quinta-feira, 2 de junho de 2011

Impertinências em fotografia

Vamos experimentar um pouquinho o olhar dos leitores.
A ideía é a seguinte: em cima de uma imagem original, feita por mim em Havana em 2009, vou fazer duas propostas de intervenção legítimas. Cada qual com seu objetivo e impacto. 
Vejamos então a imagem original.


Agora a primeira intervenção. Apenas um corte, e o uso do filtro "Shadows/Highlights" para clarear os principais atores da imagem original.


E por fim, um mero recurso estético em cima da última intervenção, apenas desaturando-a e transformando-a em P&B.


Qual destas 3 imagens vocês gostariam? Qual seria sua sugestão de corte? O que acham deste tipo de intervenção? 

11 comentários:

Paulo Santos  disse...

O que exatamente queres dizer quando te referes a intervenção legítima???

Carlos Barretto  disse...

Kkkkkkk.
São meus reconhecidos pudores, ainda existentes, em relação a "interferir" na imagem original. Coisa de amador e fã de HCB, que sempre exigiu que não se "reenquadra-se" nenhum de seus negativos em ampliadores.
Enfim. Releva e dá a tua opinião.
Rssss

Kaoro disse...

(Desculpe eventuais erros ortográfico, não escrevo em português regularmente)

Não me sinto em posição de julgar de qualquer forma o uso de intervenções em fotos, mas posso dar minha opinião sobre a aparência de cada uma delas.

Eu pessoalmente acho que o resultado da foto com highlights é artificial demais. As cores, que já são bastante luminosas na imagem de origem, ficaram muito saturadas. Alem do mais, sinto que o corte faz o conjunto perder parte da poesia da primeira foto. Os personagens estão como que esmagados pelas beiras, presos na imagem. Isso, e também perdemos as rochas do canto inferior esquerdo que trazem um certo equilíbrio à composição.

Essa poesia perdida é recuperada com ouso do preto e branco, cujo contraste talvez necessite um leve ajuste (mais forte).

Isso tudo para dizer que de maneiro completamente objectiva eu prefiro - e muito - a foto original!

Carlos Barretto  disse...

Puxa!
Excelente opinião, amigo.
Obrigado!

Scylla Lage Neto disse...

Charlie, eu prefiro a versão P&B. O caráter intimista da foto fica mais evidente, neutralizando a "alegria" das cores fortes.
Aliás, seria uma bela fota para ser trabalhada manualmente, nos velhos tempos da mágica química dos fluidos e dos tempos.
Abs.

Carlos Barretto  disse...

Interessante. Né, Scylla?
Vou dar uma opinião minha agora.
A imagem de número 2, é secundária. Parece tratar-se de um caminho para chegar até a terceira.
Para mim, tanto a primeira quanto a terceira são interessantes. Mas observe.
Uma revista de turismo, por exemplo. Compraria a primeira ou a terceira?
Agora, sendo um pouco pretesioso. Uma publicação de fotografia. Compraria a primeira ou a terceira?
Alguém ficaria com a segunda?

Rssss
Instigante!

Silvina disse...

A Microsoft ficaria com a segunda. Rsrsrs
Eu prefiro a original, neste caso em particular.

Carlos Barretto  disse...

AHAHAHAHAHAHAHAH!
Silvina!
AAHAHAHAHAHAHAH!

Carlos Barretto  disse...

Todos aprendemos. Vejam a intervenção espetacular sugerida pelo nosso parceiro Paulo Santos, no post seguinte.

http://blogflanar.blogspot.com/2011/06/impertinencias-em-fotografia-i.html

Sacaram?

Lafayette Nunes disse...

Eu prefiro entender a imagem como e quando ela foi capturada pela retina do fotógrafo.

Fico com a original. Quero ver o que você viu, Carlos. Até mesmo aquele lixinho ali no canto.

Abraço.

Homem do Norte disse...

O Malecon é um espaço do mundo. Alberga os mais e os menos artistas, mas eu acho que o Fidel não aceitaria a infidelidade dos Microsofts do tio Sam e preferiria o instatâneo. Neste caso eu ficaria com o Fidel.