domingo, 5 de junho de 2016

Xingu, a entropia da Floresta

No meio de uma enorme nuvem de poeira vermelha chegavam os colonos [...];
Os flagelados se acumulavam em cima da carga geral como podiam [...];
Gente branca, loura, olhos de gato, gazos. Descendentes de italianos, alemães, polacos outros que tais, experimentados no trato com a terra. Outra cultura. Um choque de civilização, produção, e produtividade àquelas gentes ignorantes e indolentes.
André Nunes, em: Xingu – causos e crônicas.

Dois velhos amigos do Xingu rabiscaram suas espirais do tempo e me viram em suas memórias. Foi quando pousei em Altamira - a trabalho. Levei o caderninho para anotar coisinhas seráficas sobre o rio.
Foto: Roger Normando
A partida de Belém foi cedo, logo que o sol lampejou, dando sensação vistosa na alma e brilho na lâmina fosca de meu bisturi. Na chegada relembrei da geografia amazônica que aprendi lá no interior do Acre. Irinéia, a professora, me frisava que Altamira era o maior município do mundo. Hoje já retiraram o título, mas na minha variância continuará sendo a xerife das terras. Depois Altamira voltou para mim como símbolo do progresso na Amazônia, pela película Bye Bye Brasil.              
De cima, fitando o rio, vê-se um desenho magnetizante que misgalha nossa massa cinzenta.  A gente fica gito-gito diante daquela nobreza e imensidão - eu do tamanho de uma pulga. Ao plainar vamos nos achegando, tentando brechar pela janela a Grande Volta do Xingu e seus 11.000MW de potência, a Belo Monte das discórdias.
Foto: Roger Normando
De uns tempos pra cá Altamira voltou a virar mira do mundo. A transamazônica a colocou no roteiro das estradas e Belo Monte na trilha do Xingu. Mas os donos da terra são outros e, enquanto o acórdão não chega, essa beligerância tem rendido violência e violações, que passarão de raspão por estas mal traçadas linhas. Sem tutano para discutir digressões antropológicas, vim apenas para cochichar com as águas do Xingu.
Em minha lide pelos corredores do Hospital regional, um dos 10 melhores SUS, deparo-me com a triste notícia que entre as principais inquietações e desafios da saúde são a violência rural e as virulentas viroses entre indiozinhos. Dá dó ver um Assurini acamado e amuado. Há os que chegam a ser entubados e permanecem em prótese ventilatória como ultimo recurso antes de partir. A maioria se salva, mesmo assim desconforta a gente ver aquele tubo goela abaixo. Desconfia-se que o H1N1 esteja visitando algumas tribos e, desproteinizados e imunologicamente comprometidos, as crianças são alvos frágeis e de prognóstico sombrio, a lembrar os relatos dos irmãos Villas-Boas.
Outra intempérie da região é a sangraria que escorre pelos ralos da cidade. O crescimento desalinhado da região combinou com a transamazônica mal engendrada, que trouxe, off-road, bala e cartucheira contra as flechas Xipayas. Os resultados são ferimentos cada vez mais complexos. Lá os cirurgiões recuperam intestino, fígado, pulmões e traquéias na mesma batida que as viroses acometem ararinhas. Cirurgiões passam a noite de pé, tesos, e os pediatras não desgrudam o olho dos pequenos.
Essa mortandade por infecção dos brancos não vem de hoje. Tempos passado, séculos XVIII, segundo o escritor Marcio Souza em seu recente Amazônia indígena, 40 mil índios foram dizimados por uma epidemia de varíola no entorno de Manaus, vetoriada por soldados portugueses. Equivale a quase metade de população de Altamira que neste surto já enfileirou nove curumins.
Canoas embicadas para o fundo (Foto: Roger Normando)
Em A batalha do riozinho do Anfrisio, André Nunes relata matança de índios a céu aberto com requintes de crueldade pelo entorno do Xingu. Até um tempo desses, isso era tão comum quanto carbonizar Pataxó em parada de ônibus.
Se Cacá Diegues quisesse rodar novo Bye Bye Brasil em Altamira teria que reinventar a paisagem local ou ir pra Hollywood e montar outra caravana Rolidei, pois, por aqui, o Xingu está ornamentado com outra parafernália... e custa ver canoa embicada e mulheres destripando peixes... o que mais se vê é terra revirada. 

3 comentários:

Abel Sidney disse...

O olhar poético e a busca da paisagem humana e natural, com suas belezas, desanuvia o coração!

Lendo Hannah Arendt, nestes dias, tenho aprendido que o pensar e o agir não podem se dissociar.

E você, "enquanto engoma a calça", vai nos contando coisas de se refletir, de vasculhar na memória, de se inquietar.

Sigo esperançoso!

Raimundo Rocha neto disse...

Roger, realmente é muito triste o descaso e o descarte, dos brasileiros puros, donos legítimos dessas paragens! As mineradoras, também ferem a terra e os índios na maior liberdade, produzindo, tribos de andrajosos !

Elias Amorim disse...

Os índios foram dizimados na América do Norte, e aqui, ou pelas doenças do homem branco ou pelas cartucheiras dos contrabandistas de madeira ou dos garimpeiros, seguem o mesmo destino!