terça-feira, 19 de agosto de 2008

O que fazer com o iPod Touch?



Resposta que a Apple vai dar em breve.
A grande novidade para o segundo semestre deste ano, sem a menor sombra de dúvida, é o relançamento do iPod Touch. Além dos novos Macbooks, é claro.
Sobre o Touch, há de verdade grande expectativa sobre qual seria a estratégia para o novo lançamento. Especialmente, no tocante a preço e funcionalidades. O motivo, você já leu no Flanar: o lançamento do iPhone 3G por 200 dólares em junho, - feito um furacão - deixou o Touch meio sem razão de viver.
A PC World Online informa que a Apple vai relançar o Touch em setembro, junto com novas versões de seus Macbooks. E aposta que seus preços serão algo menores do que os praticados atualmente. No caso do Touch, a queda de preços esperada promete ser abissal, de quase 100 dólares.
Mais um assunto que montarei desde já, um camarote para assistir o desenrolar dos acontecimentos, e de quebra, entender as estratégias mercadológicas da empresa de Cupertino, quase sempre algo autofágicas.
O anúncio deveria bastar para que consumidores afoitos evitem adquirir os iPods Touch até setembro. E mata o produto atualmente vendido nas lojas brasileiras por cerca de incríveis 1500 reais (16 gbytes) e 1800 reais (32 gbytes). Melhor os varejistas irem reduzindo os preços se não quiserem encalhar seus produtos. E rápido. Para setembro, falta um pulo.

Mais sobre o assunto no Flanar

8 comentários:

Anônimo disse...

Além da queda nos preços eu gostaria de ver a adição de suporte a GPS no iPod Touch. Essa sim, seria uma estratéia vencedora (só não sei se AT&T ficará muito feliz com isso, se acontecer).

Com GPS e todos os melhoramentos e recursos do firmware 2.0 o iPod Touch seria um concorrente difícil de bater (só não seria impossível pela ausência de suporte ao Adobe Flash e para alguns de suporte a Java) tanto para quem está interessado apenas em entretenimento quanto em Internet na palma da mão (motivo de preocupação para a Nokia com o seu N800/N810).

Quanto opinião de que é melhor esperar setembro para comprar um iPod Touch, eu não concordo completamente. Isso é relativo, eu explico:

A maioria dos pessoas que estão interessadas em adquirir um iPod Touch buscam um player de mídia de alta qualidade e nesse sentido o modelo atual atende plenamente esse requisito e vai além, de brinde ele ainda oferece a capacidade de gerenciamento de informações pessoais (agenda, contatos, etc) e a expansibilidade para aplicações. Oficialmente através da App Store e digamos assim, extra-oficialmente através de ferramente as de instalação e desbloqueio de terceiros (e existe ainda a possibilidade de você mesmo desenvolver suas próprias aplicações de forma simples - empresas, programadores, etc).

Portanto o iPod Touch, diferente das demais opções existentes no mercado não é apenas um player de mídar. Trata-se na verdade, assim como o iPhone, de uma nova plataforma computacional. Uma plataforma bem integrada e muito poderosa.

Existe outro fator que pesa contra a decisão de aguardar até setembro. Na realidade, quem estiver pensando em fazê-lo, para conseguir comprar o novo modelo que eventualmente deve ser lançado, precisará esperar bem mais que do que isso.

Acontece que se o equipamento for lançado em setembro nos EU, por aqui só deve estar disponível oficialmente para comercialização em meados de novembro, pois precisará ser homologado pela Anatel. Processo de demora em média de 45 a 60 dias.

Para early adopters e aficcionados por tecnologia, pode fazer sentido aguardar até o fim do ano. Para o consumidor comum, interessado em um ótimo player de mídia (com todas as vantagens discutidas acima) e com grana disponível para comprá-lo, pode não fazer muito sentido ter que esperar até o final do ano.

Flanar disse...

