sábado, 11 de março de 2017

Namoro de portão

Um belo dia saí sem preocupação, 
sozinho, 
com três a quatro peças de roupa 
- não lembro bem. 

Embriagado de liberdade, 
tracei meu rumo, 
com exatidão, 
no indefinido sem olhar pra trás. 
Minha atenção foi sequestrada 
pelos raios de sol 
que pulavam à minha frente feito criança. 
Ali eram seis e o pouco da tarde 
que faltava 
me seduzia e mudava meu rumo; 
parecia querer me namoriscar à beira mar. 

Lentamente me aproximava, 
e comigo, a noite. 
Quanto mais o tempo passava, 
menos olhava o relógio, 
precisava valorizar muito 
aquele “namoro de portão", 
mostrei a ela 
que era peculiar e, 
até hoje, 
ela me mostra suas peculiaridades 
todo dia 
antes de mergulhar 
de volta ao mar.

Danilo Normando

Um comentário:

Erika Morhy disse...

Muito gracioso. Me deu vontade de pisar numa areia branquinha e contemplar.