sexta-feira, 14 de junho de 2013

A noite do Cachorro-cobra





Rock? Entendo pouco... Quem me ensinou alguma coisa foi esse filho aí, que está na capa do caderno “Por aí”, de “O Diário do Pará”. Para quem se recosta no som da Floresta - de Sebastião Tapajós a Nilson Chaves -, ou vive a caetanear com Chico, Djavan e Gil, divertir-se com o Rock é me tornar plural no mundo música. Não vou conseguir. É muito... O que no máximo consegui foi andar espreitando “U2”, “The Doors”, o folk de Bob Dylan e  “Rolling Stones” (Beatles não vale, é universal) com esse filho roqueiro, agora sou apresentado ao “Venus Mamute”, essa banda de jovens, com o sua primeira turnê (2ª apresentação) em Belém. A turnê não deve passar do bairro de Nazaré, mas se der casa cheia neste sábado (15 de junho/2013, ingressos a 10 reais), eles prometem alçar voo para novos horizontes.  João Pedro, esse da foto que é minha lata, é o vocalista e toca harmônica, mas ainda tem o Fábio, Lucas, Jimi e Victória na bateria (sim, isso mesmo, a baterista é uma baterista). Eles não têm 20 anos e já estão colocando o pé na estrada, ou melhor, na rua - essa que muita gente nessa idade sonha. São bons meninos e gostam de água de mineral. O João faz as letras da banda autoral, o Fábio, Lucas e Jimi ajustam-nas aos acordes. É um pouco mais que uivo, está mais para experimentação.

Acho que vai dar samba, ou melhor, rock, mas por enquanto é uma mistura de cachorro com cobra. Eu sou suspeito pra falar (...ou escrever), até por que sempre dei apoio a esses garotos. Eu e a mãe vamos lá para conferir, depois eu conto o resto.

Local: Casarão Music

Hora: 22 horas;

2 comentários:

WALTER LIMA disse...


Guarde esta foto , preserve estas palavras . Vocês vão rejuvenescer .

Geraldo Roger Normando Jr disse...

Walter,
não foi tão fácil até às 3 horas da madrugada, mas valeu. Rejuvenesceu. Eu queria destacar o baixista Jimi, que entre uma e outra música, baixava no seu baixo um toque de bossa nova. Aí entrava a Vitória na mesma pegada jazzística da Bossa; depois os guitarristas. O solo não durava 30 segundos, mas arrefecia o ambiente do Rock. Foi uma jogada genial enquanto o vocalista, João Pedro, aquecia a voz e se preparava pros solos de harmônica na hora-rock.