quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Perguntar não ofende! Será?

--------------------------

Vejamos se não: O senador Jader Fontenelle Barbalho saiu das eleições de 2010 com nada mais nada menos do que 1.776.848 votos. Presume-se que os eleitores que  votaram em Jader Barbalho  não estavam sob o efeito de drogas ilícitas; e nem desconheciam os problemas do senador com a justiça. Pois bem! Se, de fato, os eleitores se dirigiram às urnas por livre e espontânea vontade - e votaram em Jader Barbalho por um ato de escolha - devemos perguntar ao jornal O Liberal: Quais são as impressões de O Liberal sobre o Eleitor paraense?  Diante do quadro eleitoral municipal, no qual o candidato do PMDB, José Priante, está na dianteira em relação ao candidato do PSDB, Zenaldo Coutinho, a pergunta assume contornos mais dramáticos. Histórico aliado do PSDB nas eleições para o governo do Pará, durante os 12 anos de hegemonia do PSDB, o jornal parece ter esquecido da matéria de capa com a qual estampou a última rodada das pesquisas do Ibope para o  governo,  no segundo turno de 2006. Nela, Almir Gabriel aparecia nadando - literalmente - na frente de Ana Júlia Carepa, em uma das mais acintosas tentativas de influenciar a decisão dos eleitores no apagar das luzes de um processo eleitoral que levaria o PT ao governo. Tá passando da hora de nos perguntarmos sobre o eleitor paraense e sobre as suas decisões de voto. E, aproveitando a pergunta, ampliarmos o escopo da nossa indagação sobre qual é  a influência dos dois maiores jornais do Pará sobre a decisão do Voto. Não falo em formação da opinião pública no longo prazo, onde, aliás, reside todo o perigo. Falo especificamente no contexto eleitoral: nas eleições propriamente ditas. Será que os 1.776.848 votos destinados ao então candidato Jader Barbalho são frutos da cadeia de rádios e jornais de seus aliados, disseminados pelo estado do Pará? Será que o sistema de comunicação do grupo de Jader Barbalho explica o contexto eleitoral de 2010? Será que o jornal O Liberal acredita que está prestando algum serviço relevante aos leitores de jornais impressos, em Belém, ao manter o nível do debate político nos moldes de  Magalhães Barata e da merda jogada sobre a cabeça de seus opositores?  Na capa do  jornal O Liberal, no domingo passado, logo abaixo da manchete que anunciava a segunda rodada das pesquisas de intenção de voto para a prefeitura de Belém, estava  Domingos Juvenil  - em  uma excelente ilustração de J. Bosco - com o título: Tribunal  comprova roubalheira na AL. A manchete do jornal O Liberal do Domingo, dia 2 de setembro, era a seguinte: Sai a segunda rodada do Ibope.
Prá quem não sabe,  Domingos Juvenil é candidato a  prefeito de Altamira. Se é candidato a prefeito é porque teve sua candidatura definida em convenção partidária e deferida pelo TRE. Pois bem!
Na semana anterior, o jornal O Liberal estampa o resultado de uma pesquisa encomendada ao Vox Populi na qual Zenaldo Coutinho havia alavancado as intenções de voto a seu favor, inclusive ultrapassando o candidato do PMDB, Priante. Na TV Liberal quem decide sobre veiculação de pesquisa eleitoral é a Rede Globo, da qual a TV Liberal é uma das afiliadas. Lá é o Ibope quem presta serviços de pesquisa eleitoral. No  jornal O Liberal, seus diretores tem autonomia para contratar pesquisas de outros institutos que não o Ibope. Qual é o grande serviço "ético" que o jornal O Liberal está prestando aos seus leitores? Será que o jornal O Liberal conhece os leitores que tem? Será que o jornal O Liberal pode falar alguma coisa sobre o perfil do eleitorado paraense para além de suas desavenças com o Senador Jader Barbalho? Será?

-----------------------------------------------------------------------

3 comentários:

Erika Morhy disse...

"Isto ... é ... uma ... vergonha!" Tenho lá minhas precauções a Boris Casoy, mas a frase celebremente entonada por ele cabe bem ao contexto. Ademas, devo dizer que não sabia que Juvenil era candidato. E me passou, assim, como que de passagem, quantos ilustríssimos não adotam como estratégia a candidatura para obter privilégios que os "meros mortais" não obteriam fora de um cargo público? Ai, ai, ai

Marise Rocha Morbach disse...

Ai,ai,ai: mesmo!

Rachel Wright disse...

O José Priante já fez muito por nós belenenses! Pra quem ainda não conhece o trabalho dele, ele foi relator do orçamento da união e conseguiu verbas pra investir em infraestrutura e melhorar as condições de Belém. Por isso eu acho que chegou a vez dele ser prefeito, sei que ele ainda pode fazer muito mais por nós.