sábado, 17 de fevereiro de 2007

Tarja Preta

Óbvio que o assassinato brutal do menino carioca provoca-nos indignação e exige uma reflexão sobre a legislação penal que atende aos menores de idade. Entretanto, pelo que se vê, sob a estupidez da REDE GLOBO DE TELEVISÃO e o oportunismo político do Congresso Nacional orquestra-se uma farsa legal para encobrir a nudez da nação.
Chega a dar náuseas ver e ouvir os micos-âncoras amestrados repetirem nos telejornais uma receitasneira que em nada mudará o quadro hoje vivido, exceto por ampliar a super-lotação das prisões e produzir um fugaz alívio na angústia da opinião pública, que não durará seis meses, ou até que a próxima barbárie criminosa aconteça e comprove que modificar maioridade penal serve tanto para reduzir a violência, quanto um parafuso e uma porca.
Qualquer mente de bom senso tem a compreensão que não é alterando-se idades e se acrescendo agravantes à penas que será resolvida a violência entranhada na sociedade brasileira. Quem dura, na criminalidade, até os 20 anos de vida, vai com certeza se importar se vai ficar trancafiado por mais tempo!
Mas, sentindo-se, os arautos de raciocínio tão estreito ainda estabelecem comparações com o modo dos países desenvolvidos tratarem o menor infrator; como se, o menor infrator na Inglaterra fosse motivado ao crime de igual modo que um garoto de 15 anos sobrevivente no Capão Redondo, em São Paulo, onde ele não tem acesso a escola, a casa decente, a lazer, a saúde, a segurança pública, a esgoto, a família, destituído de qualquer chance de ser empregável enquanto é permanentemente bombardeado por BBBs, novelas e séries da REDE GLOBO DE TELEVISAO, que lhe ensinam um estilo de vida fundamentado no consumo fácil, na violência e em valores morais com a densidade de um grão de pólen!
Ora, é com o combate a miséria, mãe de todos os crimes, que se protege um povo. É com o combate diuturno a criminosos que operam a corrupção em instituições como o judiciário e a polícia, que se faz um país. Com isso se dispensa a receita plim-plim e os discursos epidèrmicos de políticos oportunistas, produzidos unicamente para vender o sonífero da hora e aparecer na mídia em horário nobre.

2 comentários:

Juvencio de Arruda disse...

Bingo!
A exumação de temas como a redução da maioridade penal é o aval dos políticos à permanencia do abandono, da exclusão, e da concentração da renda.
Não tem mágica: ou tem educação e distribuição, ou a barbárie que já assistimos há tempos.
Já mágicos...
Abs,Oliver.

Cris Moreno disse...

Caramba! É um senhor desabafo!!!
"...é com o combate a miséria, mãe de todos os crimes..." , você foi na ferida da questão. É literalmente uma "ferida", sempre aberta.
Gostei da análise. Parabéns!
Abraços, Cris Moreno