Vc tem razão, Antonio. Mas é bom que o "consumidor comum" saiba o que está perdendo, e principalmente, tenha plena consciência do momento de transição do produto, e principalmente que leve em conta os iPods tradicionais (como um Classic, por exemplo), se desejar um "mp4" player com preço melhor.
Vc não acha?
E devemos sim, como consumidores, mostrar aos fabricantes, que estamos de olho em seus passos.
Nem sempre tão saudáveis. Até para forçá-los a manterem uma relação algo mais honesta com seus consumidores fiéis, que não merecem adquirir um produto em vias de ser descontinuado, se oferecer-lhes ao menos alguma vantagem na compra do novo.

Abs

Anônimo disse...

Você tem razão. Informação é essencial nesse mercado.

Só acho que fica um pouco complicado existir um cenário ideal ao mesmo tempo para o consumidor e para o fabricante em um mundo real (veja bem, eu disse "ideal").

Olha só, a indústria vive da inovação portanto não há como pedir que deixem de lançar novos produtos.

Se o fabricante não inova com uma razoável frequência, e por conseguinte não lança novos produtos ele é desbancado pelo concorrente.

Também se anunciar que vai lançar uma nova linha de produtos, que substitui com vantagens a linha atual, suas vendas caem até que o ocorra o novo lançamento. Daí o concorrente pode também assumir a dianteira...

É realmente difícil essa equação.

O melhor mesmo é aceitar que no mercado de dispositivos eletrônicos e produtos de informática (Tecnologia da Informação e Comunicação), a obsolescência precoce é uma constate e você precisa aprender a conviver e lidar com isso. Mas como? Assim:

1- Sempre compre o que você realmente precisa, nada além disso;
2- Não caia no conto da nova versão, ou seja, não compre um produto novo simplesmente porque ele foi lançado para substituir o anterior (quase sempre você não precisa dele);
3- Mas se decidir que precisa informe-se sobre o nove produto. Avalie o risco de comprar produtos recém-lançados, afinal eles podem apresentar problemas que ainda não foram descobertos;
4- Quando for comprar um produto informe-se sobre o tempo de mercado que ele possui e sobre a iminência do lançamento de novos modelos ou versões;
5- Se o produto for muito atingo, prefira um modelo mais novo;
6- Se existem informações de será lançado um novo modelo e que isso ocorrerá em um prazo inferior a dois meses, pode ser prudente aguardar (lembre-se de você é quem decide porque conhece a urgência de sua necessidade e produto atual pode suprir todas elas - lembre-se também do risco descrito no item 3 e confronte isso com a sua urgência em adquirir o produto);

Bem, para terminar um último conselho. Tenha a convicção de que em 12 meses a tecnologia mais recente e revolucionária já pode estar consolidada e não ser mais tão revolucionária assim.

Ou seja, não existe investimento em tecnologia, você sempre deve pensar que está comprando a solução para um problema ou suprindo uma necessidade. Portanto não deixe de adquirir algo por estar sempre a espera da nova versão.

E tenha a certeza de que no futuro "novos problemas" ou necessidades sempre surgirão.

Flanar disse...

Sim. É claro!
O avanço dos produtos é bem vindo, e acima de tudo, inevitável.
Mas façamos o caminho da ilustração aos nossos leitores, na tentativa de defendê-los de tudo isso e mais um pouco.
Continuar a recomemdar o Touch numa hora dessas, pessoalmente não acho uma boa idéia nem para "early adopters" e nem para o "consumidor comum".
Ambos podem beneficiar-se de adquirir a coisa certa, na hora certa.
Afinal, a título de quê, alguém desejaria "ugentemente" um iPod Touch? E ainda por cima pelo preço praticado na atualidade?
Rsss...

Abs

Flanar disse...

Já um iMac ou um Macbook, a coisa é um pouco diferente. Comprem URGENTEMENTE!
Rsss...

Anônimo disse...

Nem tanto para os MacBooks.

Rumores também sustentam que MacBooks repaginados estão entre as novidades para setembro. ;-)

Anônimo disse...

Para ilustrar:

Inclusive, e exatamente por causa disso, tem MacBook com mais de R$ 1000,00 de desconto no Submarino.

E eu simplesmente recomendaria a compra (é uma oportunidade e tanto, mesmo com o iminente lançamento dos novos modelos).

Resumidamente, uma lógica cartesiana não se aplica a esse mercado.

Comprem MacBooks, comprem MacBooks...

Flanar disse...

Rsss...