terça-feira, 18 de novembro de 2014

Dificil fotografar o silêncio

Difícil fotografar o silêncio.
Entretanto eu tentei. 
Eu conto.
Madrugada, minha aldeia estava morta.
Não se via ou ouvia um barulho, ninguém passava entre as casas.
Eu estava saindo de uma festa.
Eram quase quatro da manhã.
Ia o silêncio pela rua carregando um bêbado.
Preparei minha máquina.
O silêncio era um carregador?
Estava carregando o bêbado.
Fotografei esse carregador.
Tive outras visões naquela madrugada.

Preparei minha máquina de novo.

Tinha um perfume de jasmim no beiral do sobrado.
Fotografei o perfume. 
Vi uma lesma pregada na existência mais do que na pedra.
Fotografei a existência dela.
Vi ainda um azul-perdão no olho de um mendigo.
 Fotografei o perdão.
Olhei uma paisagem velha a desabar sobre uma casa. 
Fotografei o sobre.
Foi difícil fotografar o sobre. 
Por fim eu enxerguei a nuvem de calça.
Representou para mim que ela andava na aldeia de braços com Maiakoviski - seu criador.
Fotografei a nuvem de calça e o poeta.
Ninguém outro poeta no mundo faria uma roupa mais justa para cobrir sua noiva.
A foto saiu legal.

Manoel de Barros

Um comentário:

Pedro Vallinoto Neto disse...

Um dos poemas mais lindos que tive o prazer de ler; e silenciar, no mais sublime que esta fotografia possa exprimir - basta silenciar... Pois só se entenderá o poeta... No mais ensurdecedor e profundo silêncio.
Ave Manoel de Barros
pVn