segunda-feira, 14 de abril de 2008

Com a roupa do corpo


Genebra: A grande fonte em manhã que negou-lhe juz à beleza.
12.04 - 23: 30 hrs. Enquanto a Air France, para escapar do overbooking, chamava seis brazucas a venderem seus assentos no vôo para Pindorama por 150 euros, decidi ir a virtualidade para espantar os três dias de chuva e frio de 3 graus que me acompanharam em Genebra. Devo alertar-lhes, porém, que a grande companhia aérea francesa se tornou uma trapalhona digna de nota, especialmente para aqueles que fazem conexão em Paris para seguir a algum outro lugar na Europa.
A semelhança de outros casos, a AF perdeu minha mala na Cidade Luz e, protestando eficiência, após quatro telefonemas meus, afirmou que a devolveria até às sete de noite no Hotel J. J. Rosseau, em Genebra. Mentiu, porque só as devolveu 24 horas depois, obrigando-me involuntariamente a proferir uma conferência internacional na Organização Mundial da Saúde, às 8:30 hrs do dia seguinte, trajando ... jogging, a roupa que escolho para viajar com algum conforto na classe econômica.
Que fazer, se, no intervalo entre 7 da noite e 8 da manhã o comércio suíço literalmente dorme para qualquer cuco ! cuco ! cuco! que teimem em despertá-lo? De qualquer modo, a audiência multinacional parece ter gostado do modelito inusitado, justo elogiado pela casualidade com que ocultava a fúria do portador contra a companhia aérea francesa.
Diplôs à parte, já no Aeroporto Charles De Gaulle, neste sábado, algumas notícias preocuparam-me, elas todas corretamente informadas pelo meu amigo Juvêncio no seu acapetado 5a. Emenda, no Pará, dentre elas, a demissão de Charles Johnson da Casa Civil do Governo do Estado, em clima de superexposição na mídia, e um inusual "elogio" ao combate a dengue em Belém pela Prefeitura.

5 comentários:

Flanar disse...

Pois é. Estamos aqui vendo a cena patética. Seria mesmo interessante que vc comentasse este "elogio" do MS.
Boa viagem!

Juvencio de Arruda disse...

Ave, embaixador Oliver.
Mande uma foto sua com o sobretudo a la Gregory Peck para nos.
Bom retorno.

Yúdice Andrade disse...

Não aproveitaste para esclarecer o motivo do traje? De repente, podias encontrar outros tantos estrangeiros na mesma situação. Quem sabe um protesto coletivo pudesse tornar as coisas mais fáceis.
Ou não, poderia soar coisa de brasileiro...
Enfim, espero que a viagem tenha sido proveitosa, naquilo que realmente conta. Um abraço.

Oliver disse...

(Risos)O sobretudo Gregory Peck está ainda aguardando mais frio, e mais freqüência mais amiúde aos invernos. Mas, dessa vez foi difícil, pois chovia e o guarda-chuva (arma paraense de defesa pessoal) ficou na tal mala esquecida.
Claro que, noblesse obligee, esclareci a situação vexatória, e recebi risos e aplausos que, embora simpáticos, não adiantaram muito para resolver a situação, mas ajustaram a figura do representante brazuca ao contexto.
De todo modo foi proveitosa a participação; registrei a experiência brasileira em pesquisa, desenvolvimento e inovação em saúde e, tão logo pude, voei por além-mar para seguir meu périplo de viajante aprilino.
Abs.

Oliver disse...

Quanto ao tal elogio, não sei exatamente quem o fez, pois, o secretário da área, de Vigilância à Saúde, não esteve em Belém, imobilizado no Rio pelas razões que todos sabemos.