Por alguma razão, o SuperBowl é o evento esportivo máximo dos EUA. Mesmo com aquele "futebol que se joga com as mãos", como ouvi ontem no Twitter, trata-se de um evento que tem magnitude análoga ao nosso futebol que se joga (na maioria das vezes) com os pés. E a indústria de tecnologia, aproveita a enorme concentração de interesses da chamada "opinião pública" para fazer seus lançamentos e desancar a concorrência.
E foi neste caldeirão fervente que a Motorola divulgou seu mais novo lançamento. Trata-se de um tablet baseado na plataforma Android 3.0, com nome de gosto especialmente duvidoso: Xoom. É isso aí! Aportuguesando chamaríamos de "xuum".  Não satisfeita, resolveu lançá-lo no estádio superlotado com um vídeo publicitário flagrantemente provocativo. Vamos a ele.


Viram. Perceberam? Sacaram? Ainda não? Pois vejam este outro vídeo feito para a promoção de outra plataforma bem conhecida de nossos leitores. Feita e apresentada também no Superbowl. Há cerca de cerca de 27 anos.


Sacaram agora? Pois é. A pretensão é gigante. Quem sabe grande demais para o momento errado, e talvez com o alguns probleminhas bastante críticos. Mas afinal o que é o Xoom?
Como eu disse, trata-se de um tablet baseado no Android 3.0. Tudo bem. Maravilha. O Android 3.0 é de fato a mais nova versão de software para dispositivos móveis, desenvolvida com recursos admiráveis pelo Google. Admirável mesmo. Muito embora o Android Market, equivalente a iTunes App Store, ainda não tenha atingido a enorme quantidade e variedade de aplicativos presentes na loja eletrônica da Apple. Coisa de quem saiu na frente? Sim. Com toda certeza. Não só saiu na frente mas também possui uma vasta e poderosa envergadura no desenvolvimento e fabricação de produtos de qualidade. Ou alguém aí se lembra de algum computador ou software produzido pela Motorola? Ou alguém aí tem boas lembranças de telefones móveis construídos pela Motorola. Tem mesmo? Qual? O Star Tac? O Flip? O Razor?
De fato já vai longe a época em que celular era sinônimo de Motorola. Sabem por quê? Porque Nokia, Sony Ericcson, LG, Samsung, HTC entre outros, conseguem bater de braçada há muitos anos qualquer aparelho produzido pela Motorola. De braçada!
Bem. Mas voltemos então ao Xoom.
Um tablet de 10 polegadas, com câmera, 32 gbytes de capacidade, processador dual core de 1 Ghz. Sim. Ele tem câmera! Clap, clap, clap! Mas sabem por quanto vai ser vendido nesta configuração? 800 dólares! É isso aí! 800 contos, que vem a ser cerca de 100 contos mais caro que o modelo mais poderoso do agora quase obsoleto iPad de 64 gbytes. Entenderam?
E o momento? Bem. Dá até pena de mencionar. Mas todos que acompanham esse blog, já sabem que vem aí, a qualquer momento, a qualquer instante, a segunda versão do iPad. Tipo "morte súbita" mesmo. Até o que se sabe, desta vez vem com câmera também. Esqueceram a câmera na primeira versão. Uma falha. Um pequeno esquecimento. Um tropeço, de quem inventou tudo e abriu o caminho para os outros copiarem.
É isso aí. Minha opinião.
Mas quem sabe você encontre uma vantagem. Quem sabe. Eu não encontrei.

Leia mais em:

11 comentários:

Francisco Rocha Junior disse...

O "agora quase obsoleto" iPad de 64 Gb 3G é a medida da loucura desse mercado. Aonde isso vai parar? Na falência dos consumidores.
Esse mercado da informática é por demais surreal. Um caso de estudo - de psicologia ou psiquiatria, ainda não sei.

Silvina disse...

O Xoom, como bem traduziu FRJ: xuum... Mais me parece uma onomatopéia. Bem daquelas em que a gente franze os lábios e torce o nariz, tentando expulsar o que se lhe invadiu, ato e som simultâneos, quando um descabido flato se escapole e que nem mesmo seu autor o aguenta. Mas, para não se dar por derrubado, solta um rápido e inconformado 'xuum', e dá-lhe de ombros.
Seria um sinônimo do não menos paraense 'verbo' ÉGUA, assim expresso: 'Égua-te', ao que também, por vezes, dá-se com os ombros sempre acompanhado de arregalados olhos! É isso.

Carlos Barretto  disse...

Num te falei?
É isso mesmo! Mas em meio a este cataclisma de produtos que surgem e vaporizam, ainda vejo certos investimentos como sólidos. Nem vou dizer quais pra não ser zoado.

Carlos Barretto  disse...

Kkkkkkkk.
Silvina. Seu texto foi uma delícia.
Abs

Francisco Rocha Junior disse...

Sólidos? Se tu mesmo chamas os super-mega-ultra-blaster-incríveis produtos da Apple com um mero ano de uso de obsoletos, eu não posso ver isso como um "investimento". No máximo como uma perversão consumista.

Carlos Barretto  disse...

Não entendeste.
Em primeiro lugar, não acredito que tenhamos que acompanhar o ritmo das inovações tecnológicas. Nem no mundo Windows e nem no mundo Apple. Acompanha quem pode. Quem não pode, absorve o que precisa, na hora que achar conveniente e ponto.
Mas em relação a concorrência, os produtos da Apple são mais robustos e menos vulneráveis. E valem mais, exatamente por isso.
Ponto final!
Esta é minha opinião como usuário há mais de 4 anos destes produtos.

Francisco Rocha Junior disse...

Meu querido doutor, eu entendi. Mas quando chamaste no post o iPad de 64Gb de "um produto quase obsoleto", somente porque uma nova versão do iPad está para sair, deste a medida de como se comporta o mercado consumidor de produtos de informática - incentivado, é claro, pela massiva propaganda da indústria, que se utiliza com eficiência poucas vezes igualada do método de transformar meros desejos em necessidades.
Pode ser um ato falho, mas é exatamente assim que nós, consumidores de tecnologia, nos portamos. Meu clamor é por um mercado consciente - e eu nem sou, obviamente, o primeiro que clama.
Abs.

Carlos Barretto  disse...

É apenas a sua leitura.
O iPad de 64, é ótimo. Mas amanhã, poderá já ser mesmo outro produto.
Fato!

ASF disse...

Meninos calma, o ritmo é apenas outro, simples assim. Na época de nossos avós eles compravam um rádio e passavam a vida toda usando o mesmo aparelho.

Hoje trocamos de celular a cada 12 meses. Amanhã ninguém, sabe como será.

A sociedade e dinâmica. No mundo da tecnologia e da ciência o progresso é e deve ser frenético. Simples assim.

Como isso vai impactar nossas vidas? Ninguém sabe.

Eu sou otimista nesse sentido. É indiscutível que nunca se viveu tanto e tão bem.

ASF disse...

Sobre o tão aguardado anúncio comercial da Motorola para o Xoom no intervalo do Super Bowl: achei assim, assim.

Muita pretensão e pouca realização.

Prof. Alan disse...

ASF, nós trocamos de celular a cada 12 meses, porque no Japão a vida "útil" de um modelo é 4 meses, e nos EUA é de 5 a 6...

É isso mesmo, o consumidor japonês consome uns 3 celulares (top de linha) por ano!