sexta-feira, 20 de junho de 2008

Mais um na era dos netbooks


HP 2133

Agora é a HP que entra no mercado dos netbooks, que vem a ser a designação para máquinas de pequeno porte, baixo custo e configurações modestíssimas, dedicadas a princípio, ao acesso à internet, muito embora possam servir perfeitamente para edição de textos, planilhas e apresentações.
Levando em conta a profusão de lançamentos neste nicho de mercado, confirma-se então que ele está definitivamente aquecido.
O HP 2133, tem processador Via (com pouca tradição no mercado brasileiro) de baixa potência (que é a tônica entre os netbooks) mas traz um diferencial que deve assustar a concorrência: HDs de 120 a 160 gbytes, até 2 gbytes de RAM, conectividade bluetooth e tela de 8,9 polegadas.
Mas já pesa um pouco mais do que o desejável: 1,3 kg. E custa também bem mais do que o aceitável para uma máquina desta categoria: a partir de 1, 5 mil reais. Custo que pode ser bastante ampliado ao optar-se pela instalação do Windows Vista, o que definitivamente não é uma boa idéia.

Positivo Mobo

É bom lembrar que a montadora brasileira Positivo Informática, já lançou também seu concorrente ao Asus eePc. Trata-se do Mobo, vendido por 999 reais, mas de configuração algo inferior a ele. Processador de 1 ghz, 512 RAM, memória flash de 2 gbytes com Windows XP Home (má idéia, para tão pouco armazenamento), pesando 1,1 kg. Além disso, o eePc já pode ser encontrado pelo mesmo preço em lojas online brasileiras, com frete grátis.
Mas, no sítio do G1 que fornece a notícia, encontramos uma importante pista, que confirma qual o principal consumidor alvo deste mercado emergente de netbooks.

Uma pesquisa encomendada pela Positivo indica que o público alvo do novo produto são as classes A e B, que devem adotá-lo como segundo notebook principalmente por conta da portabilidade. O mesmo estudo aponta que a classe C, foco das iniciativas de inclusão digital, prefere os desktops, para poder compartilhar o computador com a família.

Muito embora eu conheça muita gente da dita classe C que prefere mesmo é um notebook tradicional, pesadão e de péssima configuração, ao invés dos desktops. Mas talvez sejam a excessão.

6 comentários:

Yúdice Andrade disse...

Meu consultor, tenho acompanhado tuas postagens sobre os netbooks. Ontem, vi o lançamento da HP no G1 e ele me chamou a atenção, mormente por causa do HD. Agora tu falas a respeito.
Minha pergunta: entre as recentes opções de netbooks, tu dirias que o HP seria a melhor escolha. Mesmo não sendo o mais barato, ele teria a melhor relação custo-benefício?

Flanar disse...

Pessoalmente, acho que não, Yúdice.
Sabe por quê? Sei que vc é um usuário de Windows. Vc vai querer o bichinho com o Vista. E o Vista, para operar com conforto, além de um bom processador, vai lhe exigir memória RAM. E aí, além de ele ficar muito mais caro, vai também ficar mais lento. Em suma, toda a capacidade de armazenamento (que é boa) e todo o já abaixo do razoável hardware, vai por água abaixo. Vc vai se enervar.
Penso que se é para comprar um bichinho destes, a melhor relação custo x benefício, SEMPRE será com LINUX. Que é gratuito e não onera em nada o custo final do netbook.
E netbooks com Linux, ficam melhores, mais confortáveis e mais rapidinhos, tendo em vista que o código do Linux é melhor escrito, (não carregando drivers desnecessários - como o Windows faz - toda vez que dá o boot) , sendo lendária sua boa adaptação em qualquer máquina.
Eu esperaria os novos modelos de eePc da Asus que já vem com telas de 9 polegadas e a opção de HDs embutidos, se vc fizer questão.
É importante entender bem a função deste produto: portabilidade de baixo preço para quem já tem um bom notebook ou desktop.
Neste sentido, eu pensaria até: para quê comprar um bichinho destes com HD? Se a questão é armazenamento, os HDs portáteis e os pendrives estão aí.
Geralmente, (não vá se assustar) eles são feitos em plástico de última que protegem pouco a máquina e diminuem seu custo. Se vc acrescentar partes móveis (como um HD, por exemplo) vai aumentar a sucetibilidade do conjunto a problemas precoces. Além disto, aumentam seu peso final.
Portanto, eu continuaria optando por modelos com HDs de estado sólido (popularmente conhecidos como memória flash) que a cada dia estão maiores e mais baratos.
Concluindo, melhor aguardar um pouquinho e deixar este novo mercado amadurecer mais.
Vc sabe. Os "early adopters" sofrem.
Abs

Yúdice Andrade disse...

O equipamento não é para mim, Bar, mas para uma pessoa que está sem computador nenhum e precisa de algo barato, mas eficiente. Se for para usar o Linux, ok, nenhum problema.
Diante destas informações e sabendo que se trata de um usuário que só usa o trivial (edição de texto, planilhas, internet), insisto na pergunta: qual seria o melhor custo-benefício?

Flanar disse...

Yúdice

Com toda a clareza do mundo. Não. Este não é o produto certo para quem está sem computador e precisa de uma "coisa" barata para editar textos e planilhas. Este é um produto para quem já tem um outro computador e precisa de um segundo, apenas para garantir mobilidade.
Tão barato quanto, está um desktop com tudo onboard, mas monitor, teclado, mouse, etc.

Não recomendaria de maneira nenhuma este produto para quem não tem computador.

Abs

Ézyo Lamarca disse...

Existes notebooks normais (com HD, DVD-ROM) por cerca de R$ 1.200,00:
http://www.submarino.com.br/software_productdetails.asp?Query=&ProdTypeId=10&CatId=22638&PrevCatId=11124&ProdId=21389003&ST=BL22638&OperId=0&CellType=2
Para a necessidade citada, melhor opção que um netbook.
O único trabalho vai ser instalar o Ubuntu 8.04 nesse modelo. ;)
Abraços.

Flanar disse...

Sem dúvida, Ézyo.
E a sugestão que vc faz é mais adequada ao Yúdice do que o netbook da HP.
Abs