quarta-feira, 14 de março de 2012

Verba Federal


Pietro, neto de Emerson Fittipaldi

Notícia divulgada há 2 dias no Blog do José Cruz vem sacudindo o meio esportivo nacional: Pietro Fittipaldi, 15 anos, neto do ex-piloto Emerson Fittipaldi, nascido e residente nos EUA, recebeu R$ 1.000.000,00 do governo federal brasileiro em 2011 a título de ajuda ao seu programa de formação como piloto na Fórmula Nascar, americana.
Não se discute a legalidade da verba e sim o bom senso na aplicação da mesma (são mais de 10 milhões destinados pelo governo ao automobilismo nacional).
Os problemas de estrutura para a prática esportiva no Brasil são gravíssimos, aliás, tão grandes como os da própria educação: faltam de quadras a políticas públicas, assim como definições de prioridades.
Patrocinar o neto americano de um milionário brasileiro, é no mínimo um deboche oficializado.
E certamente mais uma denúncia segue acelerando rumo à pizzaria.

13 comentários:

ASF disse...

Malditos sejamos todos por nascermos nesse país?

Fez lembra a letra da canção do Ed Mota: "se eu fosse americano minha vida não seria assim".

O Brasil e o brasileiro são verdadeiramente bizarros.

Maick Costa disse...

Como esse país quer ser levado a sério?

Val-André Mutran  disse...

O avô é quem armou tudo.

Scylla Lage Neto disse...

ASF, concordo que bizarro é o termo que mais se aproxima deste país.
Abs.

Scylla Lage Neto disse...

Ele não pode, Maick.
abs.

Scylla Lage Neto disse...

Val, o velho Emmo sempre foi bom em arrumar verbas, não é mesmo?
Até equipe própria de Fórmula 1 ele conseguiu ter.
Abraços.

Prof. Alan disse...

Peraí, o ministério não "deu" 1 milhão pro neto do Fittipaldi, ele autorizou a captação de verbas nesse valor. Essas verbas vêm de renúncia fiscal, contribuintes interessados destinam uma parte do Imposto de Renda para o projeto. As empresa podem doar no máximo 1% do IR, e pessoas físicas 6%.

É o mesmo sistema de custeio da Cultura. E bem parecido com o sistema da SUDAM.

Nem tem garantia de conseguir o 1 milhão, se não achar empresas e pessoas interessadas em destinar verba pro projeto, nada feito.

ASF disse...

Val, eu também quero 1 milhão meu chapa! Será que eu consigo assim de mão beijada?

Prof. Alan, não seja ingênuo, se a coisa chegou ao ponto da chancela oficial é porque a bufunfa só estava esperando mesmo ser justificada. Por favor.

À propósito, me parece que esse é um ardil corriqueiro no dito meio "cultural" brasileiro.

Bizarro!

Scylla Lage Neto disse...

Alan, não foi dito que o dinheiro foi doado pelo governo e sim recebido através do Ministério dos Esportes, independente da forma de captação.
Isso está bem claro também na matéria original do José Cruz.
Fenômeno semelhante aconteceu em setembro último com a escola de pilotos do Galvão Bueno, beneficiada pela mesma lei. Curiosamente quase não foi dito nada sobre o caso, a não ser de forma tímida, na blogosfera.
Eu não acho certo que as empresas envolvidas neste caso recebam benefícios fiscais investindo fora do Brasil, mas o guri tem também passaporte brasileiro, né?!
E um avô influente...
Abs.

Scylla Lage Neto disse...

ASF, se sobrar um milhãozinho pro Flanar, tamos nessa!
Abraços!

Prof. Alan disse...

Scylla, o José Cruz não menciona a forma de captação dos recursos (renúncia fiscal) e nem esclarece que o dinheiro não vai sair do ministério: o ministério autorizou o Fittipaldi a garimpar essa quantia, através de renúncia fiscal, junto a empresários e pessoas físicas.

Leia essa matéria aqui (http://bit.ly/wq8ECx) da Folha, que mostra que, do milhão autorizado, Fittipaldi só havia captado 50 mil.

O que se tem aí é mais uma mistificação da imprensa, ao dizer que que "verba pública" foi liberada - aí todo mundo acredita que saiu um milhão a jato do orçamento público para a conta do Fittipaldi...

Esse mecanismo da renúncia fiscal é um dos mais inteligentes que há: não onera o orçamento dos órgãos públicos, permite a quem quiser colaborar e limita a perda de receita (é limitado a 1% do IRPJ e 6% do IRPF). Uma forma do governo estimular e possibilitar o investimento no esporte e na cultura.

Aliás, quando o governo não dá dinheiro pro esporte e pra cultura, ele é espinafrado. Quando usa uma saída que não o sangra, é espinafrado. Quando dá dinheiro do orçamento direto, é espinafrado do mesmo jeito. Não sei o que querem vocês, afinal...

Scylla Lage Neto disse...

Alan, a base da crítica reside no fato de que o piloto adolescente é nascido e criado nos EUA, jamais tendo morado ou competido no Brasil.
Quem sangra ou deixa de sangrar, me parece irrelevante num país que sofre de sério e disseminado distúrbio de coagulação.

ASF disse...

"Não sei o que querem vocês, afinal..."

Probidade, coerência e prioridades. Um pouco de inteligência nas decisões também seria muito bem vindo.