sábado, 10 de dezembro de 2011

Pés riscadinhos e a metáfora da "troca de pele"

Pés riscadinhos da minha pequena cidadã



Esta foto é um bocado simbólica pra mim. Riscar os pés é uma prática relativamente comum entre as crianças pequenas, como rabiscar a parede de casa. Mas ganha dimensão muito particular, creio, para quase todos os pais e mães. Como se fosse original. Ao me dar conta desta dimensão, detenho-me na minha própria experiência de vida, na reedição de práticas e na ousadia de “trocar de pele” como metáfora de um novo momento, íntimo e também coletivo, ao mesmo tempo.


Há algum tempo revejo minha história de forma pacífica. Pelo menos parte dela. Sinto como cada página teve seu tempo e só cabe naquele tempo. Não sinto desejo de trazer para hoje práticas de ontem. Ou de apagar o que passou. Nem sinto desejo de levar pra ontem minha versão atual. Isso me deu mais segurança para aprender um “novo idioma” e, quem sabe, me permitirá editar algumas obras. Mesmo que seja só para mim. Gozo a cada capítulo.


É assim que vejo o crescimento da minha pequena cidadã, Helena, hoje com seus seis bem vividos anos, como gosto de dizer. Cada fase da vida dela é bela. E só serve para aquela ocasião. Nada de saudosismos ou ansiedades.


Mas viver hoje, o tempo de agora é também um treino. Sorrir para o passado e para o futuro é uma experiência recomendável. Dar novos significados a dores e a frustrações, se permitir tatear o que pode ser novo, mesmo que comum para outras pessoas, é uma deliciosa aventura. Mesmo que sair da “zona de conforto” não seja assim tão fácil ou doce assim.


Helena nos mostrou nesta sexta-feira, 09 de dezembro, que tem seu primeiro dente de leite molinho. Que felicidade! Brindei a isto também no último dia da esplendorosa batucada do Bloco da Canalha, no Bar do Parque. No mesmo dia em que também dei um passo importante para concretizar antigo desejo acadêmico-profissional reprimido.


Já estou no clima de 2012! Que ele seja muito bem-vindo a toda gente.

9 comentários:

Marise Rocha Morbach disse...

Quanta sabedoria! Bj.

Scylla Lage Neto disse...

Érika, pura poesia!
Adorei.
abs.

Erika Morhy disse...

Oh, Marise, você acha mesmo? Bom, a mim tem feito bem [rs]
Bjão e obrigada pela leitura generosa.

Erika Morhy disse...

Que bom que gostou, Scylla. Escrevo pra mim, mas para pelo menos alguns gostarem também [rs]. Ainda mais os textos que to escrevendo sem compromisso profissional...
(quando a vaidade leonina mostra suas garras)
Abs

Jones Santos disse...

Quanto orgulho tenho de ti pela coragem de não titubear diante dos passos que se oferecem, sedutores e incertos, à tua frente. E que orgulho tenho de mim mesmo, que me deixei aprender tanto contigo em todos esses anos de convivência.

Yúdice Andrade disse...

Gosto muito de prosa poética. Estava no aguardo dos teus textos. Valeu a espera.

Erika Morhy disse...

Oh, Yudice, que bacana. Adianto que sou absolutamente "nova no pedaço". Obrigada pelo estímulo!

Erika Morhy disse...

Vixe, agora que apareceu pra mim a postagem do Jones! Mas como vi a do Yudice? Será que delirei?
De todo modo, Jocino... já posso chorar com tua "declaração de amor"?

. disse...

Que belo, Érika!
"Me li" um pouco quando falaste em experiências e troca de pele.
Muito bom tudo isso.
Parabéns!