segunda-feira, 30 de julho de 2007

Circuito Mineiro - São João Del Rei


São João Del Rei (MG) - Estação da "Maria Fumaça".

Após enfrentarmos cerca de 2 h e meia pela perigosa BR 040 (RJ - BH) vindos de Petrópolis, chegamos à noite a São João Del Rei, terra de Tancredo Neves. À noite, a mágica dos lampiões estilizados em becos e ruas sem postes ou fiação elétrica aparente, transformam esta bela cidade mineira em um espetáculo de imagens que fazem a alegria de fotógrafos, cinegrafistas e turistas, aos montes nesta época.


São João Del Rei (MG) - Típico casario...

... e becos iluminados por lampiões.

São João Del Rei (MG) - Igreja de São Francisco de Assis (1774).

Erigida em 1774, a
igreja de São Francisco de Assis é de projeto original de Aleijadinho.
Nos fundos está o pequeno e privilegiado cemitério onde estão os restos mortais de Risoleta e Tancredo Neves.


São João Del Rei (MG). O espetáculo da "Maria Fumaça".

Aqui um passeio que nenhum turista deve dispensar. Nem que para isso, faça como fizemos. Dê seu carro para alguém dirigir (que será sacrificado) e vá de "Maria Fumaça" até a cidade de Tiradentes. É uma das únicas ainda em funcionamento no Brasil e favorece um programa eminentemente turístico, tendo em vista que ela funciona quase que somente para isso. Maquinista vestido de forma elegante, vai conduzindo a composição por ruelas e paisagens tipicamente rurais mineiras. O ruído da locomotiva é característico: Tcho-co-tcho-co-tcho-co-tcho...
No caminho, as pessoas com aquele riso gostoso, meio de alegria, meio de constrangimento, vão acenando em resposta aos apitos do maquinista. Os apitos, aliás, mereceriam um capítulo à parte. O maquinista o aciona com frequencia durante toda a viagem. E como um músico, imprime uma certa personalidade na forma como o faz. "Tuiúúúúúúúúúú'. Tutch, Tutch. Tuiúúúúúúúú. Tchú".
A máquina vai seguindo o pequeno percurso até Tiradentes (cerca de 20 maravilhosos minutos), deixando para trás alguma fuligem e vapor que adentra alguns vagões, para diversão "da platéia" (os passageiros, agora assim designados).
Meu sogro, ao saber deste detalhe, lembrou-me da antiga Estrada de Ferro de Bragança. Afirmou-me que pedaços de lenha ardente por vezes soltavam-se e acabavam por incendiar parcialmente as fatiotas de alguns passageiros. Logo surgia alguém para apagar o pequeno incidente. (cômico, não?)


Tiradentes (MG). Chegada da "Maria Fumaça" a estação. Aplausos!

Na chegada, após ser desatrelada dos vagões, a locomotiva é conduzida a uma plataforma rotatória, manualmente girada para inverter a direção e novamente atracada aos vagões e fazer a viagem de volta a São João Del Rei.
Ao final, emocionados com a performance deliberada do maquinista e equipe, a turistada aplaude calorosamente, que respondem com acenos em seus trajes bem cortados. E lá vem novamente aquele sentimento de alegria misturado com emoção.
Inesquecível!
Leia mais sobre São João Del Rei clicando aqui.

14 comentários:

crisblog disse...

Caramba...que fotos !

Beijos.

crisblog disse...

Caramba, de novo !

Flanar...você é o máximo !

Beijos.

francisco rocha junior disse...

Barretto, que bacana que percorreste o Caminho Real. Tenho vontade de fazer o mesmo roteiro. Alugaste carro? Posta umas dicas aqui!
Abraços.

crisblog disse...

Como será que foi Cuba?

rsrsrs

Umas fotos cairiam bem aqui, não é frj ?

Beijos.

Anônimo disse...

Em Tiradentes, região, foi onde pela primeira vez foi visto, pelo europeu, o indio jogando peteca.
Peteca, não é o jogo de bolinhas de gude, mas um tipo de tenis sem raquetes, jogado com as mãos, ou ainda tipo volei, sem bola, mas com um objeto feito de rodelas de câmara de pneus, espetadas por penas de pato.
Os Mineiros praticam largamente esse esporte, que infelizmente não se propagou pelo Brasil, pois é invenção da terra e muito boa!

Flanar disse...

Obrigado, cris. Estão todas tão normais...

Flanar disse...

Francisco
Aluguei o carro sim.
No Rio. E de lá parti em direção a SJDR. Voltando a partir de Ouro Preto , ponto final de nosso planejamento.
Neste percurso, pegamos apenas um pequeno trecho da Estrada Real ainda virgem e sem asfalto. Terra amarela mesmo. O resto, foram vias bem asfaltadas. Mas os marcos estão lá, para quem quiser ver.
O post da Estrada Real está à caminho, junto com algumas fotos.
Um passeio bom e barato.
Abs

francisco rocha junior disse...

Valeu pelas dicas, Barretto, continuo acompanhando-as. Vou me programar para realizar o caminho, talvez no segundo semestre. Quanto tempo levaste?
Cris, realmente umas fotos de Cuba seriam ótimas. Só que eu não tenho blog...

crisblog disse...

Mas eu tenho...rsrsrs

O Flanar....

Isso não é desculpa...

Vamos lá, deixe de ser egoísta.

rsrsr

Estava com saudades!

Beijos.

Flanar disse...

Olá Francisco.
Sugiro para seu planejamento a visita obrigatória ao website oficial da Estrada Real. Sim. Existe um website oficial e fica em
http://www.estradareal.org.br/
Fizemos na verdade apenas um trecho da estrada que originalmente, ligava Parati(RJ) a Diamantina(MG).
O trecho de Ouro Preto até Ouro Branco está completamente asfaltado mas os marcos com barreiras de contenção de encostas originais estão lá.
Já o trecho que liga Tiradentes (pa ssando por Bichinho) até Prado, é inteiramente virgem em estrada de terra amarela, que levanta muita poeira.
O tempo de percurso vai depender de quais trechos vc pretende fazer, quanto tempo pretende ficar em cada parada (em Ouro Preto, por exemplo, obrigatório ficar no mínimo 2 noites, em Tiradentes, 1 dia inteiro). Acredito que seja perfeitamente possível cumprir o percurso inteiro - sem paradas - em menos de 24 h. Mas vc não vai querer fazer isso, vai?
Se desejar sugestões de pousadas de bom preço em Tiradentes e Ouro Preto, por favor, encaminhe mensagem para meu e-mail pessoal, clicando no blog, para que encaminhe as sugestões diretamente a vc.
Abs

Flanar disse...

Acabei esquecendo de responder o principal de sua pergunta.
Fizemos o trecho que vai de Petrópolis até Ouro Preto (desviando um pouco para Congonhas do Campo, no caminho de Belo Horizonte, para visitar os profetas do Aleijadinho) em 6 dias, e 5 noites.
Resumindo o trajeto completo:
1o. dia - Rio-Petrópolis, Petrópolis-SJDR. (1a. Noite)
2o. dia - SJDR - Tiradentes (2a noite)
3o. dia - Tiradentes - Bichinho, Bichinho - BR 040 - Congonhas do Campo, Congonhas do Campo - BR 040 - Belo Horizonte (3a. noite)
4o. Dia - BH - Ouro Preto (4a. noite)
5o. Dia - Ouro Preto (5a. Noite)
6o. dia - Ouro Preto - Ouro Branco, Ouro Branco - BR040 - Rio do Janeiro.

PS: A parada em Bichinho é estratégica mas não obrigatória. É que lá, fica a destilaria de uma das melhores cachaças do Brasil e do mundo: a Tabaroa (trouxe 1 garrafa de 30 reais!!!) .

PS 2: a BR 040 é a espinha dorsal do trajeto e é bastante perigosa pelas serras, pelas curvas acentuadas em aclive e declive, pelo grande movimento de caminhões, por alguns trechos ainda não duplicados (ainda em MG) e às vezes, pelo nevoeiro. No trecho do RJ está inteiramente duplicado e é segura. Mas exige equilíbrio e atenção com os imprudentes e/ou acostumados a curvas em alta velocidade. O que definitivamente não era meu caso. Dirigia sempre que possível pela faixa lenta, deixando os apressados passarem pela esquerda.

Flanar disse...

Cris.
Eu não fui a Cuba...
Ainda estou planejando a ida.
Mas antes disto, tem o planejamento de Machu Pichu, lembra? Que ainda nem começou. Falta o "din,din".
Bjs

crisblog disse...

Mas o frj foi...peguei você !

Beijos.

Vamos brigar por essas fotos?

francisco rocha junior disse...

Barretto, excelentes as dicas. Vou traçar um roteiro com a ajuda delas e assim que possível vou colocá-lo em prática. Obrigado pela generosidade quanto aos hotéis. Vou querer as indicações, sim; você pode mandá-las para o meu e-mail? O endereço é franciscorocha@veloxmail.com.br.

Cris, obrigado pela gentileza. Vou selecionar umas fotos bem bacanas de Cuba e vou mandar para você, para publicação, ok? Bjos